Terminator: TSCC (2.04) – Allison from Palmdale

Setembro 30, 2008

Quando foi perguntado a Summer Glau (Cameron), qual o melhor episódio da temporada, até agora, ela respondeu que seria o quarto episódio. Eu simplesmente achei o mais fraco! Não que fosse uma boa história, mas houve partes que foram completamente desnecessárias, partes estas que devem ser evitadas ao máximo numa altura em que esta série precisa de desenvolver para um final decente, onde nenhuma pergunta fique por responder, em que o futuro seja mostrado decentemente.

Se por um lado adorei a história de Cameron no futuro (as duas), a Cameron do presente não estava assim tão bem. Acho que não foi a história em si de ser uma tal de Allison, mas sim a forma como foi descoberta a ‘identidade’ de Cameron. Mas uma coisa eu não tenho dúvidas: Summer Glau é uma das actrizes mais talentosas de séries de acção; ela simplesmente é perfeita no que faz! Algo que detestei neste episódio foi toda a história da grávida com a Sarah (vocês já repararam que a actriz que faz de grávida era uma integrante do elenco de Dawson’s Creek, mas que agora em versão mais ‘fora de forma’? Nem parece a mesma…).

Nota: 7,9


Prison Break (4.06) – Blow Out

Setembro 30, 2008

Tal como em One Tree Hill, a quarta temporada de Prison Break já transmitiu um quarto dos seus episódios que constituem a mesma. O balanço que até agora é possível fazer é que estamos a ver uma série completamente renovada, diferente e muito boa. Contudo, eu não consegui apreciar verdadeiramente este episódio, não sei porquê… Tenho plena consciência que foi mais um óptimo episódio e o facto de não ter apreciado não quer dizer que não tenha gostado; é algo difícil de explicar.

A cena inicial em que eles tentam captar as informações de mais um cartão Scylla e todo o processo envolvido, assim como as novas informações que temos de Gretchen é o melhor do episódio. Contudo, existiu uma coisa que eu não gostei no mesmo: será que Mahone, que tem demonstrado ser muito inteligente, não tinha arranjado outra alternativa a não ser dar um soco no policia quando sai da sala, depois de recuperar o dispositivo?

Nota: 8,5


One Tree Hill (6.05) – You've Dug Your Own Grave, Now Lie in It

Setembro 30, 2008

Já repararam que já foram transmitidos um quarto (1/4) dos episódios que compõem esta sexta e possivelmente última temporada? E qual é o balanço que faço do que aconteceu até aqui? Será que a série está gasta após seis anos? Será que ainda tem força para completar a temporada em grande? Eu acho que a última hipótese é a mais coerente, mas mesmo assim está com falhas… e este episódio é o mais evidente disso. Tal como aconteceu com True Blood, no episódio 4, a primeira parte foi completamente lenta, sem muita que interessasse, contudo, a segunda parte já foi mais rápida, até demais!

Acho que a Nanny Carrie não teve um final tão bom como se esperaria. Depois de quatro episódios a fazer um plano para raptar Jamie, tenho a sensação que este plano poderia ser pensado em, pelo menos, duas horas. estava à espera de mais suspense, acção, e não meros 5 minutos que serviram apenas para salvar um pouco o episódio. Muitos fãs acham que o Lucas já perdeu o protagonismo, e eu sublinho! Ele é chato e um dos piores actores da série (alguém vai-me matar por isso?!) e o Nathan tem uma história mais desenvolvida e interessante de que a dele. Ainda temos duas voltas que deram algo de bom ao episódio: a de Lindsey e a de Millicent.

Nota: 8,1


Heroes (3.03) – One of Us, One of Them

Setembro 30, 2008

Terceiro episódio da temporada mais esperada de Heroes. A série estreou muito bem a terceira temporada e o mínimo que se exigia para este episódio é que ele fosse minimamente bom. Será que cumpriu a missão de o ser? Eu acho que sim. Cada vez estou a gostar mais deste novo volume, Villains, e o único receio é que nos seja dado algo tão bom que depois origine uma season finale e até um quarto volume, Fugitives, intragáveis.

A história de Hiro e Ando pela fórmula foi hilariante. Até demais! Eu não gosto da dupla de japoneses pois acho que o tom de comédia que eles transmitem dá outro ar (desnecessário) à essência da história. Também temos a volta do haitiano que, em conjunto com HRG, vão tentar matar Sylar. Por falar em Sylar, foi interessante ver ele a trabalhar com o HRG e com a sua verdadeira mãe, a patriarca Petrelli. A cena entre a mãe da Claire e a própria foi muito forte e bem feita, sendo que as duas actrizes conseguiram transmitir algo muito bem interpretado.

Nota: 8,9


The Simpsons (20.01) – Sex, Pies and Idiot Scrapes

Setembro 30, 2008

Vinte temporada de uma média de vinte episódios cada é obra. Ver uma série mais velha que eu é algo gratificante. Já ter visto os mais de 400 episódios (por televisão e meios ‘alternativos’) é motivo de orgulho. Mas quando algo começa a cair no incerto, onde nem sempre a comédia é suficientemente boa para nos fazer rir muito e algo já está um pouco ou tanto gasto? Será que vale a pena continuar? O último episódio da décima nona temporada foi um dos mais fracos de todas as dezanove season finale que já houveram e quando chega a vez de estreia a vigésima temporada, temos apenas um episódio mediano.

Eu sempre serei um fã incondicional da série, mas sei ver quando um episódio é bom e quando um episódio é mau. E esse não foi nem muito bom, nem muito mau. Foi algo que não passasse de mais do mesmo, dando a sensação de que poderia ser feito algo mais. Não sei se foi por falta de protagonismo de Bart e de Lisa, mas, desta vez, foi mesmo Marge que roubou a cena, com a história de trabalhar numa padaria erótica. Também gostei da crítica aos irlandeses e ao ‘rio verde’.

Nota: 7,7


Desperate Housewives (5.01) – You're Gonna Love Tomorrow

Setembro 30, 2008

Que grande regresso! Não admira que Desperate Housewives seja uma das séries com mais audiência nos Estados Unidos (a estreia da quinta temporada teve mais de 18 milhões de telespectadores). Depois de One Tree Hill ter acertado em cheio ao avançar quatro anos no futuro, chega a vez de Desperate Housewives provar a mesma fórmula do sucesso. Várias mudanças aconteceram na série, seja em história ou em personagens e o balanço que eu posso fazer destas mudanças, é que elas são positivas.

Gabrielle está feia! Eu acho a Eva Longoria feia, por isso prefiro ver que ela agora está apenas no seu estado normal. Gostei da sua história, que ela tem duas filhas que sofrem de problemas de peso. Aliás, cada histórida de cada dona-de-casa foi bem conseguida, desde do acidente de carro de Mike e Susan até à sua separação, passando pelo regresso da Edie com o seu novo e misterioso marido. Um dos pontos fortes de Desperate Housewives é o mistério que sempre envolve Wisteria Lane.

Nota: 8,7


Merlin (1.02) – Valiant

Setembro 29, 2008

Depois de uma grande surpresa que foi o episódio piloto desta minissérie da BBC em parceria com a NBC, chega a vez de analisar este segundo episódio. Muitas pessoas avaliam o potencial de uma série, não pelo seu piloto, mas sim pelo episódio que se segue, constatando se a qualidade continua ou não. Eu sou uma dessas pessoas, e o que posso dizer é que Merlin vale mesmo muito a pena. Diverte, ensina e não cansa, e estes são os ingredientes principais para uma receita de sucesso.

Neste episódio, Arthur tem um novo inimigo. É ele Valiant, um guerreira que usa a magia para ganhar os seus adversários. Como a magia não é permitida em Camelot, Valiant tenta a todo o custo que ninguém saiba do seu segredo, mas Merlin acaba por descobrir, quando vê ele a invocar umas cobras que saem do escudo. A ideia de ter um inimigo por episódio é muito bom e acho que é a melhor forma de contar a história. Há uma coisa que eu não percebi neste episódio: qual a utilidade daquele cão que Merlin ‘transformou’?

Nota: 8,9