Terminator: TSCC (2.03) – Mousetrap

Setembro 23, 2008

Numa temporada em que é preciso arriscar tudo, o grande medo dos fãs é se a série ficará pelos 13 episódios inicialmente encomendados ou se a FOX tiver um ataque de bom senso e encomendar mais, totalizando uma temporada completa de 22 episódios, como Prison Break. Terminator é uma das melhores séries da FOX e que eu fico ansioso pelo próximo episódio (não vos conto a maneira como a minha ansiedade aumentou ainda mais quando vi o vídeo promocional do próximo episódio). Seria uma pena que a série fosse cancelada no décimo terceiro episódio e o cúmulo seria não ter um final decente!

Neste episódio, Cromatie rapta Michelle, a mulher de Charley Dixon, pai de John Connor. Este pede ajuda à sua ex-mulher, Sarah, que se prontifica logo e vai ao seu encontro, junto com Derek. Lá começa a busca por Michelle, enquanto que o Terminator tenta matar Connor. Apesar de a conseguirem salvar, Michelle não consegue resistir aos ferimentos e os seus últimso momentos na carrinha foram verdadeiramente emocionantes, com o desespero de Charley. Cameron já começa a mostrar os seus sentimentos por John, e ele parece gostar dela também. A seguir segue-se a promo que eu falei acima, do episódio 2.04, Allison from Palmdale.

Nota: 8,7


Prison Break (4.05) – Safe and Sound

Setembro 23, 2008

Finalmente começamos a perceber um pouco do grande plano da Companhia. Eu gostei tanto deste episódio como dos restantes e acho que a temporada está cada vez melhor. Em cinco episódios, Michael e companhia já têm a informação de três cartões Scylla. Agora resta saber se no meio da temporada será introduzida uma nova ‘tarefa’ para os rapazes (e Sara), ou a descoberta pelos restantes três cartões vai ser demorada e enrolada. Por aqui, resta esperar para ver que rumo vai tomar esse tema da quarta temporada, que provavelmente será a última.

Neste episódio, mais um portador do cartão é reconhecido. Ele é um conhecido de Don Self, que trabalha no mesmo prédio que ele. Esta foi a missão (de obter os dados do cartão) mais difícil e com mais adrenalina de todas as que já passaram. Só o facto de o General ter aparecido e estar a poucos metros de Michael já acrescentou um aceleramento rápido do coração quando eu via o episódio. A storyline da fuga de Gretchen e da busca de Mahone também foram bem conseguidas. Prison Break está de parabéns por conseguir reinventar, mesmo após vários fãs não acreditarem na série.

Nota: 9,1


One Tree Hill (6.04) – Bridge Over Troubled Water

Setembro 23, 2008

Antes de começar com a crítica ao episódio, temos duas coisas para dizer a vocês. Primeiro, gostaria de dizer que estou felicíssimo com aquele gostinho de não saber o que ver primeiro, pois são tantas séries que não sabemos o que começar primeiro a ver. Hoje tenho três episódios para ver, e já vi três, o que totaliza seis episódios. Isso significa que chegou, finalmente, a Fall Season. a outra coisa que queria dizer é que o Portal de Séries bateu o seu recorde de visitas de sempre, no dia 20 de Setembro, depois da volta de Supernatural e Smallville, com 2448 visitantes.

Agora passando para o episódio. Depois do episódio anterior perfeito, era normal nós vermos esse episódio com alguma relutância e achá-lo fraco. Eu próprio fiquei desiludido (Sr. Mark, quem manda apresentar episódios como o 6.03 e fazer agente mal habituados? Depois acontece isso…), mas não foi totalmente mau. Acho que faltou amis presença da óptima dupla Dan/Nanny Carrie, talvez pelo facto de ter sido o actor que dá vida a Dan a ter dirigido este episódio. Gostei das cenas que envolveram a homenagem de Quentin no jogo de basquet e foi bom rever o actor novamente na série. Por falar na aparição do actor… uma coisa que temos de aplaudir são os sempre excelentes começou de cada episódio.

Nota: 8,3


Grande dia de estreias é dia de audiências. Or not…!

Setembro 23, 2008

Não sei se foi pela greve dos guionistas ou porque simplesmente os fãs cansaram-se da série após a segunda temporada, mas a verdade é que a estreia da terceira temporada de Heroes desceu 6 milhões em relação ao ano passado, conseguindo apenas 9.89 milhões de telespectadores. Será que a série tem vida longa ou apenas sobrevive a mais uma temporada?

Das comédias da CBS, também já se sabe a audiência. The Big Bang Theory estreou a sua segunda temporada com 9.359 milhões, enquanto que How I Met Your Mother conseguiu 9.745 milhões. Nada mau para duas séries que se têm mantido na casa dos oito milhões e agora quase que conseguem 10 milhões. Mesmo sem divulgação quase nenhuma, a nova série da CBS, Worst Week, teve 11.036 milhões de telespectadores na sua estreia. Mas toda a gente sabe que nada como a audiência da sitcom Two and a Half Men, que nesta premiere conseguiu 14.926 milhões, mas mesmo assim não foi a série mais vista.

Adivinhem lá quem é que regressou em grande? Quem aposto em CSI Miami acertou em cheio. Depois de terminar a temporada com a pior audiência da história da série, 14 milhões, a estreia da sétima temporada conseguiu 16.866 milhões de telespectadores. Quem também conseguiu uma óptima audiência foi o reality show Dancing With the Stars, com 21.123 milhões, enquanto que o drama da ABC, Boston Legal, conseguiu 9.419 milhões.

Por fim, as séries que já estão na grade há algumas semanas. As séries da FOX subiram os números e as da CW desceram, em relação à semana passada. O quinto episódio da quarta temporada de Prison Break conseguiu 5.929 milhões, enquanto que o terceiro da segunda temporada de Terminator: The Sarah Connor Chronicles conseguiu 5.816 milhões. Agora as séries da CW: Gossip Girl conseguiu em The Ex Files 3.350 milhões, enquanto que One Tree Hill conseguiu 3.100 milhões.


Heroes (3.02) – The Butterfly Effect

Setembro 23, 2008

Como vocês sabem, o episódio que foi ao ar ontem NBC, foi duplo. A grande questão seria se o nível manteria em relação ao primeiro episódio desse novo volume, Villains. Eu achei o episódio muito bom, principalmente com a introdução de novos personagens, e saída de outros. Várias novas questão são criadas enquanto que algumas são resolvidas, ao mesmo tempo que segredos são revelados. Isso foi o que mais aconteceu, até agora, em Heroes.

Neste segundo episódio, seguem-se os acontecimentos após o final do primeiro episódio. No deserto, Matt encontra um homem que tem um poder pouco original e já usado em Heroes: pinta o futuro. Nathan recebe uma proposta de trabalho por Tracy, a ‘nova Nikki’, e, mesmo indeciso no início, acaba por aceitar. Sylar invade o Level 5, onde estava preso HRG e Peter do presente.

Lá acontece a primeira luta de muitas, e graças da Elle, Sylar fica preso, enquanto que os restantes quatro vilões (e mais correcto dizer três deles, pois um deles é Peter) conseguem fugir e começam a provocar o pânico. No final do episódio, a mãe Petrelli tem uma estranha conversa com Sylar, onde dá a entender ser a mãe dele. Ainda tem tempo para Claire e o seu reencontro com o pai adoptivo e com a mãe biológica, que promete cuidar dela.

Nota: 9,0


Heroes (3.01) – A Second Coming

Setembro 23, 2008

Não sou grande fã de Heroes e vi a segunda temporada com algum atraso (o que demonstra que a ansiedade por ela não era grande coisa). Contudo, a terceira temporada vinha despertando um interesse em mim e confesso que estava ansioso para que ela começasse. O primeiro episódio da série foi visto na Comic Con 2008, em San Diego, e as críticas dos que assistiram foram muito boas, o que ajudava ainda mais a criar o bichinho da curiosidade.

Apesar de uma temporada fraca, no geral, a verdade é que o final foi muito bom, deixando muitas pontas soltas por se explicar. E foi assim que começou Villains, o terceiro volume da série, com Claire e Peter a se confrontarem, onde também ficamos a conhecer quem disparou em Nathan. A história de Claire e de Sylar foi muito bem conseguida, principalmente a cena ‘nojenta’ do cérebro dela. Maya e Suresh estão muito bem um para o outro, pois são os dois chatos. A história de Hiro até que é interessante, com a introdução dessa ‘fórmula’ que pode destruir o mundo. Mas todos já sabemos como isso vai acabar certo? Hiro salva o mundo e nenhuma catástrofe acontece!

Matt não começa lá muito bem. Logo na primeira parte do episódio, ele é mandado para um deserto, sem saber onde nem quando. Por outro lado, Nikki agora assume uma nova identidade de uma amante do governador, e tem um certo interesse em Nathan. Será que mais uma personagem de Ali Larter vai tentar matar Nathan? Por fim, temos a introdução do Level 5, quando Peter do presente é lá preso pelo Peter do futuro. Foi uma cena muito interessante e que promete muita adrenalina nos próximos episódios.

Nota: 9,4


True Blood (1.03) – Mine

Setembro 23, 2008

Esta série continua boa, nada mais que isto, contudo, este episódio foi melhor que os restantes. Uma das coisas que eu gosto na série são as referências que esta faz, como a Angelina Jolie ter adoptado um filho vampiro (episódio 2.02) e neste episódio falaram de Buffy e Blade, assim como aquele documentário da National Geographic que o irmão de Sookie estava a ver, sobre animais (desculpem, mas uma coisa que eu sou péssimo é a decorar os nomes dos personagens. Lá para  o meio da temporada é que já sei tudo sabido).

Outra coisa que eu gosto em cada episódio de True Blood são os finais dos mesmos que nos deixam ansiosos pelo próximo. Neste episódio conhecemos os novos amigos de Bill. Não sei se ‘amigos’ será a palavra correcta, mas a verdade é que houve uma cena intrigante, aquela em que eles falam de alguém superior. Será que eles têm um chefe? Acho que aos poucos a série virá a se revelar como uma das melhores estreias do ano (também este ano, as novas séries não são grande coisa) e podemos esperar uma boa temporada pela frente.

Nota: 8,5