Grey's Anatomy (5.05) – There's No 'I' in Team

Outubro 25, 2008

Confesso que no início eu estava a achar o episódio um pouco chato, mas depois simplesmente achei perfeito. Toda a história médica foi bem pensada e cativante, algo que Grey’s Anatomy não consegue ser em vários episódios, principalmente na terceira e quarta temporada. Lembro-me ainda de casos muito bons como um grupo de montanhistas envolvendo machados ou um homem que tinha pregos na cabeça.

Também os personagens se reergueram neste episódio. Meredith fica chateada (e com razão) pelo facto do seu nome não ser mencionado no tratamento que ela fez com Derek na temporada anterior. Callie e Hahn fizeram sexo e McSteamy ficou, aparentemente, com ciúmes de não haver uma ménage a trois. Yang e Bailey são as melhores, como sempre. E Lexie finalmente abriu os olhos. Agora um coisa que eu não gostei: Sr. Rhimes, a excelente história de Izzie que tanto se falou para esta temporada tem a ver com o Alex? Por favor!

Nota: 9,0


The Mentalist (1.04) – Ladies in Red

Outubro 25, 2008

Eu não sei o que acontece com esta série, mas a verdade é que mesmo detestando séries policiais, The Mentalist consegue cativar-me e isso é bom sinal. Depois de três episódios realmente bons, a série volta com mais um episódio muito interessante e bem construído.

Acho que se não fosse o protagonista que é, eu não via a série. Hugh Laurie está tão bom para House como Simon Baker está para Patrick Jane. Sobre o episódio, já disse acima que gostei muito, principalmente da parte do fim, em que os argumentistas conseguem fazer um mistério até ao último minuto. Parabéns CBS por mais esta pérola da televisão.

Nota: 8,6


The Simpsons (20.03) – Double, Double, Boy in Trouble

Outubro 25, 2008

Finalmente consegui ver o terceiro episódio da vigésima temporada da melhor série de comédia da actualidade. The Simpsons, mesmo quando não faz uma crítica à sociedade norte-americana, consegue ser muito bom, e quando o protagonista do episódio é Bart, consegue ainda melhor.

Neste episódio Bart encontra um duplo seu, contudo ele é o seu oposto. Enquanto que Bart é um rapaz de classe social baixa e é adorado pela família, o seu duplo é da classe rica e é um alvo a abater pelos seus irmãos. Quando eles decidem trocar de lugar, percebem que a sua vida não é a mesma sem estarem no seu lugar.

Nota: 8,7


Retalhos de uma sexta sem Internet

Outubro 25, 2008

Na mesma altura em que assistia o novo episódio de Supernatural no DVD, a Internet foi-se abaixo. Tal não foi a minha surpresa quando vi que o problema do modem mas sim da linha em si, porque o telefone também deixou de funcionar. Fui à loja PT cá em Santa Maria e eles disseram que tinha de ligar para o 16200 de modo a reportar a avaria e só depois é que eles podem vir cá a casa arranjar isso. Mas como função pública não trabalha aos fins de semana, ficarei sem Internet até segunda-feira, no mínimo.

Felizmente tenho um vizinho meu que tem tráfego ilimitado e me deixa fazer downloads à vontade. Assim sendo, vou tentar não atrasar as minha séries de modo a não acontecer o mesmo que a semana passada. Já fiz download de Smallville, Grey’s Anatomy e Ugly Betty, visto que Smallville já tem legenda e Grey’s Anatomy e Betty são séries que se vê bem sem elas. Tentarei ver todos os restantes esse fim de semana (incluindo o episódio de The Simpsons da semana passada que ainda não vi) e depois fazer os habituais reviews.

E apanhando uma seca em casa, decidi dar um zapping pelos canais FOX a ver se estava a dar algo de interessante. Foi aí que me deparei, na FOX Life, com American Idol, o programa de maior sucesso nos Estados Unidos e que deu origem à versão portuguesa Ídolos que foi transmitida pela SIC. Eu gosto de reality shows, não vou esconder, principalmente o Survivor, apesar de ainda não estar a acompanhar esta nova temporada. Ao longo desse ano que passou, eu ouvi e li muito da sétima temporada de American Idol, a temporada que está em exibição na FOX Life. De vídeos que via no YouTube, David Archuleta era o meu favorito a ganhar o programa.

Apesar de ele não ter conseguido, visto que o lugar ficou para o também merecido David Cook, David conseguiu óptimos momentos para o programa. Um deles foi quando cantou Imagine, de John Lennon, no episódio que foi transmitido na FOX Life, o que eu vi. O tema do programa era os anos 70 e Archuleta foi o melhor da noite, sem qualquer tipo de dúvidas. Outro momento que eu gostei foi quando ele cantou a música Angels, do Robbie Williams, que é uma música que eu simplesmente adoro. Além dessas duas, ainda houve outra em que ele cantou muito bem, uma música do Bryan Addams que se chama, salvo erro, Heaven.

E foi assim que passei a sexta-feira. Escrevo esse artigo às 22h15, do dia 24 e será postado no dia 25 (Sábado) porque, obviamente, agora não tenho acesso à Internet. Acho que vou ver esse fim de semana alguns episódios de Battlestar Galactica porque eu comecei a semana passada com o primeiro episódio da segunda temporada. Vamos lá ver se em 2009 consigo acompanhar o aguardado final da série e ainda a sétima temporada de 24. Até lá, tenho as férias de Natal para me actualizar também.

Isso mais pareceu um diário, hein?


Smallville (8.06) – Prey

Outubro 25, 2008

Antes de começar a fazer o comentário deste episódio de Smallville, quero-vos contar a forma estúpida com que fiquei sem Internet na sexta-feira. Como muitos sabem, eu moro nos Açores, mais propriamente na ilha de Santa Maria. Acontece que na minha rua, está a haver obras na construção de um edifício qualquer, e como havia carrinhas que não conseguiam passar por causa do fio exterior do telefone, sem baterem à porta a avisar, estas pessoas da obra simplesmente cortaram o fio. Felizmente, como toda a gente se conhece cá em Santa Maria, o problema será resolvido no mais tardar segunda-feira. Eu fiquei furioso quando soube, afinal de contas, cortarem o fio do vosso telefone sem sequer avisarem é no minho uma decisão irracional.

Agora passando para o episódio Prey. Houve muita gente que não gostou, mas eu adorei. Davis está a ser um personagem em que a sua construção está perfeita. Winter é um grande actor e acho que o papel encaixa-lhe como uma luva. Este episódio demonstrou que a sua personagem vai ter grande impacto no futuro, e quem já se interessou pelo final do Superman na banda desenhada/quadradinhos, sabe que é ele o único que foi capaz de matar Clark Kent. É em Prey que começa a haver um certo ódio entre os dois que tornarão inimigos e por isso acho que foi um dos episódios mais importantes até agora.

Nota: 9,1