Desperate Housewives (5.07) – What More Do I Need?

Novembro 10, 2008

Desperate Housewives começou esta temporada de forma morna, mas agora está bem mais quente, mesmo! Agora a sério, eu estava a achar o início desta época um pouco gasto, mas foi dada a volta por cima e estou mesmo a gostar de todas as histórias que se contam agora. O que é mesmo de rir é a dupla das duas velhotas de Wisteria Lane ao investigarem Dave. São duas autênticas comédias por si próprias e quando a Sr.ª McCluskey se engana no telefone ao falar com o médico foi hilariante.

Até as melhores cenas dramáticas estão a dar bons momentos de pura diversão. Quem não torceu que Lynette começasse uma briga lá com aquela mulher amante do filho? E quem é que não gostou da resposta de Gabby à mulher que anda atrás do marido dela (ou não)? Já para não falar da cena em que Susan prepara uma pequena surpresa no quarto encontro… tsc… foto… tsc. É que nem mesmo o misterioso Dave e Edie fizeram falta pois Orson e Bree também fizeram das suas com uma cassete de vídeo.

Nota: 8,9


Greek (2.10) – Hell Week

Novembro 10, 2008

Admito que pensei até em sugerir ao Marco o cancelamento da série, pois realmente estava bastante irritada com a mesmice que vinha sendo, mas nem me toquei que haveria outra parte da temporada, por vez até pensei nisto mas fiquei tão perplexa que nem pensei ao certo na possibilidade mais lógica. Vemos a chegada da famosa “Hell Week”, uma espécie de rito de passagem final para os “pledges” tornassem “frat brothers”, porém após eles terem que vestir biquínis, ele ganham um copo com peixinhos, engraçado ver o Rusty engolindo os peixes, achando que esta era a prova, mas tava na cara que o KT iam fazer algo simples e bizarro, o objetivo era cuidar dos peixes como se fossem seus filhos e não comê-los vivos. Assim a casa se revolta com sua atitude e ele fica a um passo da expulsão e tem de provar que é um Kappa Tau legítimo, sendo assim ele invade a casa dos Omega Chi para roubar o taco que ele usou para bater no Evan, porém ele é pego e a perseguição começa, gerando uma briga de rua entre as casas, bem típico e trivial.

Temos algumas resoluções e decisões no relacionamento de Cassey com Max, quando ele recebe a notícia de sua aprovação para pós-graduação na California, colocando-os numa situação delicada, se bem que acho meio absurdo tamanha indecisão sendo que eles estão a menos de dois meses juntos, ainda mais quando Cassey recebe uma ligação da Congressista Baker, ex-ZBZ que a conheceu na Convenção Nacional e agora oferece uma proposta de estágio em Washington, porém ela deve partir em duas semanas, colocando mais uma ponte no relacionamento e tendo que tomar finalmente uma decisão exclusivamente dela e não para suas irmãs, para seu atual namorado e nem para ninguém mais. Sempre achei que faltava um C a mais pra Cassey, algo que a destacasse mais do que alguns poucos momentos e talvez essa seja sua deixa para conquistar esse C+. Acho legal o tipo de conversa com o Max sobre ela ter que parar de tomar suas decisões e escolhas em função de seus namorados e sensatamente aceita essa oportunidade de carreira, creio que poderemos conhecer uma nova Cassey assim que a série voltar.

Parece que a Jolie inspirou as mulheres a tomarem decisões, estas até que radicais e que irão com certeza abalar o mundo das fraternidades, quando vemos no final do episódio o ritual de passagem das ZBZ, a Frannie aparece com a surpreendente notícia que ela irá abandonar a casa e irá para outra fraternidade, o que me fez pensar na hora: Ela vai entrar pra onde? Pra Omega Chi? Porém “Evil Frannie” realmente mostrou ao que veio, irá fundar sua própria fraternidade, cuja casa já está comprada e adivinhem quem será que arranjou a casa? Deve até direito a arrastar antigas moradoras e novas moradoras para a “new frat”, deixando a dúvida se Rebecca irá também para o lado negro? Resolvemos dar chance a série e achei bem válido o que o Marco me falou, pois realmente quando algo não veem a dar prazer quando fazemos, não temos como forçar.A princípio irei acreditar na nova guinada que a série deixou em aberto neste season finale.

Nota: 8,0

Escrito por: Mary
Revisado por: Marco

GREEK SÓ VOLTA NA MID-SEASON COM A SEGUNDA PARTE DA TEMPORADA


Greek (2.09) – There's a Crowd

Novembro 10, 2008

Creio que há alguns episódios ando bastante descontente com a série, devido a falta de originalidade. Sabemos que não se pode tirar muito além de um universo universitário, principalmente se diversas séries teen já abordaram esse tema, porém sempre vi Greek como uma série exclusivamente universitária e não uma série que transita para a universidade ou para a vida adulta, como vimos em Dawson’s Creek e The O.C., somente para citar alguns exemplos. Greek teve a premissa de tentar buscar algo diferente, acompanhei a primeira temporada exatamente com este pensamento, porém com o início da nova temporada reparei que a série estava esbarrando sempre nos mesmos assuntos: aceitação social baseada em festas, contatos importantes e rixas entre fraternidades. Talvez eu tenha visões diferentes do que é uma universidade, não tô pregando o tipo de “estudante certinha”, por que estou longe de ser isto ao concluir minha faculdade, mas Greek novamente cansou-me no 9° episódio, com mais uma disputa sem precedentes para a escolha da “Favorite Fraternity”, com os rebolados que Ash sofre ao ser nomeada a nova presidente das ZBZ, com Casey insuportavelmente não sabendo lidar com a perda e sendo totalmente autoritária em relações as decisões da casa.

Sinceramente pensei até em desligar e ver outro seriado, mas resolvi forçar mais um pouquinho para ver se algo de bom saia dele e não é saiu! Ash como eu já disse é a “Shadow da Cassey”, mas quando ela se destaca ela mostra a que veio, até as vezes mais que a própria protagonista. Quando ela começa a falar de uma mulher que guardava o sangue do marido no pescoço, realmente eu pensei: No way! Ela vai fazer isto?! Admiro muito a Angelina Jolie e tudo que ela construiu como pessoa após o primeiro casamento e a analogia que a Ash usa para ir contra a escolha da casa preferida foi fantástica, é interessante quando ela as questiona sobre por que as vidas de cada uma delas tem que ser baseadas pelos homens ou caras ao seu redor. Foi absolutamente extasiante quando ela negou a escolha na cara dos caras da Omega Chi. Realmente é ótimo ter um Brad Pitt ao seu lado, mas podemos ser sim independentes em diversos aspectos, assim como qualquer pessoa, seja homem ou mulher. Nota 10 para a cena final da Ash.

Nota: 6,5

Escrito por: Mary
Revisado por: Marco


The Office (5.06) – Customer Survey

Novembro 10, 2008

Um episódio muito divertido em que Dwight e Jim recebem uma má avaliação de seus clientes por falta de tato ao negociar com eles ao telefone. Óbvio que ambos desconfiam de que algo errado aconteceu, pois eles são os melhores vendedores de papel de Scranton, e começam a desconfiar que Kelly talvez seja a responsável pelo péssimo resultado, afinal é ela quem fez a pesquisa direto com os clientes dos funcionários.

Entre várias cenas boas do episódio, o destaque vai para a cena em que Jim se faz passar por um cliente em uma simulação promovida por Michael para ensinar aos dois mal-avaliados do escritório a maneira certa de lidar com os clientes. Jim faz de tudo para provocar Dwight, que leva constantes repreensões de Michael, pois esse não percebe a brincadeira que Jim está a fazer. Mais hilário é a resolução da cena, quando Jim diz que irá comprar um milhão de dólares em produtos se Michael demitir Dwight, apenas porque gostou do tom de voz de Michael. Tão boa quanto a confrontação de Dwight e Andy do episódio passado.

Nota: 8,8