Dexter (3.08) – The Damage a Man Can Do

Novembro 19, 2008

Juro que não compreendo o que esta série tem de especial para cativar tanta gente. É uma boa série, com um excelente elenco, mas para mim, não passa disso e por vezes, Dexter, sabe ser bem chata. A ‘rotina’ dos episódios é sempre a mesma: primeiros 35 minutos não tem nada de interessantes, os 15 minutos seguintes é do melhor que existe e os outros 5 minutos que falta é uma conversa entre Dexter e Rita. Só tenho três razões para ver a série neste momento (senão já tinha sido ‘cancelada pelo portal’): quero saber quem é o Skinner, estou ansioso para ver a reacção de Miguel quando descobrir que Dexter matou o irmão e por só faltam quatro episódios para terminar esta temporada.

‘The Damage a Man Can Do’ leva-nos a uma das cenas mais esperadas da temporada: a morte de uma pessoa pelas mãos de Miguel com a ajuda e o ritual de Dexter. Muito boa a cena. Por momentos pensei que isso ainda não seria para este episódio e se tal tivesse acontecido eu daria uma nota bem baixa, mas ainda bem que não aconteceu. Enquanto isso, Dexter também tem que lidar com Rita e as suas hormonas alteradas. A história de Debra e do namorado dela começa a ficar finalmente interessante com o desaparecimento dele. O Masuka nem sequer apareceu neste episódio, mas será que alguém sentiu falta dele?

Nota: 8,1


Terminator: TSCC (2.09) – Complications

Novembro 19, 2008

Nem sei bem como começar o comentário a este episódio. Se por um lado parecia tudo tão lento e pouco desenvolvido, o final demonstra que tudo tinha uma razão de ser. Terminator volta assim para mais um episódio em que o Dia do Julgamento Final está a chegar e ao que parece nada pode ser feito para impedir. Muito interessante o clima que se está a criar na série com a aproximação do dia fatídico. Muito bom mesmo!

Cameron, que é nada mais nada menos que a alma da série, tem sentimentos. Esse é um ramo que pode ser bem explorado nesta temporada. Imaginemos que ela é forçada a escolher entre John e os robots? Seria um momento bem estruturado caso ela tivesse sentimentos. Também gostei da história daquele homem que pertencia aos Cinzas e dos flashbacks de Derek quando ele foi preso. A história não pode ser mudada, mesmo que John e companhia tentem. Nunca irá dar certo. O dia está a chegar de uma forma ou de outra!

Nota: 9,0


The Big Bang Theory (2.08) – The Lizard-Spock Expansion

Novembro 19, 2008

Episódio simplesmente fantástico o 2.08 – The Lizard-Spock Expansion e sempre mantendo o excelente nível de comédia da série. O episódio dessa semana começa com Raj (Kunal Nayyar) e Sheldon (Jim Parsons) inventando uma nova maneira de jogar “pedra-papel-tesoura” adicionando os elementos “lagarto e Spock”, esse ultimo sendo o mais eficiente, mas logo percebem que sempre dá empate então não adiantou muita coisa. Howard (Simon Helberg) apareceu muito bem nesse episódio com uma nova tática para conquistar as mulheres e ela logo dá resultado, pois ele consegue pegar uma médica com essa tática. Penny (Kaley Cuoco) ficou um pouco apagada nesse episódio, mas ela mesmo assim nos trás alguns dos momentos mais divertidos na série, e nesse episódio foi quando Howard fez um “elogio” ao modo como ela fica sexy quando seu cabelo está oleoso.

Depois de atolar a sonda Mars Rover, Howard pede ajuda para seus amigos concertarem a situação, já que ele acabou levando Stephanie (Sara Rue) para dentro de uma instalação do governo sem autorização. Howard, Sheldon e Raj ficam para tentar recuperar a sonda enquanto Leonard e Stephanie estão aos beijos dentro do carro. Esse romance acaba saindo do controle já ela não parece se importar muito e ele se sente constrangido de não contar a verdade. Como não conseguiria manter muito segredo desse relacionamento, Leonard decide contar a verdade e Howard não aceita muito bem. Quando Leonard e Stephanie aparecem no apartamento enquanto os rapazes estão comendo, e Howard diz que eles estão mortos para ele, mas rapidamente muda de opinião quando eles o convidam para conhecer uma amiga de Stephanie. Para cobrir seus rastros deixados com o atolamento da sonda Mars Rover, Howard apagou todos os dados que pudessem ligá-lo ao projeto, mas no final do episódio ele percebe que isso foi uma grande idiotice, já que cientistas descobriram que através de dados recuperados da sonda espacial confirmaram que existem sinais de vida inteligente em Marte. Quando Howard descobre isso ele fica desolado, já que infelizmente jamais saberão que ele foi o responsável por essa descoberta.

Esse episódio foi muito bom, com destaque para as cenas de Howard deixando recados na secretária eletrônica e as disputas de “pedra-papel-tesoura-lagarto-Spock” em que ninguém acabava ganhando. Não restam dúvidas de que essa 2ª temporada está sendo um sucesso total entre os fãs e que essa maravilhosa série terá uma longa vida na TV.

Nota: 8,9


30 Rock (3.03) – The One With the Cast of Night Court

Novembro 19, 2008

Como fazer review de comédia de 20 minutos é sempre difícil, sempre que tem uma notícia nova sobre a série em questão, eu acrescento no primeiro parágrafo do artigo. No post de hoje de 30 Rock, podem ficar a saber que Jennifer Aniston poderá ser uma personagem recorrente na série pelo seu desempenho em ‘The One With the Cast of Night Court’. Também vai haver um especial de natal de 30 Rock, no dia 11 de Dezembro. My Name Is Earl, The Office e Kath & Kim fazem companhia.

Jennifer Aniston chegou com uma personagem muito diferente da Rachel de Friends (ainda bem que vejo Friends aos poucos, para não acabar depressa, apesar das 10 longas temporadas). Infelizmente, o episódio não foi tão bom como os anteriores e até Kenneth, que costuma ter muita piada, estava meio apagado com toda a história do casamento dos protagonistas de Night Court. Agora já começo a dar mais valor a Tina Fey como actriz, valor esse que antes não passava de interpretações normais.

Nota: 8,0


Prison Break (4.11) – Quiet Riot

Novembro 19, 2008

Nunca pensei que a entrada naquela sala toda protegida fosse toda elaborada num único episódio. Aí demonstra claramente que os produtores (à semelhança da primeira temporada) não estão a enrolar a história e que os acontecimentos desenvolvem-se a uma velocidade estrondosa. Sucre e Mahone (o novo mestre em termos de inteligência desta temporada) conseguem, logo no princípio de Quiet Riot, fazer um furo naquela parede.

Depois temos uma cena bastante irritante com a burrice de Michael. Era bom que ele morresse no final! Caramba, toda essa história de promete mas não vai já chateia, mas isso não tira o mérito do que ainda estava para vir. Gretchen é surpreendida pelo General (e ficamos a saber que ele é o pai da filha de Gretchen) quando este aponta-lhe uma arma à cabeça. Os dois agentes ficam em cativeiro por causa da dupla T-Bag e Gretchen, mas parece-me que a situação não vai durar assim muito tempo.

Por fim temos a entrada deles na sala. Aqueles 15 minutos de silêncio, sem ninguém falar, valeram por 1000, 2000 ou 5000 palavras. Desde à quase queda de Sucre está à cena em que Michael entra na sala de vidro. E o General está a caminho. Um face-a-face estará no próximo episódio e adrenalina não vai faltar. Estou a adorar esta temporada de Prison Break, uma temporada a que eu não dava confiança nenhuma.

Nota: 9,4