Pushing Daisies (2.06) – Oh Oh Oh… It's Magic

Novembro 24, 2008

Sendo este o primeiro episódio exibido depois da terrível confirmação oficial de que Pushing Daisies está cancelada e não ganhou temporada completa, é com uma ponta de tristeza que estes episódios finais são vistos. Bryan Fuller diz querer acabar a segunda temporada com um cliffhanger porque está a pensar continuar a história em Banda Desenhada ou até um filme. Mas agora eu pergunto: será essa a melhor opção? Filme até podia ser, mas BD não, até porque nós aqui em Portugal (e no Brasil) não iremos ter acesso e ver duas temporadas para depois não ver um final decente é muito mau. Mas acredito que a volta vai ser dada por cima.

‘Oh Oh Oh… It’s Magic’ é apenas mais um excelente episódio de Pushing Daisies. Eu simplesmente adorei! O melhor de tudo é o regresso das tias… ups… tia e mãe de Chuck à série. Elas são perfeitas! Aliás, todo o elenco/personagens de Pushing Daisies é fenomenal. Não há aquele personagem que possamos dizer que não é simpático e divertido. A Olive é a melhor deles todos e foi bom ver ela se juntar ao trio maravilha de detectives. Também estou a gostar bastante da história dos meios-irmãos de Ned. Isso é Pushing Daisies no seu melhor.

Nota: 9,3


Brothers & Sisters (3.07) – Do You Believe In Magic?

Novembro 24, 2008

Quando me fazem esta pergunta eu sem dúvida sei a resposta. Sim, acredito em mágica! Isto me faz lembrar de todo o universo de fantasia e mágica que cresci assistindo, lendo e vivendo (fui cosplayer de Hermione Granger), então eu vivi a mágica mesmo, vesti a mágica, tive e conheci ótimas pessoas e outras nem tão ótimas neste processo. Infelizmente este episódio para mim não tem nada de mágico e está bem longe de enfeitiçar os olhos de quem o assiste. Tudo gira em torno do aniversário do Tommy e as superstições recheadas de predições furadas da cartomante bizarra contratada para o aniversário, que diz que Rebecca ainda irá encontrar seu verdadeiro amor e que o Tio Saul irá encontrar a MULHER (sim gente, a mulher) de sua vida. Além de vermos o velho atracado clichê as três palavras mágicas: I LOVE YOU! Ninguém fez na minha opinião, melhor do que o Ryan em The O.C, é inevitável comparar e esquecer a cara que le faz quando escuta a tão temida frase da Marissa (aliás não sinto falta nenhuma dela).

Voltando ao assunto, como não é de se suspeitar, Nora bola um plano para levar o Sr. Lafferty na festa sem que ninguém saiba de sua verdadeira identidade. Claro que nada passa desapercebido no universo W e com a vinda inesperada de Kitty a festa, a verdade vem a tona gerando um grande conflito entre a aparentada toda e para alegria geral de Holly que aproveita o momento instável e vulnerável do Sr. Lafferty e usa de suas artimanhas para fazê-lo pensar coisas a respeito dos W. Os conflitos no relacionamento do Robert e da Kitty não tem sido fáceis, ao lidar com a expectativa e o temor de serem escolhidos para adoção. Kitty novamente se precipita e a princípio põe tudo a perder ao questionar a mãe biológica sobre as escolhas que ela está fazendo e do fato dela não demonstrar nenhuma dúvida a respeito da doação da criança. No caso, se a mulher quer doar a criança, a única coisa que a Kitty deveria ter feito é apoiar a decisão e afirmar que ela será a pessoa mais indicada a cuidar da criança, quando esta vier ao mundo.

Talvez os ganchos mais interessantes da série tem sido da nova carreira política do Kevin e o fato que ser obrigado a lidar com a conflituosa situação de uma possível “traição do Senador”, colocando em teste sua confiança pessoal x confiança profissional, o que mostra evoluir positivamente no final do episódio ao descobrir a verdadeira situação que Robert estava envolvido. O Kevin ainda é muito novo nisto tudo, porém acredito que teremos boas histórias entre eles pela frente. Outra relação interessante tem sido dos sócios Kyle e John Doe (não lembro o nome dele) e a Sarah a respeito da nova empresa e das criações e expectativas do novo negócio. Espero que o próximo episódio traga a mágica que este não veio a trazer.

Nota: 7,0

Escrito por: Mary
Revisado por: Marco


Merlin (1.10) – The Moment of Truth

Novembro 24, 2008

Grande episódio esse. Um dos meus favoritos de toda a série. O início do episódio lembra-me muito as histórias de Robin Hood (Robin dos Bosques em português) e fiquei feliz ao saber que se tratava da aldeia de Merlin, pois finalmente podemos conhecer um pouco do seu passada. Ficamos a conhecer um amigo dele que se chamava William e quando vi o Chris de Skins veio as saudades da série. Ainda bem que Janeiro está próximo e grandes séries como Lost, Damages e mesmo Skins estão quase a começar.

Voltando a falar d’O Momento da Verdade. Gostei de como o episódio foi construído e tivemos interpretações excelentes por parte de todos, sem excepção. E por momentos pensei que o Merlin ia dizer a verdade a Arthur. Cada vez estou mais covencido que isso vai ficar para a season finale. Agora alguém me explica como é que numa batalha como aquela não há sangue derramado? Ou então como é que as espadas saem do corpo de uma pessoa totalmente limpas?

Nota: 9,0