House (5.11) – Joy to the World

Dezembro 15, 2008

snapshot20081215212221Oh, Oh, Oh! O Pai Natal já começa a chegar e com ele chega também presentes que são uma delícia. Ao décimo primeiro episódio, temos um dos episódios menos aborrecido desde o início da temporada. Temos três géneros diferentes em ‘Joy to the World’: drama, comédia e romance. Na parte do drama, seguimos a vida de uma jovem de 16 anos que é humilhada pelos colegas por ser gorda. Descobrimos que ela esteve grávida e que Cuddy vai ficar com o bebé dela, pois a pobre rapariga vai morrer (interessante o facto de não terem encontrado cura).

Num tom mais comediante, acompanhamos a aventuras de House na clínica ao tentar ser simpático. Quem não se riu da cena em que a mulher esguicha spray para o pescoço de modo a passar a asma? E a história da partenogénese, por mais estúpida que tivesse sido, resultou em momentos hilariantes (Virgem Maria?! Estamos no Natal, não é?). Por fim, o romance fica por conta de Foreman e Thirteen que estão cada vez mais próximos.

Nota: 9,0


Californication (2.07) – In a Lonely Place

Dezembro 15, 2008

O episódio, In a Lonely Place, foi no mínimo interessante, e com certeza foi um dos melhores da temporada, se não o melhor. A relação entre Hank e Becca, é sempre muito divertida, porque independente de como anda a vida dele, ela é sempre sua principal prioridade, e isso é bem explorado nesse episódio.

Como sempre Mia continua sendo aquela pedra no sapato do Hank, quando parece que ela não pode fazer mais nada com ele, ela nos lembra que Karen ainda não sabe dos dois. Acredito que enquanto o Hank não provocar muito ela não vai contar nada, mas até quando ele vai guardar esse segredo?

Daisy entra em apuros mais uma vez, e Charlie é acionado para salvá-la de novo. Eu não sei por que Charlie faz tanto por ela, o cara já torrou 100 mil dólares e já deu até seu carro por ela. Achei mal explicado já que ele disse que o contrato não valeria nada, mas mesmo assim deu seu carro. Será que o sentimento que ele tem por ela é só amizade mesmo?

Hank consegue fazer mais uma besteira a nível de Hank mesmo, transou com a mãe do namorado de Becca, o Damiam, e ainda apareceu nu na frente dele, melado de sangue. Becca termina com o Damiam e defende seu pai como sempre, brigando com o Hank por causa disso também. O ponto alto do episódio com certeza foi a conversa entre Becca e o pai, em que ela falou pra ele cair na real, e mudar sua forma de agir. Hank provando seu amor à filha, consegue convencer o Damiam a fazer as pazes com ela. Essa conversa que o Hank teve com sua filha vai fazê-lo acordar? No fim do episódio, a mulher que Hank tanto persegue aparece de surpresa, e com certeza ele vai conseguir arrancar dela, a história que falta para o livro.

Nota: 9,0

CANCELAMENTO DO PORTAL N.º 10

Este cancelamento é devido à falta de um colaborador para escrever reviews de Californication

The Office (5.10) – Moroccan Christmas

Dezembro 15, 2008

Moroccan Christmas foi mais um episódio natalino de que gostem muito – sou particularmente fã de episódio com temática festiva em The Office. No episódio, Phyllis organizou uma festa de natal com a temática marroquina. Tudo parecia estar indo muito bem, até que Meredith se embriagou com a bebida especial inventada por Michael e acabou colocando fogo em seu próprio cabelo. O incidente acabou com o clima da festa, que foi de mal a pior a partir desse ponto.

Enquanto Michael organizou uma intervenção que não funcionou e levou Meredith a contra gosto para uma clínica de reabilitação – o que levou a ótima cena em que ele a persegue no estacionamento da clínica, Dwight continuou com a sua venda superfaturada de bonecas da Princesa Unicórnio para pais desesperados que não conseguiram comprar as bonecas nas lojas locais – obviamente porque Dwight já tinha feito isso antes. Além disso, Angela tentou virar a chantagem de Phyllis para o seu lado, o que fez com que esta resolvesse revelar o caso entre Angela e Dwight de uma vez: todos no escritório ficaram chocados, menos Pam, que alegava já desconfiar, Dwight, que pareceu orgulhoso de sua façanha, e o próprio Andy, que inocentemente preparava uma música natalina para tocar para seus colegas quando o segredo foi revelado.

Enfim, foi um ótimo episódio, muito melhor que os anteriores, e que ainda lançou uma revelação bombástica, cujas conseqüências só iremos descobrir quando a série voltar de seu hiatus, no dia 8 de Janeiro.

Nota: 9,6


Dexter (3.12) – Do You Take Dexter Morgan

Dezembro 15, 2008

snapshot20081215172002Nos últimos três episódios Dexter demonstrou o porquê de ser uma das séries mais elogiadas da actualidade. Começo a dar mais valor ao início da temporada por tudo foi desenvolvido sem muita acção, mas foi necessário para o que estava para vir. Felizmente, a série protagonizada por Michael C. Hall tem apenas 12 episódios, algo que contribui para a qualidade da mesma (não consigo imaginar uma temporada de 24 episódios…). Mas deixando essa apreciação global da temporada mais para a frente, vamos mas é discutir o que se passou neste final.

À semelhança das temporadas anteriores, temos um final fechado em que (quase) todas as histórias não ficam por meias medidas. Debra finalmente encontra um homem com quem possa ficar e ainda torna-se detective. Foi muito merecido este final dela, uma das personagens que mais sofreu desde o início da história da série. O irmão Prado sobrevivente, Ramon, confessa a Dexter que foi ele que matou o pai e não Miguel. Encontra, na prisão, uma espécie de redenção e é poupado por Dexter, não sendo mais uma visita nas mãos do serial killer.

Por fim, Dexter tem um final feliz, mas antes passa por muito. Quando estava a ir para o carro, é raptado pelo Skinner que o mantém preso numa mesa ‘numa perspectiva diferente‘ a que ele estava habituado. Usando a sua inteligência, os conselhos de Harry e a sua vontade de ser um homem de família, Dexter consegue safar-se e ainda matar o Skinner, fechando o caso. Nos últimos cinco minutos, nós assistimos ao casamento dele. Os últimos diálogos foram geniais e, mesmo sabendo que Rita lhe mentiu em relação ao primeiro marido, reconhece que toda a gente tem segredos. E para mesmo terminar em grande estilo, nada melhor que uma gota de sangue a cair no vestido da noiva na hora da dança.

Nota: 9,5

SEASON FINALE


Friday Night Lights (3.09) – Game of the Week

Dezembro 15, 2008

clip_image0021Jogo dos Dillon Panthers em rede nacional, playoffs, depois de um começo de jogo ruim, Matt ganhou sua oportunidade e como já era esperado se destacou como WR e assim, mais uma vitória de Coach Taylor e seu time. Por ser um jogo tão importante, faltou adrenalina, ou seja, o jogo poderia ter tido mais destaque no episódio e ter sido mais emocionante. Matt agora tem o apoio da mãe e ainda sonha com a universidade, mas tem um longo caminho pela frente, afinal além de não ter dinheiro, ele ainda tem sua avó maluca que surtou só com a idéia do neto ir embora.

O romântico Taylor prepara uma surpresa para comemorar o aniversário da esposa, com direito a suíte de hotel, champagne e chocolate. Mas basta um telefonema e a compreensiva Tami, deixa de lado sua festinha particular com o marido pra ir resgatar a arrependida Tyra de um agressivo Cash, que mostrou ser pior do que se pensava. Tyra num momento de tristeza e carência ainda liga para o Landry, vai entender, será namoro ou amizade…

Parece que o campo de força anti-Riggins não funcionou. Muito engraçada a cara da Lyla quando viu Mindy correndo para os braços de Billy, depois da dançinha ótima delas. E após ser chutado do carro da namorada, Tim Riggins vai para a universidade, é difícil de acreditar, nem ele mesmo acreditava. Para finalizar este ótimo episódio, nada melhor do que a química perfeita do casal Lyla e Tim se reconciliando. Um episódio bom, divertido, envolvendo todos os personagens.

Nota: 9,0

Escrito por: Manola
Revisado por: Marco


Um Mundo Catita (1.04) – Festa de Casamento

Dezembro 15, 2008

mc4Depois de um episódio mais comedido que os anteriores, a minissérie ‘Um Mundo Catita’ regressa para uma ‘Festa de Casamento’ em grande. Algo que podemos notar na série é o crescimento dos actores em tão pouco tempo. Se no início o protagonista não dava tudo o que tinha para dar, a sua interpretação está muito melhor agora. Brincando entre duas linhas temporais (algo pouco usual numa série portuguesa), este quarto episódio acompanha um Vieira desiludido com o poder do amor. É muito engraçada a simplicidade que Vieira carrega nas costas, sem se importar com ninguém, se vai passar uma vergonha ou se é malcriado o suficiente para ser preso ou humilhado. Vamos ver o que nos resta os dois episódios finais.

Nota: 9,0