Equador (1.07) – Episódio 7

sem-titulo

Este é o meu primeiro review desde que comecei com a rubrica d’O Portal Comenta. já tinha dito que para fazer um comentário mais alargado de Equador o episódio teria que me surpreender, tanto pela positiva como pela negativa. Agora perguntam vocês a razão pela qual estarem a ler um review do sétimo episódio, não sabendo se as minhas razões que levarem a escrevê-lo foram boas ou más. E a resposta é…

… positiva! Eu adorei praticamente tudo o que foi mostrado nesses 50 minutos de boa televisão que já não se vê muito em Portugal. Eu estava muito curioso para ver a chegada a São Tomé e Príncipe e não me desiludi. Imagens ao maior estilo de Hollywood. Sim, não é exagero nenhum o que estou a dizer, desde o navio até à multidão de pessoas a receber Luís Bernardo Valença, tudo foi excelente a nível visual.

A trama de Portugal já estava a começar a ficar gasta e foi com grande agrado e sem nenhum sentimento de saudade que me deparei sem nenhuma cena da família Albuquerque. Actores saem, mas outros entram e se nos primeiros seis episódios tivemos a grande prestação da jovem Mariana Monteiro, nesta a outra jovem que interpreta a sua personagem de forma esplêndida é Sara Prata, uma das melhores actrizes da sua geração.

Nicolau Breyner, Alexandra Lencastre, Manuela Couto e Adriano Luz são nomes de grande prestígio na televisão e cinema português. A fazer-lhes companhia tem Ruy de Carvalho, que ao lado de Eunice Muñoz, são ‘os’ actores de Portugal. Joana Solnado regressa também à televisão mas o seu papel não é dos mais interessantes dessa nova fase de Equador. Outros grandes nomes também estão em São Tomé e, juntando Marco D’Almeida e Maria João Bastos, temos a certeza que se Equador tiver pontos fracos, no elenco não será de certeza absoluta.

Por fim, não podia deixar de comentar o quão curioso estou para ver os próximos episódios. As colónias sempre foi um dos ramos que mais me interessou na história de Portugal, que eu sempre achei um pouco aborrecida (pelo menos, quando eu estudava isso na escola). Dá para perceber na conversa entre Valença e o outro homem (eu sou péssimo a decorar nomes, por isso é normal que eu ainda não saiba o nome de metade das pessoas que estão lá) que a situação política da colónia não é a melhor, percepção essa que também nos é transmitida com as acções do personagem interpretado por Nicolau Breyner.

Resumindo tudo o que aconteceu, e pensando no episódio como um todo, estou feliz com o que foi mostrado. Há uma coisa que já me começa a incomodar: será que é só eu que tem a sensação que só existem umas cinco músicas na banda sonora? Estão sempre a tocar a mesma coisa…

Nota: 9,0

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: