Audiências EUA: Cupid estreia em baixa

Abril 1, 2009

cupidAUDIÊNCIA DE TERÇA-FEIRA, 31 DE MARÇO DE 2009

Com American Idol a vencer a noite, em termos de séries tivemos a estreia de Cupid, a nova série da ABC. A estreia teve números mais baixos que o esperado, sendo o vencedor da noite, Law & Order: SVU, que ganhou com larga margem na faixa demográfica dos 18-49, pela frente. De resto temos The Mentalist e NCIS com números apreciáveis, ficando entre os três primeiros nas suas faixas. Without a Trace continua com números pouco impressionantes. Com boa audiência anda Reaper, agora na sua segunda temporada. Pelo lado negativo temos 90210, com números baixos, mas já renovada.

18-49 Rating 18-49 Share 18-34 Rating 18-34 Share Viewers Live+SD (000)
8:00 FOX American Idol 8.5 23 6.8 21 23.36
CBS NCIS 3.4 9 2.3 7 16.83
NBC Biggest Loser: Couples 3.1 8 2.5 7 7.94
UNI Cuidado con el Angel 2.1 5 2.3 7 4.97
CW Reaper 1.0 3 1.0 3 2.37
ABC Better Off Ted (repeat) 0.9 3 0.7 2 3.36
9:00 FOX American Idol (0:26)/Osbournes (0:04) 9.0 22 7.1 20 23.68
NBC Biggest Loser: Couples 4.0 10 3.3 9 9.56
CBS The Mentalist 3.8 9 2.6 7 16.92
ABC Dancing With the Stars: Results 3.0 7 2.2 6 13.00
UNI Mañana Es Para Siempre 2.2 5 2.5 7 5.01
CW 90210 1.1 3 1.4 4 2.04
9:30 FOX Osbournes Reloaded (premiere) 4.1 10 3.5 10 9.33
10:00 NBC Law & Order: SVU 3.5 9 3.3 10 9.34
CBS Without A Trace 2.9 8 1.6 4 12.70
ABC Cupid (premiere) 2.3 6 1.8 5 7.56
UNI Aqui y Ahora 1.6 4 1.8 5 3.85

Fonte: TVbytheNumbers


Estreias TVP: Bones (T4), Stargate Atlantis (T3) e The Cleaner na FOX

Abril 1, 2009

arts_bones_584

Na próxima semana – 15.ª semana de 2009 e 1.ª semana completa de Abril –, o canal FOX está recheado de novidades com a estreia da série ‘The Cleaner’ (quarta-feira, dia 8, às 22h15) e a chegada da 4.ª temporada de ‘Ossos’ (quinta-feira, dia 9, às 21h30, com episódio duplo) e da 3.ª temporada de ‘Stargate Atlantis’ (quarta-feira, dia 8, às 01h05).

‘THE CLEANER’

A FOX estreia ‘The Cleaner’ no dia 8 de Abril, pelas 22h15. Uma nova série dramática que na sua primeira temporada obteve 3 nomeações para os Prisma Awards. ‘The Cleaner’ é inspirada numa história real sobre a vida de um verdadeiro ‘intervencionista extremo’, que conta com a interpretação de Benjamin Bratt no papel de William Banks, um ex-toxicodependente que depois de passar por tempos difíceis e “bater no fundo do poço”, faz uma tentativa de reconciliação com Deus. William é o líder de uma equipa cujo objectivo principal é ajudar outras pessoas a reabilitarem-se dos seus vícios, recorrendo a todos os meios necessários.

Com o empenho que mostra no seu trabalho, William tem muitas vezes, de se esforçar por manter uma ligação com a sua família. Melissa Banks (Amy Price-Francis), a sua mulher, tenta conjugar o seu trabalho como dentista com a sua vida pessoal como mãe de dois filhos adolescentes e esposa que se preocupa e tenta perceber a nova paixão de William. Os dois passam momentos difíceis, e ela consegue manter sempre o seu sentido de humor, mas a sua paciência também tem limites. Lula Banks (Liliana Mumy) e Ben Banks (Brett Delbuono) são os filhos de William e Melissa. Lula, a mais nova, é uma adolescente que tenta a todo o custo ser a filha perfeita para o pai, ao contrário de Ben, um jovem adulto que foi obrigado a crescer rápido demais por causa do vício do pai, e que tem dificuldades a aceitá-lo.

Encarando a sua situação como uma segunda oportunidade de viver, William tenta ajudar outros que estão na mesma condição que ele esteve, e para isso tem o auxílio da sua equipa: Arnie Swenton (Esteban Powell), o perpétuo preguiçoso que só se mete em sarilhos mas que, apesar de tudo, é um elemento fundamental para a equipa. Arnie está constantemente a reclamar por causa da importância dada a Akani Cuesta (Garce Park), a atraente, manipuladora e misteriosa mulher, que com o seu carácter duro e rebelde consegue sempre os melhores trabalhos e, que pode, eventualmente, ter tido um relacionamento passado com William. Por último, Darnell Mcdowell (Kevin Richardson), o gordinho e jovial vendedor de carros, que está eternamente grato a William por este ter ajudado o seu irmão mais novo a livrar-se das drogas. No entanto, ele vai ter de encontrar o equilíbrio entre as suas profundas convicções religiosas e o tipo de trabalho que tem de desempenhar na equipa.

Em conjunto, este ecléctico grupo, vai levar todo o tipo de viciados ao ponto em que se sentem preparados e dispostos a receber ajuda e a começar o difícil processo de reabilitação. Com cada sucesso, e cada falha, William vai ter de combater com os seus próprios demónios através de uma estranha ligação com Deus. Ele é um homem apanhado por um determinado compromisso com o seu trabalho, por um profundo amor pela sua família e pelos fantasmas dos seus vícios. Com uma complicada vida pessoal, estes são os elementos que fazem de William o homem que qualquer pessoa escolheria para ajudar um ente querido, o homem em quem qualquer pessoa confia para fazer seja o que for, o homem que qualquer pessoa quer do seu lado nas horas mais negras.

De mãos dadas com a tragédia e o vício, William Banks vai arriscar tudo para ser o ‘The Cleaner’.

4.ª TEMPORADA DE ‘OSSOS’

O canal FOX estreia a 4.ª temporada de ‘Ossos’ com episódio duplo, no dia 9 de Abril, às 21h30. Mais aventuras da Dr.ª Temperance ‘Bones’ Brennan (Emily Deschanel), uma especialista forense com um dom especial para analisar os ossos das vítimas dos piores crimes. ‘Ossos’ vai ser emitido na FOX até dia 21 de Maio, chegando ao canal a partir de dia 28 os novos episódios da 4.ª temporada de ‘Prison Break’.

A Dr.ª Temperance Brennan é uma conceituada antropóloga e especialista forense no Instituto Jeffersonian em Washington DC, que escreve romances nos seus tempos livres. A estranha e rara inteligência de Brennan, a sua procura incessante pela verdade ou até a forma com que se envolve nas investigações, fazem com que seja difícil de se trabalhar com ela. No entanto, o agente especial Seeley Booth (David Boreanaz) da Homicide Investigations Unit, consegue ver para além da inadaptação social de Brennan e aceitar as perspectivas que ela transpõe para todos os casos.

Depois do final inesperado da 3.ª temporada, no qual foi descoberto que Zack Addy (Eric Millegan) era um aprendiz do assassino em série Gormogon, o primeiro episódio de duas horas da 4.ª temporada vai encontrar as duas personagens principais num novo cenário de crime: Londres. A pedido das autoridades locais, Brennan e Booth, vão mais uma vez, entrar numa importante investigação criminal durante a qual os dois agentes vão ter de enfrentar algumas barreiras sociais e culturais ligadas com a nova cidade. Conduzir pelo lado esquerdo ou até mesmo a tradição da hora do chá, são aspectos que vão permitir divertidas situações com o agente Booth.

Esta nova temporada também vai apresentar novas surpresas: as duas personagens vão ter de lidar com algumas mudanças entre os seus companheiros e “cromos” de laboratório bem como com alguns percalços na sua relação pessoal. Um grupo de jovens acabados de sair da Universidade também vão interferir nesta equipa de investigação quando se começam a infiltrar nos casos de homicídios com o intuito de ajudar e tentar alcançar um lugar permanente na equipa Jeffersonian.

3.ª TEMPORADA DE ‘STARGATE ATLANTIS’

A FOX estreia a terceira temporada de ‘Stargate Atlantis’ na quinta-feira, dia 9 de Abril, às 01h05. Esta série surge como um spin-off da anterior SG-1, ambas baseadas no universo Stargate. Novas sagas e aventuras pela descoberta e salvação da cidade perdida de Atlantis estão de volta para mais emocionantes missões. Liderados pela diplomata Dr.ª Elizabeth Weir (Torri Higginson), um grupo de cientistas e militares embarca numa viagem alucinante pela galáxia de Pégasus com o fim único de encontrar Atlantis e investigar os segredos desta cidade perdida.

Esta temporada de ‘Stargate Atlantis’ vai trazer algumas revelações surpreendentes principalmente em ‘Common Ground’, um episódio especial em que Sheppard (Joe Flanigan) e um Wraith (espécie alienígena que se alimenta da raça humana) formam uma improvável aliança contra um inimigo comum. Podemos também assistir ao retorno do Wraith conhecido como Michael (Connor Trinneer) que, na segunda temporada, tinha sido a cobaia da equipa Atlantis para a experimentação de um retro-vírus desenhado para tornar a espécie Wraith em humanos. Nos novos episódios esta personagem vai desempenhar um papel de relevo para o desenrolar da história.

O episódio ‘Sunday’ vai trazer a revelação mais surpreendente e dramática de toda a série: a morte de um dos principais membros da equipa Stargate. Após uma violenta explosão em Atlantis, o [SPOILER, seleccionar para ler] Dr. Carson Beckett (Paul McGillian) fica gravemente ferido e acaba por morrer.

Informação cedida pelo grupo FIC


House (5.19) – Locked In

Abril 1, 2009

house-519Preso. House estava preso a rotina, preso ao caso chato, preso a actual, com pouco tempo para desenvolvimento das personagens, preso a uma nova equipa que por vezes deixa uma soneira desgraçada. Locked In pareceu ser a chave verdadeira para a prisão onde House se meteu durante parte da temporada. O buraco para fora da cela já estava feito, quase completo, mas sair com chave é mais seguro.

Começou logo pelo local de início. Não é o doente que vai ter com House mas sim os dois encontram-se num hospital. Onde é que eu vi uma coisa parecida? Ah! Foi em “House’s Head”. Lee é um ciclista que teve um acidente enquanto pedalava. Ao chegar ao hospital, os médicos previam a morte como solução para o problema. Como se intervenção divina se trata-se, House tem um acidente perto deste hospital e, ao aproximar-se de Lee, nota algumas diferenças entre ele e os doentes vegetativos comuns. Lee ainda mantém a consciência, sofrendo do Síndrome Locked-In, que, como o Marco referiu nas audiências, já foi retratado no filme “O Escafrando e a Borboleta”.

E em que se caracteriza o Síndrome Locked-In? Não é mais que uma pessoa estar fechada dentro do próprio cérebro, não conseguindo falar, mas conseguindo raciocinar. House convoca a equipa e com a sua ajuda começa à procura da causa que levou ao Síndrome. Mas claro que a situação teria de retornar ao local normal da acção. De volta a Princeton, e com a ajuda de Taub, a busca pela solução começa. Primeiro era necessário procurar um modo de comunicação. O mais primitivo é o escolhido, o piscar de olhos. Um piscar para sim, dois para não. Com este modo de comunicação e após, quando surgem novos problemas, com um ecrã de computador, o paciente lá vai “falando” para o exterior.

Mas o problema inicial não vai se resolvendo, tendo saído vários tiros ao lado (principalmente por House). Mas quando o problema parecia irresolúvel, Kutner (começa-se a perceber a utilidade principal deste) lá tem uma ideia à Chase, e lá resolve o caso. Cuidado com ratos e com cortes de folhas de papel é o conselho que fica. O caso foi bastante interessante, mas House não vive só do caso. Vive das personagens que compõem o elenco fixo. Duas referências para estas. Primeira a presença de todas elas durante o episódio. Chase, Cameron, Cuddy, Wilson e o resto da equipa estiveram presentes durante o episódio, nem que seja por poucos momentos. Depois temos Taub.

Depois de no passado episódio ter ficado no ar a sua insatisfação por estar na equipa chega o momento de House coloca-lo entre a espada e a parede. Se quer ficar dentro de Princeton, tem de mostrar serviço e gosto pelo trabalho. Para isso tem ter uma ideia brilhante para salvar o doente (excelente a expressão “Save the Cheerleader, save your world”). A ideia da comunicação por uma seta de computador parte de Taub (momento interessante para ver a sua fé), mas a verdadeira prova de querer ficar na equipa é apoderar-se da ideia de Kutner. Fica por mais uns temphouseinhos.

Mas o que House estava a fazer tão longe de casa? A pergunta é respondida durante o episódio devido a insistência de Wilson. Parece que, apesar de não acreditar na psicologia, House visita um psicólogo. Mas não foi fácil saber-se esta verdade. Ainda foi possível ver-se que Wilson tem nova namorada, que House ainda esta muito desconfiado. Mas a psicologia parece que fica arrumada. O que parece não ficar de lado é problemas para House. O final do episódio promete, pois aquela câmara não engana ninguém.

Melhor do episódio: Desde o tipo de filmagem que decorreu durante quase todo o episódio, passando pela experiência de ver um caso pela perspectiva do paciente até aos sonhos do paciente na praia com House. E já não se fala do final.

Pior do episódio: Porque que põe Foreman a falar de joalharia? Foi importante para a resolução do episódio, mas dava para dar a volta por outro lado.

Nota: 9,6


The Big Bang Theory (2.19) – The Dead Hooker Juxtaposition

Abril 1, 2009

snapshot20090401144157Uma ameaça para Penny (Kaley Cuoco) chegou ao prédio onde mora em The Big Bang Theory. Tudo porque a nova vizinha Alicia (Valerie Azlynn) chegou para abalar o “reinado” de Penny com Leonard (Johnny Galecki), Howard (Simon Helberg) e Raj (Kunal Nayyar), fazendo com que eles se encantassem com a beleza da moça e fizessem todos os seus caprichos. Fato semelhante ao que aconteceu quando Penny se mudou para o prédio e fez com que Leonard ficasse encantado por ela, e isso acabou fazendo com que Penny se sentisse incomodada com tantos privilégios. As semelhanças também estavam na carreira de atriz das duas, só que Penny ainda estava parada na profissão enquanto Alicia conseguiu alguns papeis em comerciais e até mesmo uma ponta na série CSI como uma “prostituta morta”, o que acabou despertando em Penny um sentimento de insegurança e um pouco de ciúmes de ver seus amigos passando tanto tempo com Alicia.

Quem mais uma vez demonstrou um destaque todo especial foi Sheldon (Jim Parsons), que se manteve um pouco distante da nova vizinha, mas fez um pequeno questionário à ela e deu seu “aval” para a mudança, já que antes disso vimos a hilária reação dele ao ficar sabendo da mudança dos antigos inquilinos do apartamento de cima. Vale lembrar também um pequeno momento em que Sheldon está fazendo cálculos e desenhando números no ar e que após conversar com Penny ele “perdeu o raciocínio” e teve que recomeçar tudo novamente. A outra cena de destaque foi a defesa que Penny fez quando confrontou Alicia sobre ela estar se aproveitando dos rapazes, o que acabou até mesmo usando uma referência a Jornada nas Estrelas. A briga das duas rolando no chão aos olhos do extasiado Howard segurando Leonard para que ele não atrapalhasse aquele momento, o que aconteceu com Alicia não sabemos, mas vimos que Penny ficou bem machucada após a briga. E para terminar a ótima cena de Sheldon ficando chateado com Alicia porque ela estava “pulando na cama”, só que ele não sabia que ela estava em um encontro com um dos produtores de CSI. Foi assim que acabou esse episódio 2.19 – The Dead Hooker Juxtaposition, um bom episódio e que cumpriu muito bem seu papel de oferecer nossas “cotas de gargalhadas semanais”.

Nota: 9,3


10 mentiras que gostaríamos que fossem verdade…

Abril 1, 2009

evangeline_lilly_lost_kate

Dia 1 de Abril, o dia das mentiras, chegou e uma grande quantidade delas anda a circular os blogs, fóruns, sites e twitter. Desde o cancelamento de Lost até ao filme de Veronica Mars, os fãs de série não podem acreditar em nada do que lêem hoje nesses locais, nem mesmo nos americanos mais conceituados, como o Ausiello. Como devem saber, a notícia do cancelamento de Chuck que eu fiz no Portal e mentira, assim como a renovação de Kath & Kim. De modo a comemorar este dia, segue-se uma lista das 10 notícias que não são verdade, mas que eu não me importava nada que o fossem.

  • Sexta e última temporada de Lost estreia em Setembro, na fall season americana.
  • HBO compra os direitos de Pushing Daisies e produz terceira temporada.
  • Heroes fecha a terceira temporada em grande, mas a audiências ditam o cancelamento e a série não volta para a quarta temporada.
  • Júri de American Idol sai do programa e o reality show é cancelado.
  • Portugal anuncia segunda versão portuguesa de ‘Survivor’.
  • Edward James Olmos, Sandra Oh, Elizabeth Mitchell e Kiefer Sutherland visitam os Açores numa conferência de imprensa na ilha de Santa Maria.
  • Morangos com Açúcar regressa para uma sétima e última temporada com apenas os actores da primeira série.
  • Fnac junta-se ao grupo Amazon e criam a Amazon PT.
  • Season finale de Lost marca recorde histórico de audiência, com 24,7 milhões de telespectadores, contra 18,1 milhões de American Idol.
  • Michael Rosenbaum volta e torna-se fixo na nona temporada de Smallville.

E para ti, qual a mentira que mais se agradaria se fosse verdade? E que outra é que podiam figurar na lista?


NBC cancela Chuck e renova Kath & Kim

Abril 1, 2009

NUP_111042_1145Infelizmente, nem a força dos fãs conseguiram fazer com que a NBC renovasse Chuck, uma série criada pelo Josh Schwartz (The OC, Gossip Girl) e protagonizada por Zachary Levi. Eu vi o episódio piloto há alguns dias atrás e a série pareceu-me bastante promissora e segundo o feedback dos fãs, a segunda temporada estava a ser muito boa. A NBC disse que ‘apesar de ser uma série que nós adoramos, as audiências não justificam os custos de produção, contudo, depois de dois dias de conversas com o Schwartz, ficou decidido que a série terá um final decente.

Já o criador adiantou que ‘esta notícia é totalmente verdade, mas eu e alguns membros da equipa pretendemos continuar a história em banda desenhada (quadrinhos no Brasil), mas é uma notícia que não deixa de ser muito triste’. Já os fãs de Kath & Kim podem comemorar pois a série foi renovada para uma segunda temporada de 13 episódios. Esta renovação faz-me lembrar um pouco a de Lipstick Jungle o ano passado, pois apesar das más audiências, a NBC adorava a série e acabou por renová-la.
Feliz dia das mentiras : )


Castle (1.03) – Hedge Fund Homeboys

Abril 1, 2009

castle-103Chegada de nova semana, novo episódio de Castle. A série tem sido regular, mas não tem sido nada de extraordinário. Precisa de um episódio que faça abrir os olhos, que deixe de boca aberta, que controle a audiência (sempre próxima dos 10 milhões, o que não e de admirar para um procedural policial) e que suba de nível. Nota-se algumas coisas novas, mas a série é principalmente Castle, Kate e pouco mais. Nathan Fillion leva a série para a frente, e a sua personagem, juntamente com Kate, é o que faz a série viver. Falta mais gente, mais madeira para a lareira.

Fazendo uma análise rápida, vê-se que a série da ABC junta duas séries da CBS, CSI (com a médica) e The Mentalist (com o protagonista e o resto do elenco), apesar de estar mais próxima desta última. E está a deixar o acelerador da série de lado (uma coisa que não está a acontecer em The Mentalist), a escrita do livro de Castle. Vê-se alguns fogachos, como o computador quando a filha vai falar com o pai, mas pouco mais.

Depois desta análise crítica ao começo da série, falemos do episódio. Foi mais um caso que anda mais para trás do que para a frente. Eu gosto desta resolução dos casos, com o regresso, por vezes, a estaca zero. Desta vez temos a morte de um rapaz que ficou recentemente pobre (efeitos da crise, se calhar). Começamos por ter a introdução, e logo se vê que Castle é mesmo escritor de livros policiais. Os seus raciocínios são muitos bons, e juntamente com Kate, lá se consegue avançar no caso. Mas quando parecia estar tudo resolvido, logo as 20 minutos, temos uma grande reviravolta, que deixa de novo o caso de novo em aberto. Depois foi andar a apostar quem é que matou Donny e agora Max.

Claro que a cultura adolescente caracteriza-se pela sua não abertura, o que torna difícil descobrir. Mas depois de algumas apostas falhadas, o suspeito é um rapaz que se pensa esperto. Mas, como diz Kate, não existem crimes perfeitos, por isso ele fica no seu devido lugar, na cadeia. De resto temos a ligação fortificada entre Castle e Kate e a sua química está cada vez melhor. E como o caso envolvia droga, nada melhor que Castle falar sobre isto com a sua filha. Foi dos melhores momentos do episódio, só comparável ao puxão de orelhas, não figurado, que Kate dá em Castle. De resto temos a mãe de Castle no seu estilo boémio, e nada mais.

Melhor que os anteriores, mas nada que faça espantar. Assim anda Castle, pelas noites de segunda.

Nota: 8,4