House (5.19) – Locked In

house-519Preso. House estava preso a rotina, preso ao caso chato, preso a actual, com pouco tempo para desenvolvimento das personagens, preso a uma nova equipa que por vezes deixa uma soneira desgraçada. Locked In pareceu ser a chave verdadeira para a prisão onde House se meteu durante parte da temporada. O buraco para fora da cela já estava feito, quase completo, mas sair com chave é mais seguro.

Começou logo pelo local de início. Não é o doente que vai ter com House mas sim os dois encontram-se num hospital. Onde é que eu vi uma coisa parecida? Ah! Foi em “House’s Head”. Lee é um ciclista que teve um acidente enquanto pedalava. Ao chegar ao hospital, os médicos previam a morte como solução para o problema. Como se intervenção divina se trata-se, House tem um acidente perto deste hospital e, ao aproximar-se de Lee, nota algumas diferenças entre ele e os doentes vegetativos comuns. Lee ainda mantém a consciência, sofrendo do Síndrome Locked-In, que, como o Marco referiu nas audiências, já foi retratado no filme “O Escafrando e a Borboleta”.

E em que se caracteriza o Síndrome Locked-In? Não é mais que uma pessoa estar fechada dentro do próprio cérebro, não conseguindo falar, mas conseguindo raciocinar. House convoca a equipa e com a sua ajuda começa à procura da causa que levou ao Síndrome. Mas claro que a situação teria de retornar ao local normal da acção. De volta a Princeton, e com a ajuda de Taub, a busca pela solução começa. Primeiro era necessário procurar um modo de comunicação. O mais primitivo é o escolhido, o piscar de olhos. Um piscar para sim, dois para não. Com este modo de comunicação e após, quando surgem novos problemas, com um ecrã de computador, o paciente lá vai “falando” para o exterior.

Mas o problema inicial não vai se resolvendo, tendo saído vários tiros ao lado (principalmente por House). Mas quando o problema parecia irresolúvel, Kutner (começa-se a perceber a utilidade principal deste) lá tem uma ideia à Chase, e lá resolve o caso. Cuidado com ratos e com cortes de folhas de papel é o conselho que fica. O caso foi bastante interessante, mas House não vive só do caso. Vive das personagens que compõem o elenco fixo. Duas referências para estas. Primeira a presença de todas elas durante o episódio. Chase, Cameron, Cuddy, Wilson e o resto da equipa estiveram presentes durante o episódio, nem que seja por poucos momentos. Depois temos Taub.

Depois de no passado episódio ter ficado no ar a sua insatisfação por estar na equipa chega o momento de House coloca-lo entre a espada e a parede. Se quer ficar dentro de Princeton, tem de mostrar serviço e gosto pelo trabalho. Para isso tem ter uma ideia brilhante para salvar o doente (excelente a expressão “Save the Cheerleader, save your world”). A ideia da comunicação por uma seta de computador parte de Taub (momento interessante para ver a sua fé), mas a verdadeira prova de querer ficar na equipa é apoderar-se da ideia de Kutner. Fica por mais uns temphouseinhos.

Mas o que House estava a fazer tão longe de casa? A pergunta é respondida durante o episódio devido a insistência de Wilson. Parece que, apesar de não acreditar na psicologia, House visita um psicólogo. Mas não foi fácil saber-se esta verdade. Ainda foi possível ver-se que Wilson tem nova namorada, que House ainda esta muito desconfiado. Mas a psicologia parece que fica arrumada. O que parece não ficar de lado é problemas para House. O final do episódio promete, pois aquela câmara não engana ninguém.

Melhor do episódio: Desde o tipo de filmagem que decorreu durante quase todo o episódio, passando pela experiência de ver um caso pela perspectiva do paciente até aos sonhos do paciente na praia com House. E já não se fala do final.

Pior do episódio: Porque que põe Foreman a falar de joalharia? Foi importante para a resolução do episódio, mas dava para dar a volta por outro lado.

Nota: 9,6

Anúncios

0 Responses to House (5.19) – Locked In

  1. Matheus diz:

    Eu não achei o episódio tão bom assim…

  2. Rubens diz:

    He-he-he… Eu sou brasileiro, então não consigo entender quase nada desses reviews, porque o autor usa excessivamente expressões linguísticas locais e gírias, como “dar a volta por outro lado”. Acho engraçado isso, falamos a mesma língua, mas é difícil se comunicar… 🙂

    ps. Não adianta explicar a expressão que eu citei, o texto tem um monte delas, eu apenas usei um exemplo…

  3. Rubens…eu percebo o que tu queres dizer…como português que sou tenho uma maneira de falar própria, diferente da brasileira. É isso que nos distingue e que faz com que eu, por vezes, tenha de puxar pela cabaça quando estou a ver séries com legenda pt-br.

    Falando do texto em si:

    1 – Para te dar a explicação da expressão, eu queria dizer que os argumentistas poderiam falar do pormenor da irritação sem ser necessário ir por jóias.

    2 – Peço que me respondas a esta pergunta. O conteúdo dos reviews consegues perceber? Percebo que não percebas(desculpa a redundância) alguns regionalismos, mas percebes a maior parte do review, não?

    Cumprz e continua a comentar e a criticar. Sei que não sou perfeito, e só com os comentários dos leitores é que posso saber o que vocês pensam sobre o conteúdo e a forma como escrevo. E peço a todos os que tiverem dúvidas que as coloquem. Eu tentarei elucidar o máximo possível.

    PS:Tentarei não meter tantos regionalismos nos próximos reviews que faça. Mas vão sempre sair alguns, pois é a minha maneira de escrever.

  4. Isabel diz:

    Achei piada do House dizer “save the cheeleader, save the world”. x)
    Foi um episódio fora do comum e achei bem interessante ver o lado de lá. Até porque em situações como aquela em que uma pessoa não se pode mexer nem falar, é desesperante estar consciente e com dores e querer comunicar. =s Mas gostei de todas as tentativas para chegar até ao fim do episódio.

  5. AVargas diz:

    devo dizer que gostei bastante deste episodio, mesmo muito. Ver as cenas pelo lado do paciente foi sem duvida um ponto a favor. De facto a ideia das joias…
    Faltou a Dr.Cuddy aparecer, so aquele…. vale mais uns pontitos na avaliaçao de qualquer episodio 🙂

    cumpz 😉

  6. DMM diz:

    Excelente episódio e review ao nível do episódio.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: