Fringe (1.17) – Bad Dreams

Abril 25, 2009

fringe1Já dizia António Gedeão, um pseudónimo de Rómulo de Carvalho, num dos poemas mais bonitos da língua portuguesa, Pedra Filosofal, também cantada por Manuel Freire:
Eles não sabem que o sonho / é uma constante da vida / tão concreta e definida / como outra coisa qualquer.

Olivia Dunham nunca se viu tão familiarizada com estes pequenos versos que transmitem a essência do episódio. No sonho mata uma jovem, na realidade esta morte ocorre. Coincidência? A partir de aqui o episódio ganha uma dimensão pessoal, uma situação que não ocorria tão vincadamente desde Ability. A narrativa continuada é uma das situações mais interessantes em Fringe, e Bad Dreams sucede-se ao episódio 1.14 em todos os pontos. Olivia começa a investigar o caso, mas as respostas não são suficientes para prevenir que outra morte ocorra. Mas o padrão é descoberto, dando pelo nome de Nick Lane. E começam aqui as referências implícitas a Ability: tanto a agente do FBI como o presumível “homicida” nasceram na mesma cidade.

A partir daí foi uma corrida contra o tempo para descobrir Nick, e pelo meio lá se descobre mais uma peça para o puzzle, com “Olive” e Nick a participarem nos mesmos testes com uma droga chamada Cortexiphan, que teve como efeito secundário que Nick consiga influenciar as pessoas que lhe rodeiam, tendo elas uma resposta ao seu sentido de humor. Mas a pergunta que ficava no ar era como Olivia se relacionava com Nick para sentir o que ele sentia, sonhar o que ele vivia? A resposta é dada por Walter, com mais um pormenor curioso pelo meio. Vamos primeiro ao pormenor. Parece que o mais velho dos Bishop’s participa em tudo que tenha a ver com o sobrenatural, tem um dedinho em tudo o que é ciência Fringe.

Mas a resposta é que os testes de Cortexiphan eram feitos a pares, devido a não criar receio nas crianças que os sofriam. E Olivia parece que foi o par de Nick. Continuando, temos uma das melhores cenas do episódio, com Nick a influenciar todos a sua volta e coloca várias pessoas prestes a cometer suicídio (ficando-se com uma imagem impressionante). Olivia lá tenta salvar a situação e, apesar de acontecer mais uma morte (numa cena já algumas vezes vista), salva o resto das pessoas em perigo.

Eu sei que falta uma parte da história do episódio, mas não se preocupem que não me esqueci. A referência ao manifesto do ZTF é mais uma referência, para além de Ability, ao passado de Olivia. A referência encontrada no quarto de Nick deixa mais um bocado de mistério no trama e os papeis terem ficado com Olivia deixam antever que serão ainda (muito) utilizados.

Para além disso falta falar do advogado que foi ter com Nick? Quem será ele? A minha aposta vai para o próprio Dr.William Bell, mas outros nomes podem surgir durante o que falta da temporada. Mas num episódio em que há muito avanço na descoberta do passado esquecido de Olivia surge um contratempo. Nina Sharp diz que os ficheiros foram (convenientes, acrescento eu) apagados. Não me parece que isso tenha acontecido, mas é só uma aposta.

Continuando a falar de pormenores do episódio: Para que terão servido as experiências? Para criar um exército que será chamado quando quiserem? Se foi para isso, fica explicado a frase de Nick: “Um soldado que viria era natural e artificial.” E depois fala do homem que visitou o hospital que lhe disse que eram necessários guerreiros. A guerra parece estar para vir e parece que ninguém avisou Olivia. E fico com a frase que acaba este longo discurso misterioso “Ele disse: O que foi escrito passará.”

Passando para mais uma descoberta do passado de Olivia: Ver a ligação que Walter Bishop teve com as experiências que “Olive” sofreu foi deverás fantástico. Mas que terá sido o incidente que tanto se fala no filme? E parece que o Walter não está a contar toda a verdade.

Foi mais um episódio excelente de Fringe, que está cada vez melhor. As notas vão começar a ser mais rígidas, e só por isso é que este episódio é classificado assim.

E acabo como comecei, de novo com uma citação do poema escrito em 1958: Eles não sabem, nem sonham, / que o sonho comanda a vida, / que sempre que um homem sonha / o mundo pula e avança / como bola colorida / entre as mãos de uma criança.

Fringe avançou de certeza.

Nota: 9,1


Prison Break (4.18) – VS.

Abril 25, 2009

snapshot20090425170704Eu não sei se aquilo que vou dizer neste parágrafo deve-se à grande pausa que a série teve ou por ser a última temporada, mas não estou a gostar muito do rumo que as coisas estão a tomar. Estou a achar tudo tão forçado, e o que antes era extraordinário para a série (os tais twists), agora tem resoluções muito previsíveis e sem surpresas nenhumas. Eu sou daquelas pessoas que gosta que uma série termine mais cedo e bem do que tarde e mal, por isso a decisão da não renovação para uma quinta temporada foi das mais acertadas da FOX nessa temporada. Acho que não vou sentir assim tanta falta de Prison Break!

O final do episódio passado mostrou que Lincoln estava com uma arma apontada à cabeça, mas quando este vai para trás de uma árvore, o atirador teve uma pequena distracção e Self acaba por vê-lo. Apesar de ter sido um bom momento de acção (é sempre bom voltar a ver o Mahone nessas cenas electrizantes), achei que a resolução poderia ter sido um pouco mais realista. Nas primeiras duas temporadas, tivemos situações do género e a forma como Michael e Lincoln saiam delas era mais inteligente. Mas como disse, continua a ser um bom momento de acção, que a série sabe tão bem fazer.

Entretanto, a busca por Scylla continua a acontecer e adorei todo o plano para entrar na embaixada. O T-Bag é um mentiroso que mente tão mal que chega a ser credível! Como é que aquela mão dele ainda não está em estado de decomposição e a cheirar mal? Já lá vão três temporada e ela continua sempre com o mesmo aspecto. E a Sara está grávida! Isso sim é uma grande novidade em Prison Break que poderá trazer boas repercussões no futuro. Se antes Michael tinha uma pessoa por quem lutar (o Lincoln parece que já não faz parte da vida dele, ou seja, é a Sara), agora tem duas.

O que será que aquele homem que foi capturado no aeroporto está a fazer em Miami? E o que contém a sua mala com o mesmo nome do episódio? Descobriremos isso nas próximas semanas que marcam o encerramento definitivo de Prison Break. Estão preparados para o grande final? Eu estou, e acho que vai ser algo mesmo em grande! Espero não me enganar, mas que eles têm histórias e inteligencia para fazer isso, lá isso têm. É preciso é aproveitar!

Nota: 8,5


90210 (1.20) – Between a Sign and a Hard Place

Abril 25, 2009

90210-20Silver continua na sua prisão doméstica, com o controlo um pouco mais leve de sua irmã, parece que finalmente as duas estão a conseguir conciliar as coisas. Temos o desenvolvimento de duas amizades até há bem pouco tempo pareciam como improváveis. Liam e Ethan estão a dar-se bem, até bem demais para a maneira de ser de Ethan que acaba faltando às aulas, a personalidade das personagens está em mudança para os lados de Bervely Hills. Outra amizade que retoma os carries é a de Naomi e Annie, que depois de deixarem de ser falar, retoma agora a amizade. Achei a cena do carro com sorrisos e cafés oferecidos um pouco forçada, podiam conciliar o retornar da amizade delas sem tanta pressa. Descobrimos neste episódio que Donna tem uma filha e qual o motivo da separação desta e David. Mas ainda pode haver esperança para o casal, caso as crónicas de Sarah Connor seja mesmo cancelada, David pode quem sabe voltar à série.

Donna procura alguém que a guie na decisão correcta a tomar. Outra relação que parece ter recomeçado com todo o fulgor foi a de Kelly e Ryan depois de iniciaram novamente a amizade resolve dar um passo mais. Quem diria o que um pacote de cerveja pode proporcionar. Silver tem uma revelação um quanto ou tanto surpreendente depois de toda a história um pouco exagerada a meu ver, esta resolve ir para uma nova escola, St. Claires, uma escola católica. Quem diria que Silver iria terminar numa escola católica. Esta sente demasiado a pressão e os comentários maldosos e resolve começar do zero, num novo sítio, onde ninguém a conhece, e conhece o seu recente passado. Dixon ainda não sabe da novidade, como reagirá ele à mudança da sua namorada.

Esta conversa com Ethan e ambos os personagens parecem meio perdidos, acabam por ter uma boa conversa os dois. Naomi fica sabendo que o pai está a ser acusado de assédio sexual e acaba virando boato na escola, esta sem solução acaba saindo do hotel onde se encontra instalado desde a discussão com o pai. Annie surge então em seu auxílio oferecendo-lhe abrigo. Deixo agora uma pergunta no ar, onde está a Annie melhor amiga de Silver? Nem uma visita, nem um pouco de atenção? Um ponto alto do episódio para mim foi mais uma vez o casal Adrianna e Navid, que andam à procura dos pais ideias para o filho de Adrianna. No entanto esta sempre acaba por achar um defeito qualquer. E Navid mostra-se cada vez mais interessante em ajuda-la a criar a criança, acabando por pedi-la em casamento. Parece que vai haver casamento em Beverly Hills.

Nota: 8,3


Fontes da NBC dizem que Chuck é renovada, mas Josh Schwartz desmente

Abril 25, 2009

yvonne-strahovski-em-chuckUma fonte confiável da NBC e WB disse, em exclusivo ao site series.nu, que Chuck está a receber uma terceira temporada de 13 episódios.

A fonte da NBC disse que Chuck não foi cancelada e vamos ter esses 13 episódios, mas outra fonte da WB disse que isso não é 100% de certeza, mas que isso é uma boa visão para o futuro da série, mas o tal outro informante da WB (aquele que eu referi no primeiro parágrafo), continua a dizer que a série vai ser renovada. Contudo, há um problema na programação! A série parece que não tem espaço no grelha, mas segundo a WB, a NBC adora ‘Chuck’ e está a fazer tudo o que pode para que ela ganhe um lugar.

Se não for na fall season, talvez Chuck volte na midseason. Mas nada disso ainda é certo! Quanto ao interesse da CW pela série, segundo novas informações, Dawn Ostroff, presidente de entreterimento da CW, gosta de Chuck e tem interesse na série caso a NBC cancele, mas a NBC nunca ofereceu a série ao pequeno canal. Se nunca ofereceu nem sequer ponderou o assunto, é que vai ser mesmo renovada!

Actualização: Josh Schwartz, criador da série, desmentiu esse rumor e disse que não se sabe nada além do que vem sido falado nas últimas semanas. E ainda deixou no ar que pode salvar a série: ver a season finale, que vai ao ar nessa segunda-feira. Alegria de pobre dura pouco, não é?


Harper's Island (1.03) – Ka-Blam

Abril 25, 2009

snapshot20090425113103Novamente, Harper’s Island continua a entreter bastante, pelo menos a mim. Ao terceiro episódio, a série ainda não está no auge que tem potencialidade para chegar, mas continua a não ser aborrecida e é claro que continuarei a vê-la. Uma das coisas que eu acho bem fazerem na série é exactamente aquilo que fizeram nos três primeiros episódios: mostrar o contraste entre uma vida feliz e divertida e uma morte inesperada e violenta. E isso é demonstrado logo no início quando todos estão na piscina a brincar e depois aparece o xerife na morgue.

O tema principal desse episódio foi mesmo a morte por enforcamento de Kelly. Nós, telespectadores, sabemos muito bem que ela foi assassinada, mas para os personagens, principalmente o xerife, foi um simples suicídio. Contudo, todos descobrem no fim que foi mesmo homícidio e Abby agora já não deve dormir descansada, pois o que aconteceu há sete anos atrás à sua mãe está a ocorrer outra vez, mas consigo e o seu grupo de amigos. O mais interessante dessa morte é que o assassino deixou uma espécie de padrão/pista, ao pintar os olhos de vermelho da Kelly, assim como estava num jornal os olhos do xerife e de um urso de decoração.

Ainda bem que o triângulo amoroso Henry-Trish-Hunter já terminou, e a morte do que estava a mais é misteriosa, pois nem todos sabiam que ele estava na ilha. Isso leva-nos a um principal suspeito: Thomas, o pai de Trish. Mas por ser óbvio demais, não deve ser ele o assassino. Gostei da partida que nos pregaram sobre o JD, eu pensava que o atropelamento teria sido organizado para o matar e não o prender por se achar que ele era o assassino de Kelly. Com isso, Shane também não deve ser o serial killer da ilha. Só para finalizar, não podia deixar de dizer o que eu me ri com o que Cal fez a Sully com aquelas penas. Foi mesmo hilariante!

Nota: 8,5