So You Think You Can Dance (5.01) – Auditions #1 and #2

Maio 23, 2009

so_you_think_you_can_danceEste é o primeiro reality show que eu me aventuro a escrever reviews semanais. Já tinha pensado em fazer isso com Survivor, mas como no início de 2009 estava cheio de trabalho já para fazer, deixei de lado. A quinta temporada de So You Think You Can Dance é a primeira que eu vejo, por recomendação da Mary Barros, autora dos reviews de Brothers and Sisters, Kyle XY e Greek. Isso vai funcionar da seguinte forma: em cada artigo semanal que eu publicar, estarão conjuntos de três a quatro pessoas numa fila, onde comentarei as performances abaixo. Também juntamente com as pessoas escolhidas estão asteriscos, que servem para classificar a mesma, sendo que * é horrível e ***** é excelente. Estejam à vontade para comentar as vossas opiniões sobre os candidatos!

dance1

A primeira candidata que está na imagem, como se pôde observar na sua actuação, tinha uma deficiência corporal. O seu principal objectivo era provar que ela, mesmo com as suas dificuldades, consegue dançar. Por acaso achei um pouco injusto o facto de ela não passar, principalmente depois do discurso esperançoso do júri. Os ‘esquisitos’, como foram chamados pelo júri, só sabiam fazer uma coisa: mecher com o corpo com os braços e fazer uns movimentos que qualquer pessoa com elasticidade faz (no caso das pernas). Nada mais que isso! Por fim, o rapaz do sapateado fez uma boa actuação e conseguiu passar. Eu gosto muito de ver e ouvir sapateado por isso gostei particularmente desta performance.

dance2

Uma das principais injustiças deste início de quinta temporada é a separação do dueto que está na primeira das três fotos. Gostei da actuação deles, principalmente toda a agilidade em que ele roda-lhe e esta aguenta-se firme. Foi um grande momento de concentração e bonito de se ver. Quanto aos segundos candidatos da imagem, foram um dos mais polémicos do programa porque dançaram algo que deveria ser feito por um homem e por uma mulher. O júri criticou isso e, provavelmente, deve ter gerado alguma burburinho nos bastidores. A dança não foi má de todo, mas sou obrigado a concordar com o júri quando eles dizem que a valsa foi feita para duas pessoas de sexo oposto. O último dançarino deste segundo bloco serviu mais para divertir do que para dançar, apesar de ter feito umas acrobacias jeitosas, mas nada de muito especial.

dance3

Para o fim foram guardados aqueles que se sairam melhor e pior. Começando por aquela que simplesmente foi fazer figura de parva, não percebo como é que alguém no seu perfeito juízo tem coragem de ir para um programa assistido por milhões de telespectadores só para mostrar a sua falta de dança. O homem do guarda-chuva começou mal mas logo depois ganhou a simpatia do público quando falou sobre o que o objecto significava para ele. Fiquei admirado quando ele passou logo à primeira! O penúltimo concorrente que está na imagem foi, sem qualquer tipo de dúvidas, o melhor das primeiras duas audições. A sua dança frenética estava perfeitamente sintonizada com a música, e até fez uma das júris chorar. Foi brilhante! Por fim, uma das candidatas mais sobrevalorizadas. Eu sei que ela até dançou bem, mas daí até ter que receber todos aqueles elogios do júri? Mas não deixou de ser uma boa actuação.

E para a semana há mais comentários de So You Think You Can Dance!


One Tree Hill (6.23) – Forever And Almost Always

Maio 23, 2009

Amei, amei, amei, em um único episódio eu ri e chorei. Eu digo até que este foi o melhor episódio desta temporada. Todos estavam lindos, a Peyton então, estava maravilhosa vestida de noiva. Eu adorei a cerimônio do casamento, foi linda. O cenário me lembrou muito o casamento de Haley e Nathan. Falando deles os dois estavam muito legais, eu vinha achando as cenas dos dois juntos um pouco sem sal, mas neste 6.23 eles estavam ótimos. Haley muito engraçada com juíza de paz, e depois ela emocionou a todos (incluindo eu) com seu discurso, e Nathan com sua tristeza por não ter sido escolhido pela NBA, quando ele diz “estou cansado de fracassar”, dá um pena dele.

Eu estava com saudades do Julian, então eu achei o máximo o retorno dele. Brooke e ele fazendo ciúmes um pro outro, foi divertido, mas melhor ainda foi Nick Lachey ficar com a ‘falsa’ Brooke no final. Só não achei muito legal a Brooke evitar o Julian novamente. Os demais personagens também estavam ótimos, Jamie falando para Skills “primeiro a nany Deb, depois minha professora…”, Mouth gravando Bruxa de Blair, todos estavam hilários.

Desde os primeiros minutos eu já previ o final, era o melhor desfecho para um episódio tão bom, mas mesmo assim eu não quis acreditar quando realmente aconteceu, aquelas gostas de sangue em cima das pétalas foi horrível, estava tudo tão perfeito para Peyton e Lucas, não era justo. Quando terminou eu fiquei olhando para a tela, como se de repente a história fosse continuar…Vou preparar o coração para a season finale!

Nota: 9,4


Gossip Girl (2.24) – Valley Girls

Maio 23, 2009

nair-timeFinalmente um dos episódios mais esperados da temporada foi ao ar, aquele em que conhecemos um pouco mais da adolescência de Lily Van der Woodsen na agitada Los Angeles dos anos 80. O spin-off pode não ter acontecido – a CW abriu mão de Valley Girls para investir em outras séries –, mas isso não significou um episódio ruim, pois apesar de ser claramente um filler – nos preparando para uma grande season finale –, os acontecimentos ocorridos no flashback foram agitados o bastante para não nos sentirmos entediados até a chegada do grande clímax no final do episódio: o baile de formatura.

O gatilho para Lily voltar seus pensamentos para o passado veio justamente no fim do episódio anterior, quando Rufus sugeriu uma semelhança entre o comportamento de Serena e o de sua mãe ainda na adolescência. Com isso mergulhamos em suas memórias e descobrimos uma Lily Rhodes nem tão diferente assim do que estamos acostumados a ver: uma menina extremamente rica, mimada, fútil e um tanto quanto chata – não que Lily seja tudo isso hoje, porém ficou mais que evidente que desde cedo ela foi instruída a viver a vida dentro das regras da sociedade do Upper East Side.

A história começa justamente em um momento crucial na história de Lily: após ser expulsa do colégio, e ter sido proibida de morar com seu pai, a solução para seus problemas foi buscar por sua irmã, Carol – que se livrara das garras da mãe das meninas, Cece, em uma versão muito mais insuportável que a atual, interpretada por Cynthia Watros (Libby de Lost) –, pois afinal viver com sua mãe seria insuportável. Visitando um lado mais popular da cidade, Lily conhece Owen, um garçom que passa o episódio inteiro estranhando as frescuras e as caretices de Lily, mas que, mesmo assim, sente uma atração por ela. Com isso a história se desenrola até o momento final, onde acabamos conhecendo outro personagem importante de sua história: Keith Van der Woodsen! Exato, o futuro pai de Serena e Eric. Porém ele é muito diferente do que imaginávamos, certo? Extremamente arrogante e prepotente, Keith acaba mandando Lily para trás das grades, o que a faz refletir mais sobre sua vida, confrontar sua mãe e receber o apoio de sua irmã, com a quem passaria a morar daquele momento em diante.

Uma história bem apresentada e até divertida, seria realmente um bom piloto para o spin-off da série. Porém a maneira como ela foi inserida em Gossip Girl gerou algumas incoerências, não acham? Quer dizer, após a jovem Lily ter abdicado de sua vida chique ao lado de sua mãe, como pôde, mesmo assim, ter voltado a ser a velha Lily de sempre? Isso não faz o flashback soar um pouco inútil ao considerarmos que no fim das contas, mesmo com o passar dos anos, ela permaneceu a mesma? O mesmo pode ser dito de Keith Van der Woodsen, de longe o candidato menos apropriado para ser pai de seus futuros filhos. Até mesmo a reconciliação de Lily com sua mãe no presente não soou verdadeira ou mesmo necessária, mais como uma maneira frouxa de ligar os eventos das duas tramas. Até mesmo a cor dos olhos de Lily mudaram com o passar dos anos!

Apesar desses pequenos problemas, volto a dizer que a história até foi bastante divertida, mas serviu apenas de trampolim para o momento que todos mais aguardavam, ou seja, o baile de formatura, onde pudemos realmente ver um conto de fadas se realizando a cada cena de Blair e Nate, com o melhor clímax possível, com Chuck dizendo que armou aquela noite perfeita – e sabotou o plano sujo de Penelope – apenas para ver sua amada feliz. Mais fofo impossível, não é? Com isso acabamos esse excelente episódio, com um grande gancho e clima de despedida no ar. O ensino médio realmente acabou, e a vida adulta de Blair pode começar agora mesmo, bastando que ela aceite a chave em posse de Serena, a mensageira de um convite tentador do gentleman Chuck.

Nota: 9.5


Skins: O Filme? Sim… é possível!

Maio 23, 2009

081229-02

Nos últimos dias tem surgido rumores de um possível filme de Skins. Ainda tudo está muito nublado, mas ao que parece, a Film4, produtora cinematográfica da emissora em que é transmitida a série teen (Channel4) já foi contactada sobre isso. Eu confesso que seria bom ter um filme de Skins mas com os antigos personagens, na primeira geração, pois se for para fazer com os actores da terceira temporada, prefiro que deixem isso no papel. A seguir segue-se o artigo publicado no blog do site oficial da série.

Existe um filme de Skins a ser planeado? É muito, muito, mas mesmo muito cedo, contudo a Film4 está em uma conversa preliminar sobre um filme de Skins, o que significa que nada ainda foi acertado tanto pode acontecer como não acontecer. Mas, vamos especular de qualquer forma…

Já temos uma celebridade de Hollywood, o Dev (Patel), e Skins já tem 48 minutos de duração (sem a publicidade); e isso não é suficientemente longo, tendo em conta os comentários dos fãs (o que consideramos como A LEI). Nós conseguimos pensar em quatro filmes que saíram da TV e foram um sucesso, no momento: Os Simpsons, South Park, In the Loop (da hilariante Thick of It, com participação do pai do Sid, Malcolm Tucker) e Sex and the City; mas dois desses foram desenhos animados. E Sex and the City foi uma porcaria.

O que poderia acontecer em Skins: O Filme? E quem participaria? Seria/deveria ser ainda em Bristol? Uma mistura da geração antiga com a da 3ª temporada, ou deveria ter caras conhecidas de Hollywood? Se sim, quem? Por exemplo, poderiam ver a Scarlett Johansson como a Naomi, ou a pequena Miss Lily Loveless é a única capaz para o projecto? Duvidamos que uma série que se orgulha do argumento e é realista trocaria os adolescentes por estrelas de Hollywood de 20 e poucos anos; mas é divertido teorizar.

E vocês, o que acham de um filme de Skins?


Oitava temporada de '24' ganha mais duas contratações

Maio 23, 2009

24contrat

As gravações da 8ª temporada de 24 Horas estão previstas para começar em breve, mesmo com a ameaça que ronda o ator Kiefer Sutherland, mas enquanto não se iniciam as filmagens dessa temporada, que se passará na cidade de Nova York, o trabalho dos produtores na busca do elenco que participará da série segue com força total, já que após a contratação do ator Anil Kapoor, do filme “Quem quer ser milionário?”, mais um nome foi confirmado para participar dessa 8ª temporada.

De acordo com o site EW, o ator Chris Diamantopoulos foi contratado para interpretar o personagem Rob Weiss. Diamantopoulos será um ator regular na série e fará o papel do novo Chefe de Gabinete da Presidente Allison Taylor (Cherryl Jones). Ele irá substituir Ethan Kanin (Bob Gunton), que ocupou esse posto durante grande parte dessa 7ª temporada e voltou após os acontecimentos ocorridos com Olivia (Sprague Grayden) no último episódio da temporada.

O último trabalho de Chris Diamantopoulos na televisão foi na “finada” série The Started Wife, interpretando o amigo gay da personagem vivida pela atriz Debra Messing.


Bill Lawrence comenta nova fase de Scrubs

Maio 23, 2009

72535163CB051_Scrubs_Season

Há alguns dias foi noticiado no CineSéries que Scrubs deveria retornar para uma nona temporada – apesar da conclusão da série com o episódio “My Finale” exibido no início do mês. E de fato, Scrubs irá mesmo retornar, só que não contará com a presença constante de seus protagonistas J.D. e Elliot, pois os atores que os interpretam, Zach Braff e Sarah Chalke, assinaram contrato para participarem apenas de 6 episódios cada até o momento.

Com isso surgiu uma imensa dúvida sobre como o show será conduzido, uma vez que a premissa da série é acompanhar as tramas do Sacred Heart através do olhar de J.D. e o personagem ficará ausente a partir de agora. Em busca de maiores esclarecimentos, Michael Ausiello, da EW, foi atrás de Bill Lawrence e conseguiu arrancar algumas frases do criador da série sobre como a “nova” versão de Scrubs deverá ser:

O jeito de conseguir tapar esse buraco [entre a finale e a nona temporada] é pensar que Scrubs terminou. A maneira como eu estou vendo é como Frasier foi para Cheers: será essencialmente um novo show, com alguns personagens de quem as pessoas já gostam.

Aproveitando a oportunidade, Ausiello perguntou se Elliot poderia assumir o lugar de J.D. na série:

Eu chamaria Sarah num piscar de olhos. Mas eu acho que já tem muita coisa acontecendo com a carreira dela no momento. Eu diria que há uma chance de 50% de que ela apareça em alguns episódios. Eu sei que ela estará pelo menos em um ou dois”. Finalizando seus comentários, Lawrence diz algo que supostamente deveria soar reconfortante para os fãs mais temerosos, porém de uma maneira toda exclusiva: “A única coisa que eu posso prometer para as pessoas é que se por acaso for uma m***da, não vai ser uma m***da de um jeito sem graça e bobo, será uma m***da de um jeito grandioso. Será realmente uma m***da.

Mais tranquilos agora?


CW continua a apostar em dramas adolescentes

Maio 23, 2009

cw-logocopia

Com a chegada dos upfronts, chegam as novas apostas dos canais. A CW não é diferente, e traz-nos três novos dramas. O canal de Supernatural vem preencher os buracos que se abriram com o cancelamento, de, por exemplo, Privileged ou Reaper, e chegam The Beautiful Life, The Vampire Diaries e Melrose Place. Abaixo segue-se o enredo das três, assim como os vídeos promocionais das mesmas.

The Beautiful Life

bl

A série que traz Mischa Barton (The OC) de novo a televisão retratará o mundo da moda. Apesar de transparecer ser uma vida cheia de facilidades, cheio de gente sexy, qualquer nova modelo que chegue a profissão aprende uma regra sagrada: o mundo da moda não passa de um mundo inseguro e onde a competição assassina está sempre presente, não se olhando a meios para atingir os fins. Raina Collins, interpretada por Sara Paxton, uma bela estudante, mas com um passado secreto, e Chris Andrews, trazido por Ben Hollingsworth, um, também, bonito rapaz proveniente de Iowa, aprenderam isto da pior maneira. Os dois adolescentes tornam-se amigos, e Raina apresenta a sua “casa” a Chris, a residência de modelos. Após conhecer as bases do mundo da moda, Chris começa a perguntar-se se consegue viver num mundo destes.
O elenco ainda conta com Corbin Bleu, que já participou em High School Musical, a fazer de Isaac, para além da já mencionada Mischa Barton, que fará o papel de Sonja. Teremos ainda Elle Macpherson, com o papel de Claudia, ou Jordan Woolley, como Egan.

The Beautiful Life chega pelas mãos dos produtores executivos Ashton Kutcher, Jason Goldberg, Karey Burke, os três de True Beauty, Mike Kelley e, por último, Carol Barbee, estes dois últimos de Swingtown. Ainda de referir que o piloto foi dirigido por Christian Duguay (Coco Chanel).

The Vampire Diaries

vd

A série que acompanhará Supernatural às quintas faz, com ela, o bloco de sobrenatural da CW. Nina Dobrev fará de Elena Gilbert, uma bonita e popular estudante, que se começa a ficar fascinada pelo novo aluno da escola, um rapaz cheio de secretismo. Stefan Salvatore tinha razões para se mostrar tão reservado, devido a ser um vampiro. Enquanto Stefan procura viver pacificamente entre os humanos, o seu irmão Damon discorda desta filosofia, concordando mais com a violência. Quando Elena se mete entre os dois irmãos, sendo Damon interpretado por Paul Wesley, que já participou em Cane ou Everwood, e Stefan por Ian Somerhalder, o Boone de Lost, a guerra está aberta na pequena localidade de Mystic Falls na Virginia. Ainda teremos presente Kayla Ewell, que fará de Vicki, Sara Canning no papel de Jenna ou ainda Michael Trevino como Tyler Stratton, entre outros.

A série é baseada na colecção The Vampire Diaries, do escritor L.J.Smith e terá como produtores executivos Kevin Williamson (Dawson’s Creek) , Julie Plec (Kyle XY), Leslie Morgenstein (Gossip Girl) a par de Bog Levy (Gossip Girl). O piloto foi dirigido por Marcos Siega (Dexter).

Melrose Place

mp

Sendo um remake da homónima dos anos 90, Melrose Place retratará a vida de um grupo que se situa na faixa etária dos vinte anos, que vive num elegante apartamento em Melrose, na cidade dos anjos. Sydney Andrews, interpretada por Laura Leighton, que já participou na série original, com a mesma personagem, é a figura central na vida dos seus inquilinos, principalmente do bonito David Breck, trazido por Shaun Sipos, que já participou em Shark, apesar do seu passado com o Dr.Michael Mancini, pai de David e interpretado por Thomas Calabro, outro actor presente na série anterior. Para além de David, Sydney também se mete na vida da publicitária Ella Simms, sendo interpretada por Katie Cassidy, que já participou em Harper’s Island e, se não basta-se, ainda tem tempo para a vida de Auggie Kirkpatrick, que vem pela mão de Colin Egglesfield, a estudante de medicina Lauren Yung, Stephanie Jacobsen, que já participou em Terminator, e ainda resta tempo para Jonah Miller, a professora Riley Richmond e para Violet Foster, interpretados, respectivamente por Michael Rady (Greek, Swingtown); a bonita Jessica Lucas (90210) e Ashlee Simpson-Wentz. E quando aparece um corpo a flutuar na piscina do condomínio, a polícia chega a conclusão que todos os que vivem em Melrose Place tinham uma razão para cometer o homicídio.

A série tem como produtores executivos Todd Slavkin, Darren Swimmer, que já participaram em Smallville. Para além disso, o piloto tem a aliciante de ter tido como director e produtor executivo Davis Guggenheim, vencedor de um Óscar por An Inconvenient Truth.

Quais das três séries é que te suscitaram interesse? Isso se alguma conseguiu te cativar! Está cada mais óbvio que a programação da CW dirige-se para um público específico: os adolescentes. As suas produções são, basicamente, séries teen e é com alguma pena que se vê Supernatural no meio delas. Abaixo ainda segue-se um último vídeo lançado nos upfronts da CW, vídeo esse que apresenta as três séries de uma só vez.

Sinopses escritas pelo António Guerra e o restante foi elaborado pelo Marco Braga.