Greek (2.16) – Dearly Beloved

Maio 24, 2009

snapshot200905150023592Afirmo que este foi o melhor episódio desde o retorno da segunda parte da temporada. O  grande acontecimento do momento é o casamento de Kiki, antiga ZBZ, que por sinal é a Big Sister da Frannie, sendo então Grandma Sister da Casey e Great-grandma da Jordan. Tamanha bajulação, principalmente entre Fran e Cass, que revelam a Kiki que não são mais amigas e que Fran abriu uma nova fraternidade. Também chega na casa, como convidada, uma antiga membra das ZBZ, a Robin. Preparativos para a despedida de solteira da noiva são feitos e nada mais mais clichê do que a comemoração ser no Dobler’s, como o famoso “Girls Talk” sobre qual a maior loucura de amor que elas já receberam. Max anteriormente decidiu revelar a Casey que largou a bolsa de sua pós para poder ficar com ela, o que a deixa totalmente confusa e sendo está a maior loucura de amor entre todas na mesa. Em alta no mundo das séries, um desafio é proposto entre garotas e faz Becca entrar no jogo, assim então beija Robin.  Descobrimos obviamente que Robin é lésbica e que o famoso hit ” I Kissed a Girl” surtiu efeitos sobre Becca, pelo menos inicialmente. Ela beijando o Cappie logo em seguida para comparar os beijos e as sensações foi muito cômico. O rapaz por sinal reativa sua paixão adolescente por Robin e a pedidos Becca o convida como acompanhante do casamento, assim ela também evitará  a casamenteira Ash e suas tentativas de arrumar um namorado para ela.

O Mr. I Can’t Say No Rusty aceita o convite de Jordan para ir com ela no casamento, já que Andylicious está fora da cidade no campeonato. Está encarregada em buscar as flores para a decoração e ele novamente resolve ajudá-la, o que por fim torna-se uma grande aventura trágica pois as flores foram encomendadas com a data errada. No maior improviso acabam levando hortênsias para a festa, que coincidentemente tem efeitos alérgicos em ambos. Achei muito fofa e engraçada a cena dos dois olhando um pro outro e perguntando ” Por que você está ficando vermelho(a)?”. Claro que tudo ficou perigoso quando a garganta deles começou a fechar. Já no hospital, Jordan nitidamente tem pavor de agulhas e Rusty novamente não nega ajuda para fazé-la sentir-se mais segura. Sou fã do casal e a química é inevitável, mas acho errado ele aproveitar da situação. De volta ao casamento, Casey passa por um momento “OMG” com Max, quando este se ajoelha e retira uma caixinha do bolso, levando ela a total desespero. Pensei na hora que realmente existem pessoas que se inflluenciam pela vibração dos casamentos, mas para total alívio ele mostra um colar com um pingente ZBZ.

Após constrangedores momentos, vemos os Cartwright fugindo de suas companhias e revelando seus temores em relação as atitudes de Max e também sobre o sentimento inapropriado de Rusty. Eles terão de enfrentar definitivamente o que os incomoda ou agirem como se nada tivesse acontecido. Rusty como um bom “Mr. Yes Guy” decidi deixar tudo pra lá e bancar o amigo de Jordan de uma vez por todas, agora resta saber se conseguirá cumprir. Casey por sua vez confronta Max sobre sua decisão e revela como sentiu-se pressionada perante o que ele abriu mão. Achei bonita a cena entre os dois,  com Casey deixando claro que eles tem tudo para dar certo, mas que precisam andar devagar e ela ter tempo suficiente  para alcançá-lo e assim ficarem na mesma página. Só de pensar que em momentos antes, Frannie deixou seu lado Evil de fora e aconselhou Casey positivamente em relação ao namoro dela com Max. Em outro local da festa, vemos Becca e Robin conversarem sobre o momento que tiveram, até serem interrompidas pelo insistente Cappie, que convida Robin para dançar e esta leva Becca junto com eles para a pista de dança. Este por fim leva um clássico pé na bunda e quem sai ganhando é  Becca, após mostrar nítido interesse em sair com Robin.

Ao fim da festa o “Not Gonna Happen Couple” faz acontecer. Após tanta química despejada aos sete ventos vemos Jordan aclamar a bonita citação ” Vale a pena ou não arriscar a felicidade eterna no paraíso pela felicidade passageira na Terra?.” e num belo momento eles trocam seu primeiro beijo, deixando Jordan envergonhada com o que aconteceu.

Nota: 9,5


Lista: Personagens que cresceram a olhos vistos

Maio 24, 2009

p0

As séries são recheadas de personagens que nos fazem rir, chorar, irritar e aprender. São centenas e centenas de actores que dão vida às mais diferentes pessoas, mas nem todas as personagens têm a proeza de crescer ao longo do tempo. Esta lista explora mesmo isso: estão representados, de seguida, as dez personagens que cresceram a olhos vistos. Como podem observar, a quinta temporada de Grey’s Anatomy contribuiu muito para isso, assim como a terceira de Friday Night Lights. E a principal conclusão que podemos tirar deste top 10 é que os personagens crescem em todo o género de séries, desde dramas, comédias ou séries teen.

p1

1 – Sawyer (Lost) – de refilão passa para um homem responsável, capaz de gerir o futuro dos Oceanic 6 e dos que ficaram na ilha. Assumiu o papel de líder nesta quinta temporada, mas também o papel de “marido” dedicado. Um Sawyer que depois de ter a atitude altruísta de se jogar ao mar, cresce muito como pessoa e passa a demonstrar um Sawyer mais humano, a armadura de homem forte e despreocupado com os demais finalmente cai e revele uma pessoa melhor. É por isso mesmo que ele fica no primeiro lugar desta lista!

2 – Meredith (Grey’s Anatomy) – uma personagem muito conturbada, muito por culpa dos constantes altos e baixos que sofreu ao longo das diferentes temporadas. Das indecisões e constantes dúvidas por que passava, parece finalmente firme nas suas decisões e opções e deixou as reservas de lado em relação ao comprometimento, aceitando finalmente uma vida a dois à muito pretendida por Derek. Resolve lutar também por aquilo que acredita mesmo indo contra a opinião de terceiros, apreendeu a defender os seus valores e a deixar os receios para trás.

3 – Karev (Grey’s Anatomy) – quem diria que algum dia o Karev da primeira temporada iria virar um dia um marido capaz de um discurso de emocionar até os corações mais duros, um marido que está lá nas piores fases e embora por vezes se encontre perdido, rapidamente acha o caminho. Conseguindo dar um apoio necessário a quem precisa, a quinta temporada de Grey’s Anatomy fortaleceu a personagem. Karev surpreendeu tudo e todos este ano, passando de playboy convencido a marido dedicado.

p2

4 – Brooke (One Tree Hill) – a menina da primeira temporada não tem nada a ver com a Brooke das duas últimas temporadas. Brooke cresceu, de menina irresponsável, inconsequente embora com um coração de manteiga, tornou-se uma mulher de negócios, uma mãe responsável, uma amiga pronta para o que der e vier. A sua relação com a Sam só veio fortalecer ainda mais esta personagem.

5 – Tim Riggins (Friday Night Lights) – um personagem que sempre demonstrou ter um bom coração embora muito trapalhão pelo caminho. Consegue na terceira temporada de Friday Night Lights finalmente entrar nos eixos e decidir lutar pelo seu futuro ao lado de Lyla e consegue inclusive a entrada na faculdade. Ninguém diria que o apaixonado por cerveja e futebol americano algum dia conseguiria realmente empenhar-se por uma entrada no ensino superior.

6 – Sara Tancredi (Prison Break) – de médica inocente que acaba por se apaixonar por um prisioneiro, Sara vê a sua vida complicada por esse romance. Passa de menina tímida disposta a ver sempre o lado bom das pessoas e a não haver maldade em ninguém, incapaz de ferir uma mosca a uma mulher destemida, mais perspicaz e capaz de matar para salvar as pessoas amadas.

7- Izzie (Grey’s Anatomy) – surpreendeu na maneira como reagiu à doença de que padece. Com coragem de leoa, Izzie deu uma lição a todos no início da sua doença em que ninguém sabia como reagir. Nunca se deixou abater, a partir do momento que decidiu lutar pela vida contra todos os prognósticos menos positivos. Uma história que permitiu desenvolver muito a força da personagem que sempre pareceu frágil e fácil de quebrar, neste fim de temporada conhece-se uma Izzie forte com capacidades de luta.

p3

8 – Justin (Brothers and Sisters) – com um passado conturbado, manchado pelas drogas e a guerra no Iraque, Justin parece ter encontrado o seu porto seguro ao lado de Rebeca. Depois de vaguear por um caminho sem destino. Justin cresceu e achou a sua direcção, tornando-se mais responsável, e consciente dos seus actos. A guerra traz traumas mas com esforço conseguiu erguer-se.

9 – Jason Street (Friday Night Lights) – de estrela de futebol americano, torna-se um pai extremo disposto a enfrentar as dificuldades que a vida lhe colocou pela frente. Acaba numa cadeira de rodas mas nunca desiste embora sofra vários percalços no caminho. No final está com a mulher e o filho, e tem um bom emprego. Um adeus à série em grande de uma personagem que deu muito a Friday Night Lights.

10 – Morgan (Chuck) – trapalhão como ele não há outro, fugindo das responsabilidade, mas neste final de temporada resolve assumir as consequências dos seus actos, assumir o seu amor por Anna e partir rumo à realização do sonho que tem mas que nunca teve coragem de lutar por ele. Chegou a altura de Morgan brilhar, nem que seja por breves momentos, como a saída em glória que fez da Buy More.

E PARA SI, QUAIS AS PERSONAGENS QUE CRESCERAM AO LONGO DOS TEMPOS?

Lista elaborada pela Filipa Silva e formatação por Marco Braga.

Greek (2.15) – Evasive Actions

Maio 24, 2009

snapshot20090523231152 Acho interessante o desenvolvimento dos novos personagens na série, a exemplo de Jordan, que surgiu para ser o novo interesse amoroso de Rusty, mas que por fim, culpa da falta de iniciativa do rapaz, acabou por ser a nova namorada de seu Little Brother, Andylicious. Quando as garotas da ZBZ correm atrás dela para conquistá-la, achei bem estranho imaginar Jordan no universo rosa da casa, pois a personalidade dela é estonteantemente oposta a das garotas ZBZ. Dito e feito, ela não se enquadra no esquema da casa e Casey tenta de tudo para que sinta-se à vontade, porém colocar salto alto, batom e roupa rosa não foi uma maneira muito inteligente de contornar a situação. Até eu preferiria jogar cartas com os KT do que ficar no Dobler’s ouvindo o famoso “ZBZ Talk”. Realmente o momento Little Sis e Big Sis foi constrangedor, ainda mais quando Casey saca do bolso aquele bicho de pelúcia HORRENDO, denominado Purzellat , Puzzecat ou algo do gênero. Forçou a barra colega!

Frannie sempre será Evil-Frannie, ainda mais na brilhante conversa com Evan a respeito do status dele como um Chambers e toda a chantagem e relacionamento artificial e a relação Amor x Dinheiro como base fundamental do relacionamento entre os dois. Provocativa como sempre, Frannie acaba convencendo Casey a entrar no desafio IKI versus ZBZ. Boa sacada de Casey para recuperar Jordan para a casa, propondo sua participação na competição de queimada.Admito que tive um dejà-vu ao vê-las correndo e atacando a bola. Como era comum esse jogo na escola e modéstia parte, eu sempre ficava até o fim. Como era meio previsível o jogo chega ao fim com Frannie sozinha pela IKI e Casey e Jordan pela ZBZ. Naturalmente ZBZ é consagrada vencedora do desafio. E ‘tchan tchan’ Jordan é de fato uma “ZBZ Girl Power”, porém não tão rosa assim.

Rusty e Dale também tiveram bons momentos neste episódio. As tentativas frustradas de Rusty para retirar Dale um pouco de casa, que na verdade só serviam para que ele também esconder-se e evitar encarar os fatos sobre seus sentimentos. Idéia “BRILHANTE ” de organizar uma festa no famoso ” KT Style” para tentar expulsá-lo de casa. O plano sai ao avesso quando Dale começa a cozinhar para os garotos e vira o novo herói de todos. Sentia falta de momentos Dale, ele é um moleque centrado mas ao mesmo tempo possui um reves cômico muito bom. Como diria o famoso ditado “Every action has consequences”. Quando a Sra Imobiliária, que nitidamente tem uma “crush” pelo Dale aparece no dia seguinte para mostrar o espaço para um casal, depara-se com a desastrosa visão de todos aqueles indivíduos bêbados e capotados no chão da sala. Consequência: 24 horas para liberar a casa. Como o contrato está no nome de Casey, eles precisam se virarpara reverter o problema e claro que sobra para Dale reconquistar a confiança da Sra. e obter a casa novamente. Ri muito do flerte dele e do rumo inevitável que a situação tomou.  Greek formou um novo casal? Ai ai só de imaginar…

Por fim admito que a série voltou a me conquistar e está trazendo a simples porém bem elaborada trama.

Nota: 8,8


Lista: Séries famosas que terminarão em 2010!

Maio 24, 2009

jacksE nem sequer começou a próxima temporada e eu já estou a pensar nos finais que vão acontecer na mesma. 2010 será o ano de muitas das grandes séries da actualidade se despedirem, e não falo só de Lost, claro. Eu sou defensor que mais vale acabar uma série cedo e bem do que tarde e mal, por mais que goste da mesma, por isso é com grande agrado que vejo os argumentistas das mesmas a planearem, com muito tempo de antecedência, como irão terminar as mesmas. Existem séries que tal esforço não é exigido, como por exemplo as comédias de meia hora (temos este ano o exemplo de Everybody Hates Chris e Worst Week), mas há outras que isso é mesmo necessário. No final sempre podem comentar quais das seguintes séries é que sentirão mais falta, assim como quais são as que merecem ser canceladas.

lost

A série sobre os sobreviventes do voo 815 entra para a última temporada entre Janeiro e Fevereiro de 2010, terminando em Maio do mesmo ano. Lost é, como devem saber, a minha série favorita e é com grande pena minha que vou vê-la partir. Contudo, a recordação do hit que foi (e irá continuar a ser, acredito eu), assim como os DVDs das mesmas, não deixarão que eu me esqueça dela. Provavelmente este é, de todos os finais, o mais aguardado dos fãs de séries e tenho a certeza que será polémico (esperemos que no bom sentido). Estou bem curioso para saber como tudo vai terminar! E espero que façam o mesmo que fizeram com a última temporada de ‘Os Sopranos’, ou seja, muitos prémios de modo a valorizar a série.

Audiências por temporada (média por episódio, em milhões de telespectadores):

  • Season 1 – 15.69 milhões
  • Season 2 – 15.50 milhões
  • Season 3 – 15.05 milhões
  • Season 4 – 13.40 milhões
  • Season 5 – 10.94 milhões

24

Ainda nada é oficial, mas tudo indica que a oitava temporada seja a última da série. As audiências continuam boas, apesar de ter descido em relação às duas temporadas anteriores. Para uma série de acção, com grande custo de produção, ficar abaixo dos 10 milhões de telespectadores por episódio é arriscado, e nos episódios finais da sétima época, já se notava uma certa descida em relação ao início. O oitavo dia de Jack Bauer terá lugar em Nova Iorque e deverá retratar, acima de tudo, a sua luta pela sobrevivência e é provavel que a Kim o ajude, pois esta não está pronta para deixar partir o pai. Também existe a possibilidade deste (suposto) último dia se passar algum tempo depois do sétima e a recuperação de Jack ser explicada apenas por palavras. Eu prefiro ir pela primeira opção!

Audiências por temporada (média por episódio, em milhões de telespectadores):

  • Season 1 – 8.60 milhões
  • Season 2 – 11.73 milhões
  • Season 3 – 10.30 milhões
  • Season 4 – 11.90 milhões
  • Season 5 – 13.78 milhões
  • Season 6 – 13.00 milhões
  • Season 7 – 11.07 milhões
  • Telefilme ‘Redemption’ – 12.12 milhões

supernatural

Questionada nos upfronts desde ano sobre a continuidade de Supernatural depois da quinta temporada, Dawn Ostroff (presidente do canal The CW) elogiou a equipa de Supernatural pelo aumento das audiências e a positiva quarta temporada, dizendo que a próxima época não é, necessariamente, a última (pelo menos, para já). Quem acompanha notícias da série sabe que o desejo de Eric Kripke é de terminar Supernatural após o final da quinta temporada, que vai ao ar em 2010. Ele é apologista da mesma ideia que eu referi acima, ou seja, prefere acabar a série mais cedo, mas no auge. Os próprios protagonistas já disseram que apoiam o criador nesta decisão, partilhando-a também. Também Jeffrey Dean Morgan disse que, como o próximo ano será provavelmente o último, poderá voltar a dar vida ao John Winchester.

Audiências por temporada (média por episódio, em milhões de telespectadores):

  • Season 1 – 4.52 milhões
  • Season 2 – 3.28 milhões
  • Season 3 – 2.92 milhões
  • Season 4 – 3.19 milhões

oth

Esta é outra série da CW que até vai bem nas audiências (é a terceira com maiores números, perdendo apenas para Supernatural e Smallville), mas que corre o risco de ser cancelada após a exibição da sétima temporada. Enquanto que nas anteriores séries eu tinha factos concretos para acreditar que as mesmas vão fechar as temporadas com um series finale e não season finale, no caso de One Tree Hill é pura especulação. A saída de Chad Michael Murray e Hilarie Burton, os dois protagonistas, certamente não vai ajudar a audiência e adivinha-se uma descida considerável. A longevidade da série (sete anos já é muito) também deverá condicionar a decisão em relação a uma oitava temporada. Pessoalmente, desejava que a série nem fosse renovada, pois o episódio 6×24 serviu muito bem como series finale. Infelizmente, a CW não voltou com a sua decisão atrás!

Audiências por temporada (média por episódio, em milhões de telespectadores):

  • Season 1 – 3.50 milhões
  • Season 2 – 4.30 milhões
  • Season 3 – 2.80 milhões
  • Season 4 – 2.90 milhões
  • Season 5 – 3.30 milhões
  • Season 6 – 2.80 milhões

uglybetty

Esta comédia da ABC é uma das séries mais estimadas da emissora. Apesar de ser reconhecida nas principais cerimónias de prémios, como os Emmy Awards e os Golden Globes, a verdade é que Ugly Betty é muito criticada pelo fãs de séries. Confesso que vi as duas primeiras temporadas e ainda um bocado da terceira, mas a essência que a tornou famosa foi-se perdendo. O principal factor que põe a série em risco de cancelamento é o facto da ABC ter abdicado do seu lugar nas quintas e passar para o dia mais temido da semana: as famosas sextas-feiras. À semelhança de One Tree Hill, esta é apenas mais uma especulação, mas tendo em conta o novo horário e o facto da quarta temporada ter quase sido encomendada por ‘favor’, tenho quase a certeza que será a última. E está mais que na hora de terminar!

Audiências por temporada (média por episódio, em milhões de telespectadores):

  • Season 1 – 11.30 milhões
  • Season 2 – 9.40 milhões
  • Season 3 – 7.90 milhões

dollhouse

A nova criação de Joss Whedon não teve um primeiro ano fácil. Aliás, Whedon não tem sorte nenhuma com a emissora, tendo em conta o historial de Firefly. Dollhouse teve o seu piloto regravado, e o décimo terceiro episódio nem chegou a ser exibido (felizmente vai para ao DVD da primeira temporada da série), mas apesar disso, a FOX teve a decente atitude de renovar a série para uma segunda temporada. Tendo a Eliza Dushku como protagonista, não consigo deixar de fazer uma conexão de Dollhouse e Tru Calling, que também foi renovada ‘à rasquinha’ para uma segunda e curta temporada, onde acabou por ser cancelada após oito episódio. Treze episódios estão garantidos, e para que isso fosse possível foi necessário cortes no orçamento. A segunda época continuará nas sextas-feiras e com um lead in nada bom, as audiências tendem a não subir. E algo me diz que não vai haver uma segunda oportunidade…

Audiências por temporada (média por episódio, em milhões de telespectadores):

  • Season 1 – 3.7 milhões

niptuck

Ora aí está uma série que merece mesmo acabar! Quem vê Nip Tuck sabe que a qualidade apresentada nas primeiras temporadas não foi mantida nas duas últimas, sendo a quinta o cúmulo da esquisitice. Ryan Murphy substituiu o bom drama pelo choque barato e isso só prejudicou esta série que foi, alguns anos atrás, considerada perfeita. A sexta temporada será a última e começa na em principios de 2010, mas na verdade a série só termina em 2011, pois a temporada será dividida em duas partes, tal como aconteceu o ano passado. Eu ainda não sei se vou continuar a ver a série, mas tendo em conta que é o último ano, acho que vou fazer um esforço. Estas informações sobre a sexta ser a última época foram divulgadas pelo FX, canal em que é transmitido o drama médico, portanto é oficial.

Audiências por temporada (média por episódio, em milhões de telespectadores):

  • Season 1 – 3.25 milhões
  • Season 2 – 3.80 milhões
  • Season 3 – 3.90 milhões
  • Season 4 – 3.90 milhões
  • Season 5 – 3.60 milhões

smallville

Por fim, a série do Clark Kent, que tem vindo a salvar a série do cancelamento ao longo dos anos. A qualidade caiu bastante, os actores são maus, as histórias previsíveis e gastas, a escrita é pobre em diálogos cativantes, mas mesmo assim a série continua a ser renovada! Mas porquê? Simples: as audiências são boas! Felizmente (para os verdadeiros fãs, é infelizmente), a CW tomou a iniciativa de colocar a série às sextas-feiras na próxima temporada. Tendo em conta que às sextas os jovens querem é sair e o público alvo é esse mesmo, é óbvio que a série não se vai aguentar tão bem como havia feito nos anos anteriores. Também é um facto que a audiência caiu bastante na segunda metade da temporada, mas apesar disso, continua a ser a série mais vista da emissora. Diria que a probabilidade da nono ano de Smallville ser o último é de 50%, visto que apesar destes pontos que indicam o cancelamento, a verdade é que já se fala numa décima temporada!

Audiências por temporada (média por episódio, em milhões de telespectadores):

  • Season 1 – 5.90 milhões
  • Season 2 – 6.30 milhões
  • Season 3 – 4.96 milhões
  • Season 4 – 4.40 milhões
  • Season 5 – 4.70 milhões
  • Season 6 – 4.10 milhões
  • Season 7 – 3.77 milhões
  • Season 8 – 3.74 milhões

Lie to Me – Episódios 1.10/11/12

Maio 24, 2009

lie-to-meApós a acumulação de Castle, que já ficou resolvida, chega a altura de pôr em dia Lie to Me. Com 4 episódios em atraso, aqui ficam os 3 anteriores a Season Finale, com comentários um pouco mais curtos. E, como aconteceu com Castle, a Season Finale já terá comentário alargado.

Lie to Me (1.10) – Better Half

Num episódio que prometia muito, onde se podia inovar, sai um episódio com pouco interesse. Primeiro, temos o regresso da ex-mulher de Cal. Com ela vem um caso associado, a de um incêndio que vitimou uma idosa e deixou 4 pessoas desalojadas. O caminho começa a ser decalcado, começando as suspeitas por decair sobre um jornalista. Depois foi passando por todos os membros que participaram, e quando a esperança era pouco, o incendiário decide outra vez atacar. Depois foi somar dois mais dois e ver que dava a mulher do jornalista, que, por vingança as amantes do seu marido, decidiu acabar com as suas vidas.

No segundo caso, temos Ria Torres a trabalhar com Eli Loker e com Foster, os dois em part-time, para tentar resolver o caso de um homicídio no mundo do rap. Foi mais para encher e para quebrar a monotonia do outro caso, pois para pouco mais serviu. O tema poderia ser mais aproveitado, pois é pouco (ou nada) visto. Mas não, tivemos um caso secundário normal: o assassino é apanhado, sem ser preciso muitas mudanças de rumo.

Mas se o caso já poderia trazer algo de especial, a introdução de Zoe, a ex-mulher de Lightman, poderia dar uma volta a série. Não deu, pois foi mais do mesmo. Uma relação de amor-ódio inacabada, sentimentos ainda a flor da pele, problemas ainda não resolvidos entre as personagens. Vemos, pela primeira vez um Cal distraído, pouco focado no que devia estar. E depois o final já foi muito visto. A ex-mulher que está para se casar envolve-se com o ex-marido. Duas conjunturas saem daqui: ou os argumentistas não vêm televisão, e pensam que isto é pouco visto ou pensam que nós não vemos televisão. Eu acho que não é nenhuma delas, e foi uma tentativa de animar a série. Mas podiam fazer de outras maneiras.

Nota: 8

Lie to Me (1.11) – Undercover

Num estilo novo, que deixa os dois casos de lado, Lie to Me consegue tapar os buracos que se tinham aberto durante o que já passou da série e consegue construir um caso interessantíssimo.

E começando pelo caso. O que parecia ser um simples caso de um tiroteio, ultrapassa muito esta parte. Passamos de um tiroteio para uma ameaça terrorista. E tudo naturalmente, mas com um ritmo excelente. E de um caso surgem dois, ligados, tudo muito bem feito, um caso para se recordar. O que parecia passa a não ser, o não era passa a parecer, perguntas que levam a mais perguntas que respostas. Alguma coisa de complicado, que consegue elevar o episódio.

Mas Undercover não serviu só como grande caso. Até porque o caso serviu como pano de fundo para a grande pintura que decorria. Um ciclo a fechar-se, outro a abrir-se.

Começando pelo fecho do caso do marido de Foster. O que parecia ser um caso amoroso passa a ser um problema com drogas, o que parecia ser uma amante passa a ser a madrinha da reabilitação. Mas depois temos a conversa entre Foster e Lightman. Antes de mais dar os parabéns, principalmente, a Tim Roth. Brilhante. Depois temos uma das melhores cenas que a série conseguiu trazer, a de diferenciar trabalho de amizade. Vamos lá ver se Cal consegue fazer isso.

E, para acabar, temos o tratamento da mentira de Eli que se mantinha suspensa. Ria continua a fazer de amiga, a esconder o seu amigo, mas a vida está complicada. O surgimento de um advogado torna que a mentira evoluía, mas tudo fica resolvido devido a consciência de Loker, contando tudo a Cal. Não era mais que um teste a Ria, para ver se era leal para os seus, mas serviu para abrir dois ciclos.

O primeiro foi de Eli ter ido para estagiário. Vamos ver como se adapta, mas parece-me que ainda será tratado. O segundo é do romance de Ria. Mais uma história que nos vai acompanhar durante uns episódios, espero.

E tivemos um episódio bem melhor que o anterior, que fecha muita coisa e abre outras.

Nota: 9,1lie-to-me-21

Lie to Me (1.12) – Blinded

Mais um episódio, mais uma excelente temática. A introdução de um novo Cal Lightman, o seu lado maléfico. O caso prometia tomar um rumo, mas logo no princípio esse rumo muda. Começamos por ver o nosso mentiroso preferido dentro de uma prisão, numa missão. Um violador da pior espécie, que, para as suas vítimas não o reconhecerem, tira-los os olhos, tem um copiador a vaguear pelo mundo.

Os pormenores macabros são exactamente iguais ao do mestre, por isso Cal passa por recluso para ver se consegue identificar o copycat. O problema é que o recluso também consegue apanhar o cheio a mentira no ar. Todas as tentativas de descobrir a verdade tornam-se vãs, mas o que parecia ser um erro de Lightman torna-se numa jogada que ele usa contra adversários poderosos.

O assassino é parado, não sem antes se passar por um grande susto. Foster é apanhada pelo copycat, a única situação imponderada por Lightman. Nada de mal acontece, apesar de que se tivessem mantido esta situação até ao final do episódio não traria mal nenhum, pois teríamos uma motivação pessoal da equipa em trabalhar mais.

Quanto ao suspeito, confesso que já o tinha em mente. Mas como, primeiro, não sou grande coisa em apostas e, segundo, parecia ser o mais improvável, posso dizer que mesmo sendo a minha aposta surpreendeu-me. Uma ideia refrescante colocar o marido de uma das vítimas como fã do violador.

Agora, e regressando a Cal, acho que o episódio foi um pouco mal aproveitado. Poderíamos ter um caso ainda pendente, um copycat a ficar a vaguear pelo mundo, sem atacar, mas que fica-se como ponta solta para algum dos episódios à frente. Aí também poderia entrar a estratégia agora utilizada, e, claro, uma falha de Cal traria consequências. Para além de demonstrar que não era invencível, abriria mais algum pano para Ria e o resto da equipa e poderíamos ver um Cal a se arrepender pelos erros cometidos. Depois teríamos o regresso, aí sim com Cal a utilizar a sua jogada e a conseguir prender o novo violador.

De resto temos a entrada de um novo membro na equipa. O agente do FBI de seu nome Ben Reynolds vem trazer um pouco de mais músculos à série. Vamos lá ver como se sai.

Foi um episódio muito bem construído, com um tema inovador, e que consegue, pelo menos para mim, ser o melhor da temporada.

Nota: 9,3


90210 (1.24) – The Last Shot of Light

Maio 24, 2009

90210-24Adrianna entra em trabalho de parto mas recusa agarrar na filha, um bébé saudável e linda mas que ainda tem um futuro muito incerto. Navid apega-se ao bébé ao contrário de Adrianna que luta para não se apegar demasiado e acabar mudando de ideias relativamente à adopção. A festa pós-baile acaba por ser em casa de Naomi mesmo indo contra a decisão de Jen, que demonstra cada vez mais o tipo de pessoa que é. Naomi acaba por ir ter com Adrianna ao hospital deixando Annie encarregada de dar um olho pela casa durante a festa. As coisas parecem longe de estar controladas. Mas pelo menos o controlo devido aos brownies com marijuana vão deixar Harry e a esposa entretidos durante bastante tempo. Liam mais uma vez resolve implicar com Annie e tentar provoca-la, a relação de amor ódio pode muito bem passar para algo mais.

E cada vez mais Ethan demonstra os seus sentimentos por Silver. E esta começa a duvidar do seu futuro com Dixon devido à diferenças de gostos e opiniões. Dixon começa a desconfiar e depois de ver uma foto de Silver no casaco de Ethan tem a confirmação que Ethan sente algo mais pela sua namorada e resolve confronta-lo. Naomi não sabe da peça que tem em casa, Jen não brinca em serviço e depois de esta ter ido contra a sua vontade resolve contar o que sabe sobre o passado de Liam ao próprio. Este não reage da melhor maneira e o futuro que parecia risonho parece agora sombrio. Naomi apanha Liam no quarto com a sua irmã. Como irá Naomi suportar nova traição, desta vez da própria irmã. No entanto esta é mais engenhosa do que aparente ser e consegue atirar as culpas para Annie. Que é humilhada em plena festa. Jen ainda consegue ainda desempenhar o papel de irmã compreensiva e preocupada.

Liam pela primeira vez foi usado, e enganado, talvez assim consiga aprender a lição. E parece que isso lhe vai custar caro, o padrasto atinge o seu limite e resolve manda-lo para uma escolha militar, será este o fim da personagem? Já Annie sai furiosa da festa e resolve denunciar. E parte sem rumo com uma garrafa de vodka por perto, acaba atropelando uma pessoa e fugir, que futuro a segunda temporada reservará à personagem. Adrianna finalmente resolve conhecer a filha, e embora se apegue a esta resolve levar o plano da adopção adiante perante o olhar de apoio de Brenda e Navid. Ethan resolve declarar os seus sentimentos por Silver e depois de um beijo apaixonada entre ambos, este lança-lhe um ultimado ou é algo mais na vida desta ou nem amigo quer ser. Uma season final em que deixa algumas perguntas para responder na anunciada segunda temporada. O futuro de Dixon e SIlver, o que irá acontecer a Liam, Annie, e Naomi que consequência terão as suas decisões no futuro próximo.

Nota: 9,0


90210 (1.23) – Zero Tolerance

Maio 24, 2009

90210-23É noite de baile em Beverly Hills, e o conselho directivo prepara uma campanha de tolerância zero para festas pós baile e juntamente com a polícia prometem actuar com pesados castigos. É altura de mudança para Jen e Naomi, depois de conseguir arrancar o dinheiro do pai, Jen aproveita se da parte da irmã para arranjar a casa dos sonhos de ambas. Liam continua a ser o bad boy típico, mas um sermão de Kelly e Harry pode mudar o rumo da sua história. Este resolve convidar Naomi para ser o seu par, esta fica radiante com a notícia. Já Annie por seu lado resolve aceitar o convite de Charlie, para fazer frente às piadas de Liam. No entanto a noite não corre como esperado e depois de negar o interesse romântico tem de lidar com o Charlie revoltado e vingativo. Dixon e Silver começam os seus preparativos para o baile, um pouco atrapalhados e ansiosos por ser a noite perfeita.

Mas os planos de Dixon em parte saiem furados. Silver e Dixon acabam sendo eleitos reis do baile, mas esta num discurso que faz lembrar a verdadeira Silver acaba recusando o prémio para desilusão de Dixon e admiração de Ethan. No entanto Silver demonstra-se preparada e pronta a voltar para Beverly Hills mas nem isso alegra Dixon. O relacionamento de ambos ultimamente tem mais baixos que altos. Uns dos casais favoritos no inicio da série perdeu muito assim como a personagem de Silver. Ethan é chamado para o acampamento de lacrosse de verão mas depois do discurso de Silver resolve retomar os planos iniciais e recusar a proposta. Depois de alguns episódios ausente Kelly está de volta ao pequeno ecrã e dá de caras com Ryan e Jen.

Tenta alertar Ryan para a verdadeira pessoa que é Jen mas este associando a uma crise de ciúmes resolve não lhe dar ouvidos. A verdeira Jen começa a revelar aos poucos e não é flor que se cheire. O relacionamento de Liam e Naomi parece finalmente engrenar na direcção correcta depois de muitos avanços e recuos o casalinho resolve entrar nos eixos. Mas Liam não parece ser uma pessoa muito estável no que toca a decisões douradoras, e a alegria pode ser sol de pouca dura. No fim temos um Navid que controla até onde pode os nervos para não partir a cara de Ty e uma Adrianna assustado com o facto de as águas terem arrebentado. O nascimento está para breve e ambos os pais, o biológico e o afectivo parece que estarão presentes. Como irá reagir Ty, será que continuará indiferente à criança que ajudou a criar? Um episódio um pouco melhorzinho que os anteriores.

Nota: 8,8