90210 – Primeira Temporada (2008)

Maio 25, 2009

90210-wallpaper-cast-04-1280x1024

90210 termina a sua temporada de estreia, um remake da série de Beverly Hills que por isso mesmo elevou muito as expectativas relativamente à nova série. Essas expectativas saíram um pouco defraudadas nesta sua primeira temporada, principalmente nos episódios iniciais. A série no entanto conseguiu elevar a sua qualidade mas nunca conseguiu sair do patamar do satisfatório, talvez o episódio melhor seja mesmo o season final, onde conseguem criar suspense para uma segunda temporada que promete trazer mudanças. Houve personagens que com um inicio meio apagado conseguiram agarrar o papel e tornarem-se importantes e queridas dos fãs, uma delas é Adrianna que depois de passar pelo problema das drogas engravida mas cresce como pessoa e apesar de ser um história um pouco repetitiva em dramas teen, acho que foi uma decisão acertada por parte dos argumentistas. Já a reviravolta que a personagem que Silver sofre acho que foi uma péssima decisão. Silver era das minhas personagens favoritas, a sua rebeldia, espontaneidade transformaram-se em uma Silver bipolar com crises que levam a colocar em risco o seu relacionamento com Dixon.

Silver passa de uma louca apaixonada para uma louca inconsequente, passa por tatuagens, filmes impróprios, ameaças e fugas. Silver perdeu muito para mim assim como o casal Dixon e Silver. Outra decisão acertada da série que no meu ver contribuiu para aumentar um pouco o nível de qualidade foi a introdução de Liam, um típico bad boy que mexe com a endiabrada Naomi, a sua relação é interessante e a sua picardia hilariante. Acho que a vinda de Donna foi interessante para os antigos fãs de Beverly Hills mas não trouxe nada de novo à história, a sua presença reduziu-se a cerca de dois episódios e pouco mais. Outro momento acertado foi o fim do romance entre Annie e Ethan, se no inicio prometiam como casal, tornaram-se chatas e sem graça as suas interacções. Outra personagem que ganhou relevância foi Navid sempre disposto a ser o ombro amigo de Adrianna mesmo quando esta andava pelos piores caminhos.

Voltando a falar nos velhos de Beverly Hills, Brenda retorna também e contrariamente a Donna consegue trazer algo de novo. As suas conversas com Kelly permitem desvendar a paternidade do filho da mesma e o que se passou com o futuro de Dylan. Tivemos de novo uma traição o que achei um pouco cliché mas as amigas lá ultrapassaram as suas diferenças. A season final deixa algumas perguntas no ar, e a série que ao longo da temporada sempre pareceu previsível, com excepção da história da Silver, que surpreendeu pela negativa no meu ver, consegue no último episódio surpreender. Annie de boa moça, controlada, vira o vulcão que Liam tanto previa. E o futuro poderá reservar-lhe consequências drásticas? Liam voltará? Espero bem que sim. Naomi descobrirá a verdade e recuperará? Que futuro para Silver e Dixon? O que espero da segunda temporada é episódios mais chamativos e que agarrem os espectadores do princípio ao fim, histórias mais concisas e sem grandes revoluções sem pés nem cabeça. E se a Jen poder ir embora mais cedo, melhor ainda.

3e

Anúncios

24 (7.22) – 05am-06am

Maio 25, 2009

snapshot20090525152838Quando pensamos que uma ameaça termina em 24 Horas, é aí que uma nova surge para atrapalhar o dia de Jack Bauer (Kiefer Sutherland). No episódio 7.22 – 05am-06am conseguimos acompanhar o desfecho da situação que envolvia Jibraan (Omid Abtahi), seu irmão Hamid (Rafi Gravron) feito como refém, e a ameaça do cilindro, já que Tony (Carlos Bernard) finalmente deu a localização do alvo, que seria detonado dentro do metrô no centro de Washington. Graças à ação em conjunto de Jack e Renee (Annie Wersching) em campo eles conseguiram capturar Tony, mas o destaque dessa operação vai para Chloe (Mary Lynn-Rajskub) e Janis (Janeane Garofalo), que trabalharam juntas e demonstraram que o temperamento explosivo de ambas é muito legal de se ver em cena e não restam dúvidas de que elas merecem trabalhar juntas novamente na próxima temporada. Contando com a ajuda de Jack, Jibraan encontrou o cilindro dentro do metrô e chegou do lado de fora da estação no exato momento em que as equipes de apoio se aproximaram e assim, graças a Jack, o cilindro explodiu em segurança e acabou com os planos de Tony.

A situação de Jack chegava assim a um desfecho, já que ele havia prendido Tony, conseguiu uma reconciliação com sua filha Kim (Elisha Cuthbert), apesar de negar a ajuda dela para o tratamento, e deu um fim na ameaça da arma biológica. Kim já estava no aeroporto, conversando ao telefone com seu marido Stephen (Paul Wesley), quando percebeu que algo estava errado e sentou-se ao lado de Frank (Don McManus) e Sarah (Mary Page Keller), um casal aparentemente normal que na verdade trabalhava para o grupo de Tony. Quando pensava não ter mais nada para se preocupar, Jack recebe uma ligação de Cara (Amy Price-Francis) mostrando que o grupo dela estava vigiando Kim no aeroporto e ameaçava matá-la caso Tony não fosse libertado da custódia do FBI, sendo assim Jack precisa libertar Tony para evitar que sua filha morra.

Nesse episódio também tivemos a situação de Olívia (Sprague Grayder) se complicando ainda mais por dois motivos: o primeiro está ainda implicado na morte de Jonas Hodges (Jon Voight), na qual mesmo ela mudando de idéia na hora de transferir os fundos o “serviço foi feito” com o aval de Martin Collier (Leland Orser), já que ela pediu que ele cuidasse da situação de Hodges mesmo após tantas tentativas de fazê-la mudar de opinião sobre isso, sendo assim agora o Departamento de Justiça está suspeitando de 11 pessoas que sabiam que Hodges seria transferido naquele momento e fazendo dela suspeita também. O segundo motivo surgiu quando Aaron (Glenn Morshower), desconfiando do comportamento estranho de Olívia nas ultimas horas, liga para Ethan Kanin (Bob Gunton), que retorna nesse episódio, e pede para ele o ajudar a investigar alguns registros telefônicos e descobrir em que Olívia está metida antes que seja tarde demais para alertar a Presidente Taylor (Cherryl Jones). O desfecho desse episódio deixou uma sensação que já vimos muitas vezes em outras temporadas: Kim em perigo e Jack sendo ameaçado a fazer de tudo para salvá-la. Mas será que para isso Jack seria capaz de libertar Tony, o homem que “surgiu dos mortos” nessa temporada, fingiu ser seu amigo e depois o traiu? E o que acontecerá com Olívia Taylor quando as suspeitas da morte de Hodges caírem sobre ela? Os próximos dois episódios marcam a season finale da 7ª temporada, portanto muitas coisas ainda estão para acontecer nesses dois últimos episódios e irão marcar ainda mais essa temporada, na opinião de muitos, como a melhor de todos os tempos.

Nota: 9,5


Reality show de Grey's Anatomy? Na CW! Really?!

Maio 25, 2009

meredith-grey-03-01Esse é aquele tipo de notícias que chegam a ser cómicas só de pensar nelas. Não é que a CW, vendo que Grey’s Anatomy tem um grande sucesso, tanto na crítica como nas audiências, quer produzir um reality show com a mesma temática dos médicos de Seattle Grace? Segundo o site E!Online, a emissora já entrou em contacto com vários hospitais conhecidos mundialmente. Tendo em conta que a CW é direccionada para um público adolescente, não me parece que esse reality show, se chegar a sair do papel, vá ter um grande sucesso.

A sensação que tenho é que este canal recicla ideias. Primeiro temos o exemplo da nova série vampiresca ‘The Vampire Diaries’, uma clara alusão ao sucesso da saga ‘Twilight’. Isso já para não falar de todas as temporadas a mais que Smallville vem tendo ao longo dos últimos anos. E por fim, é isso que se vê: um reality show que tem a mesma ideia de Grey’s Anatomy, só que num formato mais real. Enfim, o que se pode fazer? De seguida podem ler o comunicado que a CW enviou para as dezenas de hospitais.

A emissora The CW gostaria de documentar a experiência extraordinária de residentes em Medicina Emergencial num hospital de renome mundial. Residentes passam por dificuldades extremamente pessoais enquanto completam a sua educação. Nós gostaríamos de apresentar um retrato destes médicos lutadores durante um período incrível da suas vidas. A nossa parceira neste projecto vai dar a oportunidade de reforçar qualidades de um programa de treinamento e do seu serviço à população no horário nobre.

Digam lá que ler o que está acima e ler uma sinopse da série da ABC não é quase a mesma coisa?!


24 (7.21) – 04am-05am

Maio 25, 2009

800px-jibraanfilmingNesse episódio 7.21 – 04am-05am vimos a situação em que Tony (Carlos Bernard), Cara (Amy Price-Francis) e seus homens colocaram Jibraan Al-Zarian (Omid Abtahi), que segundo o plano de Tony ele seria acusado pelo ataque programado para acontecer dentro das próximas horas e para que isso ganhasse mais veridicidade, Jibraan foi obrigado a ler uma declaração assumindo a autoria dos ataques e mentir para seu irmão Hamid (Rafi Gavron), ao dizer que era um terrorista, para salvar a vida dele. Graças ao trabalho de Chloe (Mary Lynn-Rajskub) e Janis (Janeane Garofalo) nos computadores da UCT, elas primeiramente descobriram que Jibraan poderia ser o suspeito principal e passou o contato de Muhtadi Gohar (Ravi Kapoor), um homem que cuidava da mesquita onde Jibraan costumava ir rezar e que poderia ajudar a localizar o endereço dele, mas após uma nova varredura no sistema Chloe descobriu que os dados que incriminavam Jibraan foram forjados. Jack (Kiefer Sutherland) e Renee (Annie Wersching) trabalharam juntos em campo nesse episódio na caça ao cilindro e Jack mostrou que está disposto a tudo para capturar Tony que nem seu estado de saúde delicado o impedirá de encontrá-lo. Inclusive nesse episódio Chloe acabou descobrindo, em um momento emocionante e aos prantos, que seu amigo Jack está morrendo.

Além da ameaça de Tony com o cilindro, outro ponto que podemos destacar foi a morte de Jonas Hodges (Jon Voight). Como vimos no episódio 7.20 – 03am-04am, Olívia (Sprague Grayden) estava revoltada com o acordo concedido pela Presidente Taylor (Cherryl Jones) para que Hodges se livrasse das acusações pela ajuda dada nas investigações e para “cuidar da situação” ela chamou Martin Collier (Leland Orser). Através de outro “contato”, Olivia teria que depositar uma quantia em dinheiro para que esse homem matasse Hodges, mas ao receber de Aaron (Glenn Morshower) a noticia que seu pai Henry Taylor (Colm Feore) estava na Casa Branca e queria vê-la. Lembrem-se que Henry Taylor voltou após um longo período longe devido a sua cirurgia para se recuperar do tiro levado a “12 horas atrás”, no episódio 7.08 – 03pm-04pm.

Olívia estava determinada a ordenar a morte de Hodges, mas mudou de idéia no último momento e cancelou a transferência do dinheiro, porém isso não evitou que o carro onde Hodges estava explodisse, deixando Olívia ainda mais nervosa após Tim Woods (Frank John Hughes) comunicar a Presidente Taylor sobre a morte de Hodges e que isso deve ter sido um trabalho interno, de alguém que conhecia os procedimentos feitos. Retornando a busca de Jack e Renee, eles conseguiram chegar a casa de Jibraan, onde o irmão dele era feito refém, e conseguiram resgatá-lo das mãos de Harbinson (Brian Kimmet), que acabou sendo ferido por Hamid durante a invasão do FBI. Harbinson é o único que pode dizer a Jack a localização de Tony e quais são os planos dele para o cilindro roubado da Starkwood. Outra dúvida que fica é como Olivia vai conseguir se livrar dessa situação em que se meteu, agora que Jonas Hodges está morto e todas as evidencias de uma investigação poderão cair sobre ela. Restam apenas mais 3 horas para a conclusão de mais um dia infernal na vida de Jack Bauer, portanto vamos aproveitar esse finalzinho de temporada.

Nota: 9,0


One Tree Hill (6.24) – Remember Me As a Time Of Day

Maio 25, 2009

Acredite nos seus sonhos todos os dias, porque eles se realizam! É neste clima que One Tree Hill encerra sua sexta temporada. Que mais parecia uma despedida da séria, afinal não ficou nem um gancho para trás, nem uma história mal resolvida, todos com seus finais felizes. Algo especial neste episódio foi rever Karen e Withey, impossível não dar saudades dos velhos tempos.

Para a felicidade de todos, Peyton que muito se destacou nos últimos episódios conseguir ter sua filha, Sawyer Brooke Scott, nome meio estranho, mas tudo bem, pois é um lindo neném. Brooke arrumou sua vida, ficou sem Sam, que não apareceu mais, resolveu os problemas com sua mãe, que foi uma cena muito bonita e o melhor de tudo, resolveu assumir seu amor por Julian.

Vivas para Nathan Scott, ele finalmente está na NBA, nem dá para acreditar, e quando o pequeno Jamie fica sabendo da novidade então, é de arrepiar. Também temos Mia e Chase, Mili e Mouth, só faltou Skills e a professorinha. A única exceção dos felizes para sempre foi Dan, que sobreviveu a mais uma temporada, o personagem carrega toda a culpa e desprezo possível, as cenas dele foram profundas.

Acredite que os sonhos se realizam todos os dias, porque eles se realizam… O sonho de muitos fãs é voltar a ver Lucas e Peyton na série. Li comentários indignados com a saída do casal. Muitos até acham que uma sétima temporada é bobagem, que a série deveria acabar com esta sexta temporada. Eu fico curiosa para saber o que virá nesta próxima temporada e acredito que One Tree Hill ainda pode nos trazer bons momentos.

Nota: 9,6