Lista: 10 coisas que odeio nas séries americanas

o5

Numa clara alusão à nova série da ABC Family, que pode conhecer aqui, decidi criar juntamente com o Marco esta lista que foca dez pontos que nós odiamos em séries americanas. Tentamos ser o mais objetivos possível, mas nesse tipo de listas, é impossível fazer isso, pois para justificar as nossas escolhas, temos que dar a nossa opinião. Espero que compreendam as nossas escolhas e não tornem este artigo numa polêmica como costuma acontecer em listas do gênero. A nossa opinião está a seguir e depois queremos ler as vossas escolhas e saber o que vocês mais odeiam nas séries americanas.

o1

1 – Atores adultos interpretando personagens adolescentes: Todos sabemos que isto é uma característica muito presente, principalmente nas séries que tratam do universo teen. Poderíamos realmente acreditar que Ryan Atwood, Marissa Cooper e companhia realmente estavam no High School? E mesmo não só aparentemente falando, suas personalidades não condiziam com sua pouca idade. Naturalmente maduros, Nathan e Haley decidem se casar, viver sozinhos e enfrentar a dura vida adulta antes do tempo, assim como Brooke decidiu carregar uma empresa, uma filha adotiva e encara a possibilidade de estar sempre com seu coração fechado para o amor. O pessoal do famoso CEP, 90210, confunde com metade do elenco com cara de puberdade e a outra metade com cara de crise dos trinta anos.

2 – Saltos longos no tempo: Quando elas acontecem, sempre nos deixam a dúvida: conseguirão explicar os acontecimentos anteriores até que estes cheguem no tempo atual? O espaço temporal nunca ultrapassa de três a cinco anos e muitas das vezes é visto como uma mera jogada para ganharem tempo de desenvolver melhor histórias passadas ou simplesmente tapar o famoso ” buraco” deixado. One Tree Hill conseguiu avançar cinco anos na história, porém o fez bem, rendendo uma quinta temporada madura e evoluída, mesmo deixando algumas lacunas no processo. Depois de uma quarta temporada aceite pela crítica, Lost rendeu três anos à frente em sua história, deixando os fãs preocupados, pois seria essa uma tática para nos enrolar mais ainda ou de fato iríamos entender os mistérios que se alojam na ilha? Contrariamente, vimos que as donas de casa de Wisteria Lane se perderam na cápsula do tempo, conseguindo banalizar sua história e por consequência disto, perder a credibilidade com seu fiel público.

3 – Flashback e Forward: Estas duas formas de narrar acontecimentos podem ser muito boas para a história, mas também podem fazer os fãs arrancar os cabelos de tão mal aproveitados que são. O mais recente exemplo disso é Heroes, que na sua terceira temporada conseguiu criar um episódio péssimo, intitulado 1961. E foi péssimo por dois motivos: não contribuiu para a narrativa principal e ainda mostrou erros de continuidade tremendos. Esse é um dos aspectos que me faz não gostar muitos de flashbacks e flashfowards, pois cria uma sensação de que os roteiristas não pensam enquanto escrevem algo do gênero. Mas é importante refletir mais uma vez que isso essas duas técnicas não é algo que odeio em todas as séries, mas apenas em algumas, como a mencionada acima. Afinal de contas, os episódios do futuro de Heroes concretizaram-se na realidade? Não! Bem que Heroes podia ter umas aulas particulares com uma tal série chamada, LOST.

o2

4 – O eterno “Agora ou Nunca” dos casais principais: Esse talvez seja um dos que mais nos irritam, o famoso nasceram para ficar juntos mas não ficam. Nutrimos uma relação de amor e ódio por esses casais, pois nos sentimos parte integrante da relação: Mer e Derek, Peyton e Lucas, Clark e Lana. Cada qual com sua complicação para não dar continuidade ao relacionamento, seja por diferenças no trabalho, sentimentalismos, medo de compromisso, destino, ciúmes, opiniões contraditórias ou simplesmente a pura enrolação que nos deixa extremamente irritados e esgotados. Alguns casais, como Clark e Lana faziam tudo parecer tão complicado, devido a condição de Clark na terra, vimos que sempre pareceu ser a melhor escolha eles ficarem separados. Amores controversos e tumultuados sempre marcaram presença nos corredores do Seattle Grace, ainda mais quando o nome Meredith e Derek está no topo desta lista. Lucas e Peyton, eram o casal que viveu sempre do nunca durante os tempos de escola. Passado o tempo, veio o amadurecendo e cura para antigas feridas, possibilitando viver intensamente o agora.

5 – Os estereótipos: Que sociedade dividiu “melhor” os diferentes tipos na qual ela representa? Vivemos nos deparando com o nerd apaixonado pela garota popular (Seth Cohen X Summer Roberts), a garota que todos os caras querem e todas as outras invejam (Brooke Davis), o casal inesperado (Nathan Scott e Haley James), os triângulos amorosos (presentes em grande parte das séries), romance garoto e mulher mais velha (Nate Archibald e a Duquesa), romance aluno e professora (Dan Humpfrey e Ms. Carter), o filho ilegítimo (Ryan Lafferty), a cheerleader com conteúdo (Claire Bennet), a “bitch cheerleader” (Quinn de Glee), o garoto “outsider” (Ephram Brown), a queridinha do papai (Annie Wilson) e o esportista com um sonho (Finn de Glee). Podemos perceber que esses personagens estão presentes em sua maioria dentre as séries adolescentes, devido ao público que atinge e por formarem opiniões, mesmo que muitas delas de forma equivocada.

o3

6 – A paranóia terrorista: Desde os ataques de 11 de setembro, essa temática tomou grande proporção na televisão norte-americana, principalmente ditando o combate ao terrorismo como espelho da implantação do caos. Jack Bauer e suas 24 horas são o puro exemplo desses acontecimentos: armas nucleares, facções religiosas, organizações criminais, agentes duplos, conspirações governamentais e escândalos políticos, entre outros. Jericho fez uma aposta menos gananciosa, porém parecida, narrando a vida de uma população do Kansas, sobrevivente de uma fatal explosão nuclear.

7 – A volta dos que já foram: Dar a vida novamente aos que já morreram é, de certa forma, quando revivem uma personagem que agrada os telespectadores pode soar como algo positivo, porém o problema é quando trazem pessoas indesejáveis de volta a vida. Mais uma vez a série que mais peca nesse ponto é Heroes e as suas constantes ressurreições. A série chegou ao ponto ridículo em que a surpresa fica quando um personagem morto não volta ao mundo dos vivos. A terceira temporada foi a mais evidente, sendo o Matt e o Nathan apenas dois exemplos dos muitos que aconteceram. Também Prison Break decepcionou por causa disso e, apesar de não ser um estado tão odioso como Heroes, a verdade é que a volta da Sara e do Kellerman podiam ter sido evitadas.

o4

8 – Os riquinhos de alma vazia: Os famosos mauricinhos que nasceram em berço de ouro, que sempre tiveram tudo durante suas vidas, porém não conseguem expor algo fundamental: sua verdade personalidade. Tornam-se a típica sombra de seus pais, alimentando o desejo reprimido dos patriarcas em continuar com o legado intocável, personagens estas que por vezes acham que dinheiro é a solução para tudo. Ser um Chamber e ou um Archibald pode ser um fardo, pois atrás de muito dinheiro vêm grandes responsabilidades. Evan é o filho mais novo, único herdeiro que ainda pode honrar o nome da família, torna-se uma espécie de investimento a partir do momento que assina um contrato de fundo de investimentos. Não sabem lidar com os problemas que o dinheiro pode trazer no seu relacionamentos. Ser um Archibald por sua vez pode mostrar o luxo e o lixo da noite para o dia e a ausência de individualidade faz com que uma personagem como Nate não se desenvolva totalmente.

9 – A longa e torturante pausa: O maior dos problemas enfrentados por nós, viciados em séries: a aterrorizante espera por novos episódios. Sabemos que existem as temporadas, o tempo para as filmagens, os contratos, as transmissões, análise da audiência e tudo isso, mas nada disto tira a ansiedade com nossas séries favoritas. Vivemos de especulações, alguns correm atrás e outros fogem dos famosos spoilers. Presenciamos a crise dos roteiristas que parou indústria do entretenimento e por consequência parou nossas vidas, cedentas pelo retorno de nossas séries e também a curiosidade dos novos shows que seriam produzidos. 24 optou pela estratégia de aguardar a crise passar e estrear fora do calendário a nova temporada. Chuck que rendeu bons sustos aos fãs com o mistério da renovação/cancelamento, revelou seu curto retorno (13 episódios) para o ano que vem, mas apenas em Março (ou seja, quase um ano sem a série). E a pior espera sem dúvida será para a última temporada de Lost, com estréia prevista somente para Janeiro de 2010. Não há coração que aguente tanta espera!

10 – O amigo e inimigo telespectador: Responsáveis diretos e indiretos pelo sucesso ou fracasso das séries. Aqueles que ligam seus televisores de segunda a domingo e rendem as grandes, médias e pequenas emissoras os índices positivos e negativos de seus principais shows. Séries originais que são nitidamente incompreendidos aos olhos dos norte-americanos, fazem do cancelamento de Pushing Daisies uma das maiores injustiças já cometidas. A mídia supervaloriza algumas séries que nem sequer correspondem a metade do que foi previsto e outras que merecem extrema atenção passam desapercebidas, a exemplo de séries teen, como a massiva e apelativa propaganda do canal fechado CW sobre Gossip Girl e o singelo desenvolvimento do canal aberto ABC Family em Greek.

Advertisements

0 respostas a Lista: 10 coisas que odeio nas séries americanas

  1. Thiago Mariano diz:

    Concordo com todos os quesitos! Principalmente o último. Infelizmente o telespectador (inimigo) parece ignorar determinadas histórias por trás de outras histórias e por isso terminam por “condenar” uma série, quando esta apresenta-se em ótima qualidade.

  2. Marcia Silva diz:

    Gostei bastante dos pontos abordados e além deles tb acho um saco quando os roteiristas nos tratam como burros seja nos entregando diálogos e situações mau desenvolvidas, didáticas demais ou simplesmente que não apresentam propósito algum que não seja o de nos enrolar… isso me irrita bastante (parei de assistir Heroes por causa disso, não se a série melhorou mas até o ep. 18 dessa última temporada os diálogos estavam muito ruins e muito sem propósito).

    Fora isso tem aquele famoso vai e vem, de personagens que ora são de um jeito, ora de outro, depois voltam a ser o que eram antes… e tb aquilo que já foi citado na lista: os casais que nunca se entendem, e o maior exemplo atual? Chuck e Blair…

  3. Concordo com a quase totalidade dos pontos enunciados…

    Algo que realmente me irrita é ver actores de 20 e 30 anos a interpretar moços de 16 e 17 anos -.- Sem dúvida, esse é o que mais raiva me mete..

    Para não falar nas histórias cheias de clichés, que têm sempre as personagens típicas com desenlaces nada surpreendentes… É por estas e por outras que tenho muito orgulho em ver séries como In Treatment, Damages, Weeds, etc 🙂

  4. an.drew diz:

    Bem gostei bastante dessa lista e concordo com tudo.

    O que me enerva mesmo é o desata ou não desata dos casais amorosos e o pior que é o que se passa em Gossip Girl todos namoram com todos! Já ng aguenta isso só falta mesmo a Serena namorar com o meio-irmão Chuck =X
    e não posso deixar de comentar o ponto 10. Pushing Daisies das melhores que o já vi na vida (está no meu top 3 de séries favoritas de sempre) ainda não acredito que acabou OMG, i o ke me enerva mesmo é ke anda tanta m**da na televisão e estas pérolas raras são canceladas, só espero é ke true blood não seja cancelada tão cedo já que os americanos só gostam de csi’s e afins (ODEIO, ODEIO, ODEIO).
    E quanto ao tratamento da abc family com greek é mesmo mau, não há publicidade nenhuma e depois querem resultados deviam reparar na mãe ABC.

    • Essa tática para GG parece funcionar, apesar de definitivamente ENERVAR como vc mesmo disse! No caso de Greek por ser de um canal aberto ela tem bastante aceitação perante o público pois trata de maneira diferente o universo jovem americano….Sem o uso escancarado dos clichês e bastelões americanos.

  5. DMM diz:

    Sempre pensei que a CW fosse um cana aberto.
    Então acho que estão explicadas as baixas audiências deste canal.
    Concordo com todos com a excepção do 6º, mas destes pontos temos de realçar este:
    1 – Atores adultos interpretando personagens adolescentes
    Isto é das piores coisas que se podem fazer… para além dessas séries mencionadas também quero realçar o Tom Welling que com 24 anos dava vida a uma personagem de 14…

  6. Carol diz:

    Outra coisa q m irrita nas séries: momentos clichês c péssimos roteiros e atuações. Os clichês a gente até atura mas se juntar esses dois últimos fatores, fica intolerável. Ex: CSI Miami (ninguém merece o Horacio e akelas frases d efeito)

    • DMM diz:

      o que são cliches???
      é uma palavra pt-br, certo?

      • Carol diz:

        acho q é português sim. É uma dakelas cenas clássicas e ridículas, tipo na hr do casamento o padre pergunta: se tem alguém q impessa esse casamento fale agora ou cale-se para sempre! Aí vai e aparece alguém… Tipo, isso já tá batido d+++, todo mundo conhece essa cena e n aguenta mais ver, aí a gente fla q é clichê. Os mais famosos são os clichês românticos, também conhecidos como “piegas”

      • an.drew diz:

        Clichê é uma palavra que vem do francês (tipo picnic) que quer dizer ke uma ideia ou situação repete-se tantas vezes que se torna previsivel. 😉

      • Hehehe o lance do clichê realmente rendeu..Pegue qualquer série teen da atualidade, ela estará transbordando de cliches..A unica promessa talvez que eu veja atualmente que aborde os cliches teens de outra forma, talvez seja Glee…Vamos ver oq pode acontecer!!!

      • Carol diz:

        Eu flei d CSI Miami, né, na verdade são todos os CSIs, só flei do Miami pq o cara q faz o Horatio é um dos piores atores protagonistas q eu já vi. Mas em um dos CSI m lembro d uma cena q era mais ou menos assim: eles tavam descrevendo um cowboy q morreu e flando q ele tinha fama, dinheiro, sucesso, felicidade aí um deles comenta “que criança nunca sonhou em ser um cowboy?” e o ourto responde “não um cowboy morto…” aí ele faz akela cara reflexiva e… silêncio…
        A, qual é, n precisava dessa frase d efeito ridícula!!! ClichÊ total!!!

      • DMM diz:

        ya, realmente…
        piada seca, ja deu para perceber
        obrigado gente

  7. carlos eduardo diz:

    O único que não concordei, foi o 6, pq gosto muito de filmes e séries que abordam essa tendência, ainda mais com grandes atores e com devidas ações elaboradas.

    • Tb gosto da tematica, concordo plenamente…MAs a execessividade que talvez me irrite um pouco…MAs eh a realidade deles, respeito completamente!!! Grandes atuações e cenas renderam-se de momentos como esse…

  8. Rubens diz:

    Não concordo que “as donas de casa de Wisteria Lane se perderam na cápsula do tempo, conseguindo banalizar sua história e perder a credibilidade com seu fiel público”. Eu, pelo menos, adorei essa temporada de Desperate Housewives, pois foi bastante divertida (o que menos importou na temporada foi aquele arco do personagem buscando vingança porque mataram sua família). Os numeros da audiencia parecem me dar razao, nao?

  9. Débora diz:

    Sedentas é com S e não com C.

  10. Warlen diz:

    Concordo com todas as 10 coisas e realmente o que mais me irrita é ver atores adultos interpretarem personagens adolescentes!! Eles realmente acreditam que nós não percebemos que é um(a) actor\actriz de 20 anos a fazer uma personagem de 15??!
    Já o ponto 4 é outra chatice! É realmente preciso 100 (ou muito mais) episódios para os protagonistas olharem-se nos olhos, perceberem que se amam loucamente e aceitarem que irão conseguir enfrentar todos os problemas juntos??!

  11. thiago diz:

    Nossa adorei a lista, parabéns!!!

  12. […] Lista: 10 coisas que odeio nas séries americanas […]

  13. Lunna diz:

    Boa tarde! Lendo seu artigo gostaria de acrescentar que eu odeio qd to curtindo um seriado e de repente a emissora resolve cancelar! Que ódio que dá! Principalmente qd fik sem pé e sem cabeça o término da temporada! Ex: Cupid, com 7 episódios.

  14. Lunna diz:

    Outra coisa que estava lembrando que odeio em seriados americanos é qd eles falam alguma coisa usando o termo “3° mundo”, tenha dó né! Como se o 3° mundo não acompanhasse seriados 5d15sde2e
    Que discriminação! Fico chateada com isso!
    Tava assistindo The Big Bang Theory S03 E01 e surgiu a pérola: “Sabe-se lá qual demônio do terceiro mundo está em você! ‘
    Será que os demônios daqui são piores que os de lá ? kkk!

  15. William diz:

    No fim das contas você acabou comentando apenas seus desafetos com séries “supervalorizadas pela mídia”. Por que as acompanha se são tão ruins assim? Já foi comentado, mas vale lembrar: CW não é um canal aberto.

    • A unica série SUPERVALORIZADA na minha opinião que assisto é Gossip Girl e realmente a assisto por assistir, porém todas que escolho assistir( mais de 13), assisto e acompanho por que realmente quero e me acrescenta algo, me traz algo..GG não me acrescenta mas assisto mesmo assim.
      Sim a CW não é um canal aberto, correto!
      O objetivo desta lista é realmente ressaltar coisas q não gostamos, se vão de acordo com a opinião de cada é outro papo. Concorda que é dificil agradar, por isso a lista é algo mais pessoal dos colaboradores do site que por vezes podem ou não receber comentarios concordando.
      Mas valeuz pelo coments!

  16. Anders diz:

    Realmente, seu post está 100% certo. Não sei para os demais, mas para mim cancelar a serie TERMINATOR, foi triste. Gostava muito da serie. Não entendo como as series boas sempre terminam assim, ou canceladas, ou com o final sem nexo. Até.

  17. Juliana diz:

    Adorei sua lista! Ri muito em várias partes!
    😀

  18. Dani diz:

    Concordo com tudo, mas a atriz que fez a Marissa de the oc tinha 17 anos na época que começou o seriado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: