Quão bizarra será a segunda temporada de True Blood?!

Junho 28, 2009

trueblood191Achas que True Blood está estranho com essa vampira adolescente ou com a masmorra onde está o Lafayette? Pois fica a saber que de acordo com Carrie Preston, que faz de Arlene na série, vai ficar ainda mais bizarro. Violência e nudez explícita não é nada comparado com o que vai acontecer nesta segunda temporada.

“Vai ficar mais bizarro,” disse Preston numa entrevista exclusiva na semana passada em Burbank, Califórnia, onde representou True Blood nos prémios Saturn. “Como verdadeiramente obscuro e esquisito. A temporada passada foi muito explícita, mas eu acho que eles têm que ir a qualquer lada a partir da primeira época”.

Dos dois primeiros episódios já exibidos deste ano, Sookie Stackhouse (Anna Paquin) ficou quase toda nua ao fazer as pases com Bill depois deste ter contado a verdade acerca da Jessica, e Jason (Ryan Kwanten) está a tentar ficar num período de abstinência a ir para um campo religioso. Preston disse aos fãs para esperarem surpresas ainda maiores.

“Oh, meu Deus, vocês irão ver os personagens a fazerem coisas que nunca esperaram ver eles fazerem”, disse. “Vai ser um lugar muito louco”. Em relação à sua personagem, Arlene, Carrie revelou que “Vocês terão que esperar para ver, mas digamos que existem coisas que estão para além do seu controlo”.

trueblood_carriePreston-thumb-300x300-15302True Blood arracou o ano passado e é agora o novo hit da HBO. Baseado nos livros de Charlaine Harris, a saga começa com o conflito de uma raparoga telepática a tentar um encontro com um vampiro num mundo onde sangue sintético permite a interacção segura entre vampiros e humanos. Depois de desenvolver as personagens e storylines, esta segunda temporada está pronta para andar para a frente (ainda mais).

“Simplesmente é mais excitante,” revelou Preston. “Existe uma sensação de relaxamento. Nós sabemos as coisas e as pessoas conhecem o nosso trabalho, por isso nós podemos nos sentir livres de continuar a fazer o que fazemos, porque aparentemente está a resultar.”

Evan Rachel Wood entrou para o elenco para gravar a recta final da temporada como uma vampira lésbica, rainha de Lousiana. Arnele não se vai interligar a Wood, pelo menos para já. “Hum, eu não tenho nenhuma cena com ela, nem a conheci como personagem, mas ela já está a filmar. Neste momento está a gravar a season finale.”

Então, gostaram das novidades? Ansiosos pelo que aí vem?


Hawthorne (1.01) – Pilot

Junho 28, 2009

hawthroHawthorne inicia a sua estreia muito bem, os cinco primeiros minutos criaram logo uma boa impressão e expectativas para um bom episódio de estreia, que acabou por se confirmar no fim dos 43 minutos. O episódio inicia-se da melhor maneira, com emoção e adrenalina à mistura. Christina é incomodada a meio da noite por um paciente, amigo do falecido marido, este também com um cancro em fase terminal. David está prestes a colocar um ponto final na sua vida, antes mesmo de o cancro o derrubar por completo, Christina tenta em vão dissuadi-lo de tal ideia e quando numa última tentativa do convencer se despede deste, David não hesita e salta mesmo. Mas no meio do drama ainda deu para rir, quando Christina chega ao hospital em roupa de dormir e diz ser chefe da enfermaria pedindo autorização para entrar a resposta do segurança não podia ser melhor: and I’m Denzel Washington.

Outro dos casos desenvolvidos neste episódio envolve um recém-nascido encontrado por Isabel, uma sem abrigo, infelizmente as condições de saúde são precárias e este padece de espinha bífida. Para complicar um dia já difícil marcado pelo aniversário de morte do marido, Christina ainda tem de lidar com as travessuras da filha Camille, que resolve lutar pela liberdade de opção no que se refere à bebida e à comida, algemando-se às máquinas. Christina apela ao bom senso do director mas após ouvir da boca da filha que deixou o marido morrer, Christina resolve castiga-la e faze-la pagar pelas consequências dos seus actos. A guerra sempre muito falada entre médicos e enfermeiros também é retratada neste episódio quando após uma dosagem errada e uma administração elevada de insulina um paciente quase morre. O elo mais fraco é sempre o enfermeiro, mas neste caso Ray tem razão. Num jogo de pingue-pongue em que a bola da culpa saltita do campo dos enfermeiros para o campo dos médicos, Ray acaba por ficar suspenso dos seus casos do dia e o hospital por ser processado.

David consegue sobreviver embora com alguns ferimentos, numa última sinapse o desejo de viver salta ao de cima e este decide lutar pela vida. O caso não é animador, além do grave cancro que o afecta agora ficou gravemente ferido devido à queda que deu, esperemos novos desenvolvimentos desta história nos próximos episódios, pode ser um caso que pode vir a render óptimos momentos. Christina finalmente adquire coragem suficiente para se despedir do marido, e ao que tudo indica entregar as cinzas à sogra por muito que a ideia lhe desagrade. Afinal numa revelação de última hora, Isabel dizia a verdade e o pequeno Moses é mesmo filho dela, isto descobre-se aquando Isabel desmaia e reparam que perdeu imenso sangue. O futuro do pequeno é incerto, apesar de a sua saúde ser estável neste momento. Um óptimo episódio de estreia, a série promete apresentando vários pequenos casos médicos mas sempre conseguindo ter uma parte cómica em todos os dramas demonstrados. Acaba por abordar um tema sempre polémico a relação entre médicos e enfermeiros, prometendo continuação nos próximos episódios. Christina Hawthorne é uma mulher de convicções fortes e todo o ambiente a nível hospitalar foi bem explorado e ficamos a conhecer personagens bastante interessantes. Esperemos que a qualidade demonstrada não seja sol de pouca dura.

Nota: 9,0