Weeds (5.05) – Van Nuys

Julho 15, 2009

weeds505Se, por vezes, os episódios de Weeds duram, duram e duram, este passou bem depressa, o que é bom sinal. Nancy e Andy estão na sala-de-espera dum centro de saúde para mulheres, e começámos por ver Nancy muito preocupada com o que uma desconhecida está a ingerir. Nancy é consultada por uma simpática doutora, que lhe informa que tudo está a correr bem e que há sempre uma alternativa, abortar. Shane e a desaparecida Isabelle divertem-se a destruir objectos, após Shane ter sido roubado e enganado pelo seu professor, e é aí que percebem que podem usar Ignacio a seu favor. De volta a casa, Andy tenta convencer Nancy a abortar, enquanto esta se preocupa exclusivamente com as plantas que havia comprado. Silas e Doug são aconselhados, pelo oficial da polícia, a fazerem um acordo com um agente de traficantes, que dá pelo nome de o Feiticeiro.

Nancy descobre que Celia tem dormido, às escondidas, na sua garagem, deixando-a ficar por alguns dias. Shane, Isabelle e Ignacio vão a casa do professor ladrão e não só trazem toda a erva que ele havia roubado, como lhe roubam objectos que achem piada e Shane mata, acidentalmente, a catatua do professor. Silas e Doug, então, encontram-se com o Feiticeiro e como sempre, Doug, estraga tudo. Entretanto, Celia descobre na arca frigorífica o corpo de Sucio, indo denunciar imediatamente a Nancy, que liga a Esteban para resolver a situação. É então que temos uma das cenas mais engraçadas do episódio, num almoço onde Mags e Andy tentam repetir a história de Mags e Judah, o quanto eu me ri quando a Mags diz “tira me a virgindade”.

Nancy descobre o que seu filho Shane fez e repreende-o, obrigando-o a devolver tudo. Apesar de apreciar esta atitude e as suas mudanças, Nancy está cada vez mais “normal” e responsável, é um pouco estranho, assim quase do nada, ela preocupar-se com os seus filhos e os seus problemas. Doug e Silas discutem, Silas agredi Doug, mas logo fazem as pazes e continuam a trabalhar no seu negócio. Os empregados de Esteban vão até à garagem de Nancy para tratarem da limpeza do corpo de Sucio, sendo isto presenciado por Celia. Andy, com o objectivo de ganhar o dinheiro da conta do seu irmão, faz um grande sacrifício ao praticar sexo com Mags, numa praia cheia de sem-abrigo, que defecam, drogam-se e etc. Nancy e Shane vão a casa do professor devolver o que lhe roubaram e entregar uma iguana, em troca da catatua morta. O professor mostra-se ainda assim vingativo e Nancy põe um ponto final naquela situação, ao ameaça-lo com um taco. Celia, matreira, faz chantagem com Nancy para ficar a viver na sua garagem, ou divulgará as fotos do corpo de Sucio. Enquanto Andy fuma no jardim, Nancy vê que as suas plantas não sobreviveram. Numa conversa aconchegante entre os dois, Andy convence Nancy a fazer as malas para fugirem. Mas qual não foi o meu espanto quando, na cena final, Nancy vai viver para casa de Esteban, deixando um bilhete de despedida para Andy.

Nota: 9,1


Dexter (1.10) – Seeing Red [FOX PT]

Julho 15, 2009

Dexter2Sangue. O fluido da vida. Neste liquido vermelho é que se forma a vida. Neste líquido vermelho é que a vida humana se suporta. Sangue. Neste líquido vermelho é que a vida de Dexter assenta. Desde criança até a idade adulta. Sangue e mais sangue foi o que Dexter viu naquele quarto. E, devido a este sangue, nada será igual.

O episódio assenta-se no encarnado do sangue e em 103. Nada mais simples. O ITK parece conhecer toda a vida de Dexter, pois faz-lhe passar por experiências traumáticas, faz-lhe recordar o passado esquecido. E este foi o episódio que renasceu as memórias mais escondidas no corpo de Dexter. E tudo devido a sangue.

Miami é assolada por um banho de sangue, proveniente do ITK. Um quarto de hotel, com o número 103 (admito que já não me lembro da importância do número), pintado de cal, ganhou uma nova coloração. O encarnado passou a fazer parte do quarto. 103 também é a chave que chega a delegacia da polícia de Miami, envolvida em sangue. Ao chegar a cena do crime, Dexter depara-se com um sinal vermelho: sangue espelhado pelas paredes, pelo tecto, e uma poça enorme no chão. As recordações voltam, a vida de Dexter volta. Começa a ouvir a sua mãe, começa a relembrar o miúdo envolvido por sangue. Algo o afecta naquele quarto. Ele, que está tão habituado a cenários sanguíneos, não aguenta. Algo dentro de si não aguenta aquele sangue. Sabemos que o ITK está por traz disto, devido ao sangue pertencer as antigas vítimas, sabemos que a cena foi preparada de propósito para Dexter. E só no final é que Dexter a utiliza. As recordações afloram. Vê a sua mãe a ser morta, com uma serra, a frente do seu querido filho. Dexter nasceu no sangue, e relembra-se neste mesmo. Depois há o pormenor do 103. Não sei onde isso vai dar. De resto, vemos que Rudy tenta evoluir ainda mais na sua relação com Dexter. E também sabemos que a sua mãe morreu.

O episódio também teve as narrativas secundárias, como habitual. A primeira é a primeira briga entre Debra e Rudy. Nada que o casal resolva. Deb teve a oportunidade de sair do abismo, mas ainda se afundou mais. De resto, Batista aproxima-se demais do ITK, o que leva a que seja ferido. Rudy sente que a polícia começa a aumentar o cerco. E que não está protegido.

Por último, Dexter resolve um grande problema. Paul sai do caminho, mas não me parece que sai facilmente. Pelo menos deixa Rita e os miúdos em paz.

Nota: 9,5


FOX lança vídeo com imagens da sexta temporada de House

Julho 15, 2009

Sem título

A nova temporada de House só chega no dia 21 de Setembro, mas a FOX já lançou o primeiro vídeo promocional com cenas da sexta época. O primeiro episódio, com duas horas de duração, apenas trará House e Wilson ao pequeno ecrã. Os restantes personagens só vão regressar no segundo episódio.  Sem mais demoras, veja o vídeo já a seguir!


Dexter (1.09) – Father Knows Best [FOX PT]

Julho 15, 2009

Dexter - 2Memória: é a capacidade de adquirir, recuperar e armazenar informações disponíveis. A isto se resume o episódio de Dexter. Memória. E também este review se vai resumir a isto.

Adquirir: Neste episódio, Dexter começa a conhecer o seu passado. Um testamento é o mote do episódio. Joe Driscoll, quem quer que ele seja, morreu, e deixou, para além de uma série de interrogações na cabeça de Dexter, tudo o que tinha. Dexter vai ganhando uma perspectiva nova sobre este misterioso homem, vai adquirindo conhecimento sobre ele. Jogador de bolling, viveu numa cidade pacata, sem grandes problemas, e, segundo a autópsia, a causa da morte é ataque cardíaco. Nada de especial. Para além disso, Debra e Rudy, ou melhor, ITK vem ajudar a família Morgan. Se se lembrarem, logo no início da temporada (primeiro ou segundo episódio, penso eu), Dexter refere que os Serial Killer não se encontram, não fazem reuniões, não têm um dia anual de encontro. Mas parece que dois Serial Killer numa sala é muita coincidência. Mas, para o que interessa, é que Dexter conhece o namorado de Debra, seu futuro “irmão” (substituam aqui por cunhado…enganei-me).

Recuperar: Uma tatuagem faz com que Dexter volte ao passado, algo que começa a ser recorrente. Desta vez é uma criança em viagem com o mesmo homem. Dexter a viajar com o seu pai. Algo já está explicado. O seu pai deixou-lhe a casa, pois era a única pessoa que ele tinha. Mas a Dexter falta muita coisa. Como o seu pai soube o seu verdadeiro nome? Como sabia que ele ainda se mantinha vivo? Como descobriu que trabalhava para a polícia de Miami? Tudo proveio num novo flashback. Dexter, que foi parar ao hospital devido a um corte, necessita de sangue. O problema é o tipo sanguíneo do pequeno Morgan. E aqui surge Joe Driscoll, o dador de sangue. É irónico que um tipo que trabalha com sangue tenha problema em arranjar algum para ele. Parece que o pai acompanhou a carreira do filho, corrigiu os seus erros, e manteve-se um homem pacato de uma cidade pequena até ao final dos seus dias.

Armazenar: E qual é o papel de Harry neste história toda? Harry é o pai protector, que fez sempre para não desviar Dexter do essencial: Não ser apanhado. Isto leva a que Dexter seja protegido, o que levou a esconder o seu pai. Mas, como Rudy disse, apesar de Dexter pertencer aos Morgan, aquele era o seu verdadeiro pai. E o momento das cinzas transmite isso.

Adquirir de novo: Dexter sai diferente da pequena cidade. Para além de fortalecer os laços com Rita, sai com um novo folgo para a sua vida. Também sai com algumas dúvidas. Terá o seu pai morrido de ataque de coração ou foi homicídio. Ele não o sabe, mas o foi Rudy o responsável. ITK de novo a atacar a vida de Dexter. Após a sua irmã, agora é o seu pai. Alguma mensagem está a tentar ser transmitida.

Recuperar, agora com Rita: Paul ataca de novo Rita, mas ela agora está prevenida. Mas nada advêm de bom para o lado de Paul, pois Dexter está a espreita.

Nota: 8,7


Dexter (1.08) – Shrink Wrap [FOX PT]

Julho 15, 2009

Dexter - 1De novo Dexter surpreende. Que grande episódio, cheio de questões surpreendentes, cheio de surpresas, cheio de revelações mortais (no sentido figurado e, claro, literal). Um suicídio é o pano de fundo. A morte do mistério da temporada. Uma analogia completa, uma verdadeira clarificação dos sentidos. Dexter recorda de várias coisas como pessoa, Dexter abre novas portas como série.

Com o suicídio em pano de fundo, o episódio vai-se construindo para acabar naquele momento: o verdadeiro ITK. Para chegarmos lá tivemos de passar pela confirmação de que Laguerta tem razão, ou melhor, Dexter continua com nas suas sugestões. Após isso tivemos o erro do capitão. Laguerta libertou a sugestão, o capitão não a mordeu, e vai haver bronca (de dizer que os comentários de todos estes episódios são feitos sem serem vistos os seguintes). Para além disso tivemos a justificação de como o antigo ITK descobriu as informações. Mas o ponto culminante foi descobrir que a pessoa procurada por todos está a mão de semear. Deb está a entrar na boca do lobo, e não sabe. Promete sair daqui grandes situações, pois Deb vai ficar bem magoada desta relação, Dexter vai ficar radiante com esta surpresa e, se falta-se alguma coisa, temos de saber a história que está por trás do futuro ex-namorado de Deb (acho que isto não é spoiler nenhum). Dexter promete para os próximos 4 episódios, até ao final de temporada.

De resto, Dexter descobre-se a si próprio. Numa consulta com o psicólogo, Dexter faz de paciente, utilizando o Dexter - 5psicólogo como meio para descobrir-se a si próprio. A descoberta traz informações interessantes, como a presença de um rapaz, de três anos de idade, mais coisa menos coisa, envolvido em sangue. Esquisito, não? Também serviu para Dexter se abrir com Rita. Rita aprontou-se para Dexter, Dexter teve a aprontar-se para Rita. Mas lá decorreu o que era há muito esperado.

Para acabar, Dexter faz de médico, e acaba com o mal que assola o mundo. Desta vez é o próprio psicólogo que o curou que sofre as consequências. Dexter ganha outra lâmina e ajuda a sociedade de Miami. Mas perde o seu ajudante. Sentirá falta?

Foi um episódio pouco mexido? Foi. Foi um episódio normal de Dexter? Foi. Mas o final preencheu o resto do episódio. E é o que chega.

Nota: 9,2


Dexter (1.07) – Circle of Friends [FOX PT]

Julho 15, 2009

Dexter 2Primeiro, pedir desculpa a todos os que lêem estes reviews diários pelo atraso de 4 reviews. Apesar de adorar Dexter, de adorar séries, existem coisas mais importantes, como o estudo, e com o aproximar do exame de Biologia, o tempo para conciliar os dois foi escasso. Dexter é a prioridade, pois já são quatro em atraso, mas para vocês verem, tenho aqui 42 episódios para ver, resultado da acumulação desta semana. Mas estes ficam na prateleira, pois agora o que interessa é Dexter.

E, sendo o que é importante é Dexter, vamos lá falar do sétimo episódio da temporada. Menos mexido que o anterior, o episódio trás alguns desenvolvimentos, e gira principalmente em três frentes: ITK, Rita e Jeremy. Depois temos um aperitivo, que já vou lá.

Começando pelo ITK. Esta parte do episódio resume-se a um diálogo – Dexter: Hi. ITK (?): What fuck are you? É isto que resume o episódio. A vida de Dexter estava torta (a câmara representa isso) após ser apanhado o melhor suspeito pelo ITK. Mas tudo volta ao normal quando Dexter visita o suspeito, a antiga testemunha para Deb, e descobre que ele não sabe da existência da sua vida, das suas actividades de justiceiro nocturno. Mas qual será a importância para a série este erro. Primeiro abre uma série de questões. Como é possível conhecer todas aquelas informações, que não tinham sido divulgadas para a imprensa. Segundo, terá sido ele mesmo a colocar aquele corpo perto de sua casa. E terceiro, e ainda mais interessante: Dexter começa a ver que a sua vida não é aquele que ele imaginava. Levou um abanão ao saber que o seu companheiro estava preso. Um erro de percurso.

Quanto a Rita, o regresso do (ex)-marido de Rita começa a causar problemas. Ele tenta entrar na sua antiga vida a força, como nada se tivesse passado, e se mudou, não foi muito. Continua com hábitos nada saudáveis, mas parece que as acções já estão um pouco melhor. Ao assinar os papéis, terá Rita livrado dele. Não percam o próximo episódio.

Continuando, que isto já está longo. Dexter arranja um novo problema. Jeremy não cumpre o prometido, e volta a matar. Problema para ele? Não, pois Jeremy arranja a solução para os problemas e mata-se. Mas Dexter não o tratou como devia, como Harry o tratou. Outra questão que virá daqui é se Dexter sofrerá repercussões daqui? Não se sabe.

Por último, o aperitivo é o namoro já esperado entre Deb e o médico. Um pormenorzinho.

Nota: 8,6


Som e Fúria – Primeira Semana (1.01-1.04)

Julho 15, 2009

dante-felipe-camargo

Quando vi, na semana passada, o anúncio da minissérie “Som & Fúria”, já sabia que teria um novo programa de qualidade para ver no canal aberto brasileiro — afinal, sabe-se que as melhores produções da Rede Globo são, justamente, as minisséries. E depois, quando percebi que era um projeto desenvolvido pelo diretor Fernando Meirelles, que dirige alguns episódios da série, percebi que além de uma minissérie de qualidade, a produção era simplesmente imperdível.

Foi assim que acompanhei a estreia de “Som & Fúria”, na última terça-feira, com a expectativa alta, e não me decepcionei. Adaptada por Fernando Meirelles a partir de uma série de tv canadense premiadíssima — chamada “Slings and Arrows” —, a comédia conta a história de Dante (Felipe Camargo), um diretor de teatro decadente, considerado louco por muitos, e expulso do próprio espaço onde ensaiava com sua trupe de atores, por não pagar o aluguel do lugar.

Quando tudo parecia o fim, ou como Dante gostaria de dizer “quando o fio estava prestes a se partir”, a morte de seu ex-rival, o famoso diretor de teatro Oliveira (Pedro Paulo Rangel) lhe trás tudo o que ele menos gostaria de receber naquele momento: o título de Diretor Artístico Interino do Teatro Municipal, que no programa é palco de peças enfadonhas, pouco criativas, voltadas apenas para afagar o ego de seus diretores e atores e, é claro, trazer imensos lucros aos seus investidores.

Contra sua vontade, Dante assume o teatro e precisa, como primeira tarefa, escolher quem substituirá Oliveira na direção da próxima adaptação de Hamlet. Eis então que surge mais um personagem do passado, mais um homem detestado por Dante, Oswald Thomas (Antonio Fragoso), um homem afetado e altamente influenciado pela cultura norte-americana e hollywoodiana, baby, mandando e desmandando em Hamlet, o transformando em um grande show pirotécnico, algo que faria o próprio Shakespeare se revirar no túmulo.

Além de Oswald, Dante encontra ainda outros fantasmas de seu passado. Primeiro, seu ex-amor de juventude, muito malresolvido por sinal, Elen, viviva por Andréa Beltrão, uma atriz que integra o elenco de Hamlet; e, literalmente, um outro fantasma, o espírito de Oliveira, que faz aparições sempre divertidas, questionando a vida após a morte e colocando um sempre irritado Dante em situações delicadas, que só fazem aumentar os rumores de sua insanidade.

Outros personagens também tornam o roteiro de “Som & Fúria” ainda mais completo. Como Jaques (Daniel Oliveira), um galã de TV com pouco talento, que decide fazer teatro para ganhar mais status em sua profissão, mas que acaba encontrando um novo motivo para embarcar em Hamlet, quando começa a se envolver com Kátia (Maria Flor), uma atriz ainda nova na profissão, em busca de sua grande chance. Ou mesmo os “vilões” da trama: Graça (Regina Cazé) e Ricardo (Dan Stulbach), que ambicionam assumir a diretoria da Companhia para montagem espetáculos da Broadway no lugar das peças clássicas da antiguidade.

E é assim que “Som & Fúria” se desenvolve, sempre abusando do humor com um texto inteligente e explorando ao máximo a potencialidade de seus atores — Felipe Camargo está imperdível como Dante. Até mesmo nos aspectos técnicos a série está no nível das produções norte-americanas, com excelente direção, fotografia, trilha sonora e edição.

E para os mais atentos, há ainda algumas surpresas: nessa primeira semana, vimos a divertidíssima participação da dupla de “Tangos e Tragédias”, que cantam o tema de abertura da minissérie, como os sujeitos encarregados de preparar o corpo de Oliveira para o enterro. Além disso, o próprio Fernando Meirelles fez uma pequena aparição, como figurante, na cena em que Dante decide contratar Oswald Thomas para dirigir Hamlet. E o famoso “casal” das antigas propagandas da Brastemp fazem também dois atores, que ironizam tudo o que veem acontecer ao seu redor.

E vem mais por aí, no site oficial da produção, podemos ver que ainda devem aparecer na série Rodrigo Santoro (Lost, 300) e a atriz conhecida das novelas brasileiras, Débora Falabella. Será que eles vão aparecer na segunda semana? Será que Jaques se sairá bem como Hamlet? Será que a estreia será um sucesso? É o que vamos descobrir nessa segunda semana de “Som & Fúria”. Aguardem os comentários dos próximos episódios.

Nota: 9.8