Saiba quando o AXN estreia FlashForward!

Setembro 3, 2009

Sem títuloOntem, depois de ter publicado o artigo com vídeos promocionais de FlashFoward, recebi um comentário a perguntar se sabia de alguma coisa sobre a publicidade da série da ABC no AXN.

Depois de ter investigado o assunto, descobri que a série vai estrear no AXN de Espanha no dia 5 de Outubro. Tendo em conta que a programação de lá e a portuguesa é praticamente igual, acho que é seguro dizer que a série também vai chegar a Portugal mais ou menos nessa data.

Ainda sem qualquer confirmação oficial, a verdade é que se isso for verdade, o AXN está mesmo de parabéns. Depois da RTP ter trazido ’24: Redemption’ com apenas três dias de diferença da exibição americana, quem sabe o AXN também não consiga fazer isso com uma ou duas semanas depois da exibição original!

FlashForward estreia no dia 24 de Setembro nos Estados Unidos e terá reviews semanais feitos por mim.

Actualização: Segundo o site da Cabovisão, FlashForward estreia no AXN Portugal a 7 de Outubro pelas 22h26.


Duelo de Séries: Buffy ou True Blood?

Setembro 3, 2009

Untitled-1Existem séries que simplesmente não se livram de uma certa comparação devido aos temas que exploram. ‘Buffy, the Vampire Slayer’ e ‘True Blood’ abordam o tema do vampirismo de formas completamente diferentes, mas ambas respeitam ao máximo o mito do vampiro, com (quase) todas aquelas regras como a permissão para entrar em casa e proibição de estar exposto ao sol.

Buffy, the Vampire Slayer‘ foi criada em 1997 por Joss Whedon e é protagonizada por Sarah Michelle Gellar. Buffy Summers é uma jovem que acaba de se mudar para Sunnydale, local onde submerge a Boca do Inferno, e que terá que lutar contra os vampiros e as forças do mal. Composta por sete temporadas e 144 episódios, ‘Buffy, the Vampire Slayer’ tem um universo fantástico, cheio de humor e drama, de excelentes personagens e um elenco competente.

Por outro lado, ‘True Blood‘ é muito mais recente, tendo estreado apenas o ano passado. Alan Ball, o mesmo criador de ‘Six Feet Under’, adaptou os livros de Charlaine Harris para a televisão e está a fazer um trabalho excelente. Anna Paquin, vencedora de um Óscar ainda em criança, interpreta Sookie, uma empregada de mesa telepata que se apaixona por um vampiro chamado Bill. Cheia de piadas inteligentes por parte de personagens como o Jason e de grandes momentos de verdadeiro sangue, ‘True Blood’ torna-se indispensável para os fãs deste género.

Eu estou na metade da última temporada de Buffy e a acompanhar a exibição americana de True Blood, logo consigo ter a minha opinião sobre este duelo. True Blood consegue criar um universo vampírico com mais pormenores (como a virgindade da Jessica) e muito mais obscuro que o de Buffy, mas ambas as séries conseguem explorar muito bem este tema muitas vezes estragados em outras produções como ‘Twilight’ e, provavelmente, em ‘The Vampire Diaries’.

E vocês, qual é a vossa série sobre vampiros favorita? Votem na sondagem!

[poll id=”71″]


FOX Life sofre mudanças de visual

Setembro 3, 2009

FOX Life - Logotipo Novo - MAGENTAA partir de dia 05 de Setembro identifique-se com a nova imagem e dinâmica gráfica do canal FOX Life: novas cores, novos padrões, novas texturas e até mesmo novos sons. Uma nova imagem – criativa, inteligente e inspiradora – que pretende homenagear a diversidade, o ritmo da vida contemporânea e os pequenos detalhes que enriquecem o nosso quotidiano.

Balões, berlindes, botões, chapéus-de-chuva e novelos são alguns dos elementos que vão dar corpo à nova imagem da FOX Life. As séries serão “catalogadas” de acordo com cinco géneros – comédia, drama, glam, lifestyle e mistério – sendo esta materialização feita através de diferentes jogos de cores, luzes e elementos. Também os separadores e outros elementos de continuidade terão uma imagem gráfica característica. A partir de Domingo, fique atento.

Ao nível da programação, o canal estreia três novas séries em Setembro: ‘As Taras de Tara’ e ‘Maravilhosos Subúrbios’, ambas no Domingo, dia 06, e ‘Cupido’, no dia 15 de Setembro. Para este mês estão também reservadas as estreias das últimas temporadas de ‘Eli Stone’ (2.ª) e de ‘The L-Word’ (6.ª), nos dias 15 e 17, respectivamente.

Informação enviada pelo grupo FIC.


Terminator: TSCC pode ganhar filme!

Setembro 3, 2009

dekker-440x301Thomas Dekker admitiu que ‘Terminator: The Sarah Connor Chronicles’ pode voltar no formato de um filme.

O actor de 21 anos, que interpretou John Connor na série da FOX baseada nos filmes de sucesso, disse que ele está esperançoso que o programa seja ressuscitado como um filme.

Ele disse ao TVaddict.com: “Nós falámos sobre fazer um filme para TV. Bem… não é bem um filme para TV, mas sim um filme para ser lançado directamente em DVD. Obviamente que isso é difícil porque a série é baseada num filme e eles acabaram de lançar um, por isso é um bocado mau porque dá a transparência que toda a gente esqueceu-se da gente e lembra-se é do filme.

Dekker, contudo, disse que tanto eles (elenco) como o produtor James Middleton estão esperançosos. Resta esperar para ver o que acontece. Por um lado, acho difícil isso acontecer por causa do fraco nível de audiências que a série teve. Por outro, a FOX já teve um exemplo com ‘Serenity’ de que fazer filmes de séries canceladas pode ser uma boa aposta.

E vocês, o que acham dessa ideia? Seria bom para terminar as histórias que ficaram em aberto nos últimos minutos da segunda e última temporada, certo?


Glee (1.01) – Pilot

Setembro 3, 2009

glee11

Com muito prazer inicio mais um review aqui no Portal. Confesso que quando começei a procurar sobre Glee, três coisas me deixaram preocupadas: o tema, o criador e a comparação. Quanto ao tema, retrata um coral excêntrico em um colégio público norte-americano. Quanto ao criador, Ryan Murphy, criador da antiga Popular(também sobre o high school universe) e da atual Nip/Tuck(série bizarra sobre o cotidiano de dois cirurgiões plásticos). Quanto as comparações: junte a dança, a cantoria e o universo High School. O que passa na sua mente?? Seria Glee uma versão transformadamente excêntrica de High School Musical, o megahit do Disney Channel?! Roupas vermelhas, um garoto que é esportista e ama cantar, os amigos que vão contra seu sonho, a garota que persegue a todo custo o doce sabor do reconhecimento e da fama. Tudo isto a olhos comuns faz Glee parecer-se com muito que já foi produzido, não somente com HSM. Porém Glee talvez venha a surpreender muitos com seu formato diferente e por que não único. Poucos criadores de série conseguem trabalhar num tema já comum e transformá-lo de maneira peculiar em algo que pode sim fazer diferença na próxima fall-season. Por trás das músicas, coreografias e citações modernas, Glee mostra um universo decadente, de pessoas que a todo custo tentam chamar atenção e se destacar. E quando um protagonista que parece ser perfeito e sem problemas diz que todos ali no colégio são LOSERS, já conseguimos ver qual o propósito de criar tal história.

Vamos pensar além das comparações e frases prontas. Deixo claro que darei uma grande chance para Glee me conquistar cada vez mais, assim como conquistou com sua estréia. Ryan Murphy a seu modo, deixa registrado em seus trabalhos sua visão crítica sobre a sociedade americana, por vezes de forma simples como em Popular, explícita como em Nip/Tuck e sútil como em Glee. Brilhantemente o até então desconhecido elenco, trouxe uma particularidade diferente a série, pois essa mesma característica faz tudo soar de forma mais natural, sem aquela ofuscação do rostinho perfeito dos protagonistas. Com um elenco carismático, roteiro atual e divertido, interações interessantes entre personagens, que mesmo sendo tão diferentes compartilhar um mesmo sonho: O amor pela música. Como fã incondicional de musicais e dança no geral(não que eu saiba fazer ambos, confesso), vejo que esse gênero comumente veem a agradar mais o público feminino. Mas adianto, não veja Glee somente como um musical, pois atrás daquele palco existe uma idéia interessante e que tem tudo para dar certo através do direcionamento correto. Torço para que não a superestimem devido ao marketing excessivo, pois ela tem potencial para tornar-se uma das maiores surpresas da televisão nos últimos tempos. Posso estar exagerando mas esses são os votos de uma fã incondicional do gênero.

Falando agora propriamente do piloto, consegui sentir empatia pelos protagonistas, algo que geralmente não costumo fazer, ainda mais tratando-se do garoto popular jogador de futebol americano e da estranha garota que busca freneticamente a fama. Neste aspecto, por mais clichê que os dois pareçam ser, eles conseguem expressar nitidamente aquela boa impressão inicial de suas personagens, algo que fica evidente quando ambos cantam separadamente e belissimamente quando cantam juntos. Lea Michele provavelmente faz sua estréia na televisão, pois é um jovem atriz conhecida por alguns papéis na Broadway, entre eles, no renomado musical teen vencedor de 8 Tony Awards, “Spring Awakening”, no qual uma de suas músicas(“Mama Who Bore Me”) foi cantada pelas “atrizes” de 90210 em um dos episódios da série. Dispenso apresentar os personagens, pois o Marco e o Aguerra já fizeram isto muito bem por sinal. Destaco além dos protagonistas, o importante elo com o professor de espanhol e agora tutor do Glee Club, Will e claro a fundamental a DRAMA-ticidade de Kurt, a DIVA-licidade de Mercedes, a NERD-icidade de Arty e a INTEN-sidade de Tina.

Como fazer alguém que não tem auto-confiança lutar pelo que deseja? Como colocar sua alma e sua paixão em algo, sem se importar com quem o está julgando? Como escolher uma caminho quando todos os puxam para outra direção? Como fazer sua voz ecoar na multidão? Como arrancar um sorriso, uma lágrima, um aplauso, uma vaia, um incentivo ou mesmo um puxão de orelha. Acho que essas são as lições que podemos tirar, sei que novamente posso estar equivocada para alguns. Senti e ainda sinto algo muito revigorante todo vez que escuto a versão emocionante da música “Don’t Stop Beliving” do Journey e a animadissima versão de “Rehab” da Amy Winehouse.

Confesso estou ansiosa pelo segundo episódio da série dia 16 de setembro.

100


'A Filosofia Segundo Perdidos' já lançado em Portugal

Setembro 3, 2009

DSC04743Tal como a série House, Lost também teve livros relacionados com a sua série.

Escrito por Sharon M. Kaye, ‘A filosofia segundo Perdidos’ é uma reflexão sobre a condição humana, a perda e o amor tendo em conta uma visão dos sobreviventes do voo 815 da Oceanic e aquilo que eles viveram.

O livro foi lançado em Portugal pela editora Estrela Polar e está disponível para venda no site da Wook. Pode comprar o mesmo ao clicar nesse link.

O Portal de Séries fará um passatempo em breve que sorteará quatro exemplares do mesmo. Fiquem atentos!

.


10 Things I Hate About You (1.09) – You Gotta Fight For Your Right To Party

Setembro 3, 2009

snapshot20090902015422

Liberdade e Responsabilidade. Dois temas fortemente discutidos em mais um excelente episódio. Sempre de forma inusitada, a série acaba nos surpreendendo, porém o grande destaque vai novamente para as atuações, que variaram do dramático, cômico e esbarram nas limitações de cada um. Creio que o sonho de todo filho adolescente é ter a casa somente para si, sendo assim com as irmãs Strafford não poderia ser diferente, afinal com um pai super-protetor e rigído daqueles, todo filho merece um pouco de liberdade. Assim, vemos o Dad sair de casa rumo a uma Conferência.

Little Wannabe Popular aposta alto na busca do estrelado, convocando suas amigas para uma “noite de karaokê”. Hilário quando a Big Cactus prevê quem entrará pela porta logo em seguida (sim , eram os caras do time de futebol). Tentando cumprir o papel de Big Sis,  ela tenta impor normas de conduta dentro de casa, a exemplo do sistema de coleta de lixo e as faixas de pulso com frases recriminativas.  Todos parecem estar se divertindo, porém o álcool começa a fazer efeito na garotada. Essa festa foi recheada de momentos inusitados, como a briga do Empty Head Joey e a Chaticiti Ice Cold Bitch. Quando este vê sua namorada se atirando em cima dos caras mais velhos, podemos perceber que existe algo que pulsa dentro dele, fazendo- o “vomitar” quase tudo que não aprova nela.  Só está a crescer o número de estrelinhas pro Nice Guy, que desesperadamente tenta conquistar o perdão de Bianca, porém acaba se embreagando na até então inofensiva melancia. Todos dizem que dependendo do teor álcoolico de seu corpo, podemos manifestar sentimentos e tomar atitudes que normalmente não tomariamos, puramente por falta de coragem. Sendo assim, o momento “And I….Will alwayssss love youuuuu” acontece.  Bianca responde o que já era esperado: um Big  Blaster Super Duper NO. A única coisa que não concordei muito  foi colocar essa declaração e logo em seguida, o singelo e tímido beijo entre o Mr. Empty Head e a Little Wannabe.

Continuando as desventuras amorosas do Not Soooo Sweet Couple, vemos que Mr. Intensite tenta concertar a situação deixada no último episódio, porém sem muito sucesso acaba sendo acusado de comunista chinês pela Big Cactus. Novamente esse casal surpreende com seus diálogos bem estruturados, evidenciado numa pontual frase de Patrick a Kat: ”  Perfect world, all perfect by your perfect-self”. Assim vemos que Kat tem seus “issues” para lidar porém seu orgulho a cega. Nitidamente alterada, tenta focar sua energia em algo que possa controlar, ou seja, o boicote a festa. Num liga e desliga da energia, acaba tendo outro momento da verdade, desta vez com sua Little Sis, que diz You act like you’re perfect. Cansada de ouvir a palavra “P”, nossa Little Miss “Perfect” resolve soltar os espinhos e estravasar, digamos que até demais. Eis que surge um momento ilustre, nitidamente colocado para referenciar o filme de 1999: Kat perfomática de calcinha e camiseta masculina, totalmente embreagada entertendo os convidados. A cena seguinte entre Ms. “P “e Mr. Nice foi bem graciosa, quando ele pergunta o que fazer para que Bianca o perdoe e a Big Sis diz pra ele comprar algo que brilhe. Little Sis além de lidar com o descontrole da festa, começa a se preocupar com o estado de sua irmã e num ato desesperado bola um plano junto Mr. Empty Head, inventando algo sobre doenças contagiosas para espantar todos da festa. Vítima de sua própria cilada, a pequena tem que assumir pela primeira vez a responsabilidade pelos seus atos e ao fazer isso mostra que apesar da pouca idade, consegue organizar tudo novamente, ambientando sua casa como ela originalmente.

Agora nem preciso dizer que a melhor cena ficou para o final, quando o pai chega em casa com um dvd de um filme bem legal para eles assisstirem chamado “House Party“. Sem dúvida o castigo vai ser bem elaborado, pois liberdade demais acaba tendo um preço, que as vezes é muito caro para se pagar.

Nota: 9,4