So You Think You Can Dance (6.02) – Auditions: Phoenix

Setembro 19, 2009

so-you-think-you-can-dance-vegas-top-20-performCinco Verões. Cinco Temporadas. Cinco Campeões (Nick, Benji, Sabra, Joshua e Jeanine). Agora… O programa tem sua estréia no fall-season, no qual ficará daqui em diante por definitivo, espero que possamos ver ainda muitas e muitas temporadas desse incrível espetáculo de dança, arte e entertenimento. Desde 2006 acompanho o programa e posso disser que é um imenso prazer agora ganhar essa responsabilidade ao escrever os reviews semanalmente e outro imenso orgulho foi, depois de tanto comentar sobre, o Marco resolveu assistir e acredito que tenha realmente gostado do que viu.  Tradicionalmente tudo começa com as audições, que desta vez estão nas cidades: Los Angeles, Salt Lake City, New Orleans, Atlanta, Boston e Phoenix. A partir dessas, conheceremos os competidores que conseguiram um ticket para a exaustiva “Vegas Week”, local onde os jurados definirão os tão aguardados Top 20.

Realmente estou sentindo falta de algo nestas audições, algo que preenda meus olhos na tela e me deixe maravilhada com aquilo que vejo. Quando um programa desde estilo chega a sua sexta temporada, algo de muito revelante tem de ser considerado, ainda mais contando com a mudança na estrutura original do programa. É inevitável que com o passar dos anos ficamos surpreendidos com os impressionantes talentos, que por vezes fico a pensar: ” Será que ainda existirão dançarinos bons a altura dos que já passaram?  Por enquanto não tive esse momento ainda e particularmente acho que com esses dois episódios que foram ao ar, parecem só haver boas dançarinas e os rapazes ainda não conseguiram representar, considerando claro, poucas excessões.

A Hora do Pesadelo

Diferente de Los Angeles, Phoenix conseguiu reunir uma grande leva de apresentações engraçadas porém medíocres e vergonhosas que resultaram num esgotamento para Nigel, que pela primeira vez retirou-se do banco de jurados. A dupla dinâmica, Biggie & Shorty podem não fazer parte totalmente do quadro “A Hora do Pesadelo”, porém tornam-se caricaturas deles próprios devido a sua forte e carismática personalidade. Mesmo conseguindo uma vaga na coreografia, para assim tentar provar algo, eles sucumbem a pressão e são facilmente eliminados. Outro personagem a aparecer foi Jonathan, uma versão muito magra e muito a desejar do Sayid de Lost. Este cômico competidor trouxe o DISCO para os palcos numa interativa apresentação que teve como resultado um retrato de Mary. Se acharam que de tudo já havia aparecido, eis que surge Brandon e Nicole, vulgo Frankstein e sua Esposa. Sem dúvida esta categoria arrancou risos e gargalhadas, porém continuam a não acrescentar muito as audições em Phoenix.

snapshot20090919132815

snapshot20090919140045

Lições de vida

Novamente nos deparamos com pessoas que superam todas as dificuldades e por vezes limitações físicas para então almejar aquilo que tantam amam. Allison é um exemplo claro disso, pois logo aos primeiros meses de vida foi diagnosticada com Meningite Espinhal, uma espécie de inflamação das membranas de proteção que envolvem o cérebro e a medula espinhal, sendo assim possui problemas para se comunicar e consequentemente tem sua audição prejudicada. Interessante foi vê-la a dançar, nitidamente a música chega aos seus ouvidos de forma diferente, porém ela conseguiu expressar-se na dança de uma maneira tão particular que acabou por surpreender a todos, garantindo mais uma oportunidade na coreografia. Apesar de alguns problemas com suas extensões (pernas e braços dobrados demais), ela apresenta grande potencial e será interessante vê-la em Vegas.

snapshot20090919133403

snapshot20090919133853

O rei do grito: Excitação ao extremo

Somente uma definição me vêem a cabeça quando me lembro dessa figura chamada Jarvins Johnson. Dono de uma  hiperatividade que foge aos padrões normais de um ser humano, facilmente perceptível na dificuldade tremenda que ele tem em se comunicar com os outros, pois estando em constante estado de euforia, acaba por perder o controle sobre suas emoções. Mostra definitivamente que é de outro planeta ao apresentar sua “dança” aos jurados. Através de sua personalidade caricata e de certa forma encantadora, ele consegue uma vaga na coreografia, porém sua euforia traz problemas em sua saúde física e também psicológica, fazendo-o ter um colapso nervoso e respiratório. Abaixo segue o vídeo deste verdadeiro “King of Scream“, pois se temos a Mary como a “Queen of Scream“, Jarvins sem dúvida ocupa a categoria masculina.


A Hora do Show

Digamos que as melhores apresentações foram mais do que satisfatórias, considerando o baixo nível dos competidores em Phoenix. Começando com Sasha, que tenta pela segunda vez no programa e mostrasse muito emocionada com a presença de seus parentes no teste. Com o uso da cadeira, mostra uma boa coreografia, com expressiva técnica que pode ser muito mais desenvolvida. A única apresentação de casais mostrada em Phoenix, mostra um surpreendente casal que foge aos padrões, pois vemos dois caras a dançar juntos. Diferente do casal da temporada passada que impactaram os jurados de forma negativa, Willem e Jacob mostram excelente técnica e movimentos precisos na arte da “Dança de Salão“, mesmo sendo estranho de olhar, são deles a apresentação mais consistente desta audição e sem dúvida mereciam mostrar suas habilidades na coreografia e assim conquistarem ambos o ticket para Vegas.Estava faltando um B’boy que representasse a categoria e parece que Jonathan “Legacy” veio fazer jus ao seu apelido. Insamente deixa os jurados intusiasmados e curiosos com sua incrível presença e maturidade ao dançar, sem contar com os arriscados movimentos somente com uma mão.

snapshot20090919134041

snapshot20090919144611

Agora resta esperar que Boston consiga trazer o Heat Heat que Phoenix deixou a desejar.

Anúncios

Fringe (2.01) – A New Day in the Old Town

Setembro 19, 2009

snapshot20090919143444They’re called Fringe Division. FBI Agent Olivia Dunham, Peter Bishop, his father, Dr. Walter Bishop… They’re investigating strange cases which have led them to Walter’s former lab partner, Dr. William Bell.

Depois de vários meses de espera após termos visto Olivia ir para uma realidade paralela em que as Torres Gémeas ainda estavam de pé, Fringe regressa com um episódio bem decente. Tal como já se previra anteriormente, não tivemos a continuação da conversa entre a Agente e o William Bell, mas não deixou de ser curioso que nem Olivia se lembra do que aconteceu. Ela é expelida, literalmente, do carro em que estava quando teve o acidente e volta à realidade normal. Não deu para perceber se Walter fez alguma coisa para fazê-la voltar ou foi alguém do outro mundo, mas a verdade é que as condições em que ela retornou não são nada favoráveis. Além da perda de memória que já mencionei acima, ela esteve à beira da morte, mas lá conseguiu sobreviver. Não sei o que a equipa de produção pretende com aquelas palavras gregas que ela disse, mas espero que haja uma explicação coerente no facto da mãe do Peter dizer isso quando ele era pequeno.

Entretanto, conhecemos um soldado metamorfo que certamente irá ter um papel importante nesta temporada. Segundo Olivia, todas as vidas deste mundo estão em risco e esse soldado tem alguma coisa a haver com isso, pois ele quer eliminá-la devido ao encontro que ela teve com William Bell. O que quer que seja que o criador da Massive Dynamics disse, é algo grandioso e que mudará o rumo da história, e não me parece que ele seja o mau da fita nesta série. Existe algo muito mais perigoso a andar à solta e esse soldado é apenas uma parte disso.

Também conhecemos uma nova agente do FBI, que deve substituir Charlie (o actor Kirk Acevedo foi despedido, logo ele não deve durar muito mais tempo). Confesso que gostei bastante da personagem, apesar da sua introdução ser um pouco repentina. Também gostei de ver a Astrid um pouco mais activa do que antes, acho a actriz tão carismática que é uma pena não haver mais cenas dedicadas a ela. O Walter continua sempre muito divertido, e se no início algumas piadas soavam demasiadamente forçadas, agora tudo sai tão naturalmente. O facto de ele querer festejar o aniversário de Peter com toda a força tem a ver com a vida do filho, visto que supostamente ele já estaria morto noutra realidade, como vimos no episódio final da primeira temporada. As histórias estão lançadas e espero mesmo que esta temporada consiga superar a já boa primeira temporada. Se tudo se caminhar desta forma, teremos de certeza um grande produto televisivo este ano. Caso contrário, será a maior decepção da fall season americana!

78