House (6.01/02) – Broken

House7They didn’t break me, I am broken.

House está de volta. Após uma quinta temporada que deixou muito a desejar, o regresso trouxe de novo um House que conhecemos. Num episódio muito bem construído, não vimos casos, não vimos pacientes, vimos uma pessoa: House. One man show.

Não vinha com muitas esperanças para este episódio. Primeiro por causa do tempo, pois não estava a ver-me 90 minutos pregado ao computador com House preso num e a um hospital psiquiátrico. Segundo porque não estava a ver House, como série, aguentar 90 minutos sem um paciente, sem um caso, sem um puzzle para o protagonista resolver. Redondamente enganei-me. E ainda bem que isso aconteceu. Pois foram 90 minutos muito bem gastos, com um episódio que me deixou preso ao computador. Pois não foi um episódio de House, foi um episódio sobre House.

House, desde a primeira temporada, pouco modificou. Teve alguns momentos que tinha mudanças, mas estas eram logo retiradas, voltava-se ao mesmo House. Até que este House atingiu o limite. Precisava-se de um novo House, de alguém mais fresco. Foi para isto que o episódio serviu. Para mostra um House diferente, um House mais verdadeiro. Pois o House do final do episódio sempre existiu. O que era é que estava sobreposto por outro House.

E é este “outro House” que vemos na primeira parte do episódio. Sim, um House em mudança, mas não em mudança do que interessa. Para quem interessa que House tome medicamentos? A consequência dos medicamentos é que mantinha a série interessante. Ou seja, na primeira parte não vemos um House diferente da 5ª temporada. É o mesmo House, só que sem medicamentos. Um House que atormenta o resto das pessoas, que não se enfrenta a si próprio. Um excelente exemplo disso é o jogo de basquetebol, no qual ele elimina todos os seus adversários usando a sua desumanidade. É um House solitário, um House “bad boy”, que não se deixa vencer pelo sistema, mas sim contorna-o para seu proveito.House3

Foi a parte mais divertida do episódio. Vimos um House sempre imaginativo, que não pára de atormentar a clínica onde está, contra a sua vontade. Vemos um House engenhoso, um House que não se preocupa quantas pessoas tem de magoar para sair da sua prisão. Vemos um House que faz de tudo para se libertar. Mas a consciência é algo que, apesar de estar bem escondida em House, está lá. E num destes “brilhantes” planos de House que tudo se volta contra ele. A consciência aparece mais que nunca, e começamos a ver um House diferente, um House que percebe que não poderá viver assim. Um House totalmente distinto.

A partir daí vemos um House mais cooperante, mais humano. Um House novo. Começa a ajudar, mas continuamos a não perder o House antigo. House, para viver, precisa de puzzles para resolver. E começa, intuitivamente, a arranja-los no hospital psiquiátrico. Tenta começar a corrigir o incorrigível. Mas é só quando dá conta do erro que consegue corrigir. O House antigo não resolveria aquele problema porque nunca iria pedir desculpa. Outra mudança para melhor.

Para além disso, vemos um House sem medo de assumir relacionamentos. E sofrer com a quebra de relações pessoais. Um sinal poderá sair daqui para a relação House-Cuddy. House está mais social, mais romântico, propicio a mais e melhores relacionamentos. Vamos ver o que sai daqui.House2

Para acabar, é interessante reflectir sobre o companheiro de quarto de House. O seu compincha dentro do hospital é igual a House, antes da saída do hospital. Pois ambos têm medo de mudanças. Pois ambos têm medo que se mudarem um aspecto, nem que seja pequeno (ou seja, começar a tomar medicamentos), na sua vida perderão o seu dom. Ambos têm medo de perder aquilo em que são bons. E ambos concluem que não poderão ficar pior do que estavam. Foi o ponto de partida para ambos. House percebe que não poderá viver sem mudança.

Antes de fechar, falar de Hugh Laurie. Com um episódio destes, Hugh pode brilhar. Uma dádiva na representação. Para quem quiser seguir teatro deverá ver estes 90 minutos do actor britânico. Também foi um One Man Show em termos de representação.

Foi um episódio que deixou água na boca para esta sexta temporada. As audiências corresponderam. Pois foi um episódio de House e não de House MD. A abertura começa por dizer isso, mas nós vamos percebendo ao longo do episódio.

93

0 respostas a House (6.01/02) – Broken

  1. Sérgio diz:

    Um pequeno reparo era o episódio 1 e 2, se não me engano. Também a mim este episódio encheu as medidas, por vezes lento mas com drama e intrepertações fantasticas, Hugh laurie no seu melhor. O facto do colega de quarto, no fim ter começado a tomar a medicação seguindo o exemplo do House, deixa claro que podemos ter um House a resolver casos e ajudar pessoas sem o Vicodin.
    Mesmo tendo sido um episódio fantástico, não era nada que eu já não esperasse, por haver uma realidade e histórias diferente do normal. E o que mais temo, é a série apartir de agora cair na mesma rotina sem grandes casos e personagens interessantes, como aconteceu na outra season.

    • Primeiro, quanto ao episódio penso que é unicamente 1. Ao contrário de Heroes, este episódio só teve um título e segundo o IMDb também o é. Mas também não tenho a certeza, e fiquei na dúvida a cataloga-lo. Quanto ao que falas, também é um medo meu que a série vire-se de novo para o caso semanal, que não traz nada. Este episódio foi uma excelente quebra na rotina, esperemos que hajam algumas durante a série, e que sejam bem mais regulares que na temporada passada.

  2. DMM diz:

    Este é o episódio pelo que esperei 5 anos…
    Um episódio sem casos médicos em que se aborda as personagens.

  3. Andre diz:

    Dizerem k 5ª temporada deixou a desejar… poupem-me.. foi só das melhores senão mesmo a melhor

  4. Calado diz:

    Aqueles 2 primeiros minutos do episódio são completamente de arrepiar. Que cenas bem feitas.
    E o companheiro de quarto do House. LOL. Magnifico.
    Gostei também do médico do hospital. Grandes confrontos com House. Grande desenvolvimento. Grandes diálogos.
    Aquele show de talentos fez me rir sem parar.
    E ver House tão sentimental foi muito bom.
    Este episódio podia ser perfeitamente um pilot de uma nova série ou um filme a estrear no cinema. House reenventou-se com este episódio. Devem voltar aos casos semanais se calhar já para a semana mas este episódio já valeu mesmo por muito.

  5. Adorei ja tinha saudade de assistir a House e desfrutar assim tanto de um episódio. Com a mudança de equipa a série perdeu um pc a graça para mim, mas este episódio valeu por mt, Tenho pena de para a semana os casos semanais voltarem. Por mim podiam estender a estaida no hospital por mais um ou dois episodios, mas veremos o que o novo house nos proporciona. Vou dar mais uma chance à sèrie, apesar de os casos semanais já me enjoarem um pouco, e como não gosto da possivel e mais que provavel relação house-cuddy, esse aspecto tb n contribui mt. Mas veremos o que o terceiro episodio nos reserva. Era bom voltar a ter noticias do companheiro de house. Bm review.

  6. Anónimo diz:

    oi, adorei o episodio! alguem sabe o nome da musica de encerramento?

  7. Anónimo diz:

    valeu pela dica! Muito obrigada!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: