'V' terá vida complicada?

Setembro 26, 2009

116110_0770_pre-500x333A ABC confirmou que ‘V’, uma das suas novas apostas para esta temporada, terá uma grande pausa após os primeiros quatro episódios serem exibidos.

O remake de ficção científica, protagonizado por Elizzabeth Mitchell, estreará no dia 3 de Novembro e depois dos outros três episódios serem exibidos, vai entrar numa longa pausa. Os restantes episódios dos treze inicialmente pedidos pela emissora começarão na Primavera de 2010 (em Março).

A produção da série ficou inactiva temporariamente no mês passado por razões criativas. Mais recentemente surgiu alguns rumores que dava a entender que ‘V’ iria ser cancelado e que os episódios produzidos até à data seriam utilizados como uma minissérie.

A boa notícia disso é que a Elizabeth Mitchell terá mais tempo livre e a sua participação em Lost poderá ser alongada.


Audiências: Fringe tem descalabro total!

Setembro 25, 2009

fringe-tv-image-1

Audiência de quinta-feira, 24/09/09

Quinta-feira é a noite mais competitiva da semana e quando a FOX colocou Fringe, uma série relativamente nova, nesse horário os fãs começaram a preocupar-se. E se essa preocupação já era evidente antes, agora é ainda mais quando vemos que a série chegou à casa dos cinco milhões de telespectadores.

Enquanto a FOX afoga as suas mágoas, a ABC volta a ter razões para sorrir. FlashForward e as duas primeiras horas da sexta temporada de Grey’s Anatomy conseguiram a vitória para a emissora de Lost. Na CW, Supernatural e The Vampire Diaries (a sério que esta série está a ser boa?, talvez dê uma segunda oportunidade…) demonstram ser um bloco bastante competente, o melhor de todos os dias da semana.

A CBS também estreou os seus dois grandes dramas policiais – CSI e The Mentalist – e apesar de se terem saído bem, Grey’s Anatomy conseguiu ganhá-los. Survivor Samoa continua a ter boas audiências e não desce mais que os onze milhões de telespectadores. Ainda bem, quero ver este reality show por mais alguns anos na televisão. Por fim, a NBC continua a poder festejar com o sucesso inigualável de The Office nos demos.

Time Net Show 18-49 Rating/Share Viewers (Millons)
8:00 ABC FlashForward (series premiere) 4.1/12 12.41
CBS Survivor: Samoa 3.7/11 11.87
FOX Bones 2..7/8 8.80
NBC SNL Weekend Update Thursday 1.8/5 4.66
CW The Vampire Diaries 1.7/5 3.81
8:30 NBC Parks & Recreation 1.8/5 4.22
9:00 FOX Fringe 2.3/6 5.85
ABC Grey’s Anatomy (season premiere) 6.6/17 17.06
CBS CSI (season premiere) 4.1/10 15.72
NBC The Office 3.8/10 7.33
CW Supernatural 1.2/3 2.62
9:30 NBC Community 2.8/7 5.36
10:00 ABC Grey’s Anatomy (season premiere) 6.7/18 16.52
CBS The Mentalist (season premiere) 3.4/9 14.33
NBC The Jay Leno Show 1.7/5 4.99

Fonte: TVbytheNumbers


Greek (3.04) – High & Dry

Setembro 24, 2009

snapshot20090923214336Apresentando uma fórmula mais literal, sem muitas analogias e citações famosas, Greek nos mostra mais um ótimo episódio, recheado de momentos inusitados. A CRU no episódio passado estava envolta as celebrações da tradicional “Undie-Run“. Neste vemos que Casey deve continuar como representante de sua casa nos assuntos sociais e culturais do campus. Por mais insuportável que Katherine seja, ela representa todo o oposto que vemos entre eles, acrescentando algo de interessante quando apareça, mas são nestes momentos que sinto faltada Evil-Frannie. A Srta. ZBZ acaba tendo que assumir responsabilidade pela “Dry Weekend”, evento que impõe 48 horas sem consumo de bebidas alcóolicas e outras substâncias ilisitas. Para mudar um pouco essa “festa”, ela propõe que as casas se envolvam mais, mudando o perfil chato que normalmente essa semana costumava ter.

Sempre fico meio com receio das aproximações entre Evan e Casey, temendo novamente toda aquela famosa enrolação, cheia de suspeitas, desconfianças e falsidades. Foi bom vê-los menos tensos um com o outro em “The Half-Naked Gun“, porém essa intensa convivência devido a “Dry Patrol” surpreendeu mais do que eu imagina, considerando claro o estado que os dois ficaram ao fim. Numa das visitas às fraternidades, os dois acabam acidentalmente comendo um brownie “batizado”, ou seja, que dava um efeito bem ALTO. Esse momento rendeu diversos diálogos engraçados, entre eles a análise da quantidade de gatos existentes na casa das ZBZ ou totalmente alegres quando Ash dá os óculos de mergulho, mas a grande cena foi a conversa no banheiro, enquanto os dois se escondiam para passar o efeito da brisa. Dizem que as vezes estando fora de si, podes descobrir seu lado mais sincero, desta forma o “Mr. Now I’m a Poor Guy” confessa que foi ele que impediu que Cappie a procura-se na festa do fim do mundo. Agora resta saber como irão abordar essa trama, que  por enquanto está bem dosada, sem aquela massante tentativa dos criadores em deixar o casal destinado finalmente junto, até por que a dinâmica C & C funciona de maneira muito peculiar e creio que só será resolvida no final da série.

Enquanto isso, Rusty vira alvo de piadas entre seus colegas-nerds, ganhando o carinhoso apelido de “Âncora” ,  batizado pelo  Dr. Hustings, que veem criticado constantemente ele por sua queda de rendimento e descuido com o curso. Comum projeto em mente, parece difícil alguém levá-lo a sério a ponto de patrociná-lo. Cappie tem ocupado o cargo de salvador da patria,assim vão  juntos  ao lançamento do livro do Dr. Lorson, conceituado profissional da área. Sutilmente e por vezes nem tanto assim, Cappie tenta apoiar seu desesperado amigo, porém as “geeks girls” parecem atrair os sentidos dele mais do que qualquer coisa. Hilário quando  se apresenta como Wang, o criador de alguma coisa mirabolantemente importante e a garota olha como aquela cara, como se tivesse pensando” Mas você não deveria ser chinês?”  Quanto a isso, os KT são sempre os primeiros a ajudar  os companheiros, nem que precisem tentar se disfarçar de nerds para isto. Dale andava afastado e reaparece neste, porém ainda está lidando com os fantasmas de suas escolhas, mas ele volta a ativa de maneira traiçoeira, convencendo o Dr. Lorson a patrocinar seu projeto, deixando Rusty frustado pois aquela seria sua grande chance de provar que ele não é um “Âncora”. Persistência pode ser motivadora as vezes e mesmo que não alcançemos os objetivos desejados, sempre podemos tirar algo de proveitoso disso, ou seja, Rusty consegue na verdade chamar a atenção de seu professor/coordenador, o Sr. Hustings, que aceita monitorá-lo em seu interessante projeto de converter dióxido de carbono em material sintético.

Tratando-se de revelações, alguns segreos “saem do armário”, a partir da visita da namorada de Grant (isso mesmo, namorada). Como é seu aniversário, seu “amor” resolver fazer uma visita. Becks novamente engraçada, rende ótimas risadas contracenando ao lado de Calvin, que vive um verdadeiro tormento com o “fator namorada” presente no quarto deles. Todos esperam pelo fatídico momento em que ele revelaria sua verdadeira identidade e assim sairia definitivamente do armário que estava guardado. A verdade acaba aparecendo num momento de impulso, mas que por fim resolvesse da melhor forma. Gostei da abordagem que deram aos dois e o possível relacionando que eles estão construindo juntos.

Melhor momento:Double Date Dobler’s” : Destaque para Becks e suas tentativas de fazer com que Calvin pareça hetero. Ela dando tapa na cara dele, fingindo ter sido enganada pelo “namorado” foi simplesmente cômico.

Pior momento: Evan tentando defender Casey quando Katherine aparece. Só quero ver o que ela irá lembrar e pensar sobre tudo que ele falou durante aquela noite.

89


Audiências: Bloco de comédia da ABC faz sucesso!

Setembro 24, 2009

abc-modern-family-590x331Audiência de quarta-feira, 23/09/09

Por esta é que não esperava. Eu sempre pensei que este bloco de comédia da ABC fosse ser um fracasso de audiências mas parece que o público decidiu dar uma nova oportunidade a este canal que, sejamos sinceros, não tem tido grandes comédias nesses anos. Modern Family e Cougar Town, juntamente com a dramédia Eastwick (que ficou um pouco abaixo das restantes) começaram as suas primeiras temporadas e prometem divertir os telespectadores.

Enquanto isso, Glee mantém-se acima dos seis milhões e meio, o que não é mau tendo em conta o demo razoável. Mercy, a nova série médica da NBC, conseguiu uma audiência bem modesta para o canal mas tal como Southland, não duvido nada que esses números desçam drasticamente nas próximas semanas. The Beautiful Life continua a mostrar ser uma fraca aposta da CW que deveria ter optado pelo muito elogiado piloto ‘Body Public’ que não virou série.

Na CBS, tivemos o regresso do bloco de comédia e ainda dos dramas policiais Criminal Minds e CSI:NY. Em questão de números, as quatro séries saíram-se com níveis de audiências normais.

Time Net Show 18-49 Rating 18-49 Share Viewers Live+SD (million)
8:00 ABC Dancing With the Stars 3.2 10 14.961
FOX So You Think You Can Dance? (premiere) 2.5 8 5.600
NBC Mercy (series premiere) 2.3 7 8.248
CBS The New Adventures of Old Christine (premiere) 2.3 7 7.683
CW America’s Next Top Model 1.3 4 2.844
8:30 CBS Gary Unmarried (premiere) 2.4 7 7.373
9:00 ABC Modern Family (series premiere) 4.3 12 12.736
CBS Criminal Minds (premiere) 4.2 11 15.417
FOX Glee 3.0 8 6.624
NBC Law & Order: SVU (premiere) 2.5 7 8.358
CW The Beautiful Life: TBL 0.5 1 1.086
9:30 ABC Cougar Town (series premiere) 4.3 11 11.438
10:00 CBS CSI:NY (premiere) 4.0 11 14.568
ABC Eastwick (series premiere) 3.0 8 8.526
NBC The Jay Leno Show 2.0 5 6.430

Fonte: TVbytheNumbers


Audiências: NCIS:LA é um sucesso!

Setembro 24, 2009

00069tz5Audiência de terça-feira, 22/09/09

A série escrita com mais telespectadores da temporada passada voltou na passada terça-feira. NCIS demonstrou estar ainda em forma e o seu spin off, onde uma das actrizes regulares é a portuguesa Daniela Ruah, também estreou muito bem. Ainda na CBS, The Good Wife, uma das novas séries mais aclamadas pela crítica, também conseguiu excelentes números.

Outra série que estreou na terça-feira foi o drama policial da ABC The Forgotten. Apesar das críticas menos positivas, nove milhões de telespectadores são suficientes para sustentar a série por enquanto. Já Melrose Place, da CW, continua a descer cada vez mais. Apesar dessa descida de Melrose, 90210 continua forte (neste momento está com a mesma audiência de Gossip Girl).

.

Time Net Show 18-49 Rating 18-49 Share Viewers Live+SD (million)
8:00 CBS NCIS (premiere) 4.4 13 19,327
FOX Hell’s Kitchen 3.2 9 6,611
ABC Dancing With the Stars 2.9 9 13,526
NBC The Biggest Loser 2.7 8 6,765
CW 90210 1.0 3 2,165
8:30 CBS NCIS (premiere) 4.8 13 20,669
ABC Dancing With the Stars 3.4 9 14,749
FOX Hell’s Kitchen 3.2 9 6,692
NBC The Biggest Loser 3.0 8 7,111
CW 90210 1.2 3 2,172
9:00 CBS NCIS: Los Angeles (series premiere) 4.4 11 18,923
ABC Dancing With the Stars 3.8 10 16,160
FOX Hell’s Kitchen 3.4 9 6,915
NBC The Biggest Loser 3.2 8 7,633
CW Melrose Place 0.8 2 1,505
9:30 CBS NCIS: Los Angeles (series premiere) 4.3 11 17,721
ABC Dancing With the Stars 3.9 10 16,285
NBC The Biggest Loser 3.5 9 8,416
FOX Hell’s Kitchen 3.5 9 7,002
CW Melrose Place 0.8 2 1,397
10:00 CBS The Good Wife (series premiere) 3.2 9 14,134
ABC the forgotten (series premiere) 2.7 7 10,144
NBC The Jay Leno Show 2.6 7 7,197
10:30 CBS The Good Wife (series premiere) 3.0 9 13,306
ABC the forgotten (series premiere) 2.4 7 8,907
NBC The Jay Leno Show 2.3 6 6,334

Fonte: TVbytheNumbers


Audiências: House em alta; Heroes cancelada?

Setembro 23, 2009

house

Audiência de segunda-feira, 21/09/09

Começou segunda-feira a grande competição das audiências com a estreia de várias séries e do reality show ‘Dancing with the Stars’. Esse mesmo reality show, que costuma ter uma excelente audiência, fechou a noite com o recorde ‘a premiere mais baixa em nove temporadas’.

Quem também não teve nada bem foi Heroes, que teve seis milhões de telespectadores de média. O facto da audiência ter descido do episódio 4.01 para o 4.02 não é bom sinal e a tendência é essa mesma ao longo da temporada. Heroes conseguiu uma média nesta premiere mais baixa do que a média de Chuck durante a temporada passada, o que pode ditar o cancelamento da série, ainda para mais quando os custos de produção são altíssimos.

O bloco de comédia da CBS esteve muito bem, principalmente ‘The Big Bang Theory’, que foi a única que além de ter uma boa audiência, conseguiu subir em relação à temporada passada. Castle, da ABC, conseguiu reter uma boa parte da audiência de ‘Dancing with the Stars’, mas mesmo assim não deve ser o pretendido pelo canal do alfabeto. Destaque ainda para One Tree Hill que continua a ter audiências bem sólidas apesar da concorrência. Se continuar assim, não duvido nada que a série ganhe oitava temporada. Já Gossip Girl precisa de se preocupar, pois ao segundo episódio está quase na casa dos 1 milhão.
.

Time Net Show 18-49 Rating/Share Viewers (Millons)
8:00 FOX House 6.2/16 15.76
ABC Dancing With the Stars 4.0/10 17.43
CBS How I Met Your Mother 3.5/9 9.22
NBC Heroes 2.8/7 6.27
CW One Tree Hill 1.2/3 2.48
8:30 CBS Accidentally on Purpose 3.2/8 8.99
9:00 FOX House 6.9/16 17.25
CBS Two and a Half Men 4.4/10 13.59
ABC Dancing With the Stars 4.2/10 17.64
NBC Heroes 2.7/6 5.77
CW Gossip Girl 1.1/3 2.09
9:30 CBS The Big Bang Theory 4.6/10 12.83
10:00 CBS CSI: Miami 4.3/11 13.73
ABC Castle 2.3/6 9.43
NBC The Jay Leno Show 1.8/5 5.67

Fonte: TVbytheNumbers


Audiências: O domingo dos Emmys

Setembro 22, 2009

emmyAudiência de Domingo, 20/09/09

O pessoal pode não ter gostado dos vencedores, mas a verdade é que a cerimónia dos Emmys conseguiu subir em termos de audiência em relação ao ano passado, conquistando mais 6%.

O resto da noite foi ocupado com futebol e repetições. Não deixa de ser curioso que ‘The Beautiful Life’ conseguiu numa repetição quase o que conseguiu na sua noite de estreia. Será que o segundo episódio vai conseguir mais de 1.4 milhões de telespectadores?

O jogo de futebol deu a vitória à NBC que está mesmo a precisar de boas audiências (as de Heroes não foram nada famosas).

Time Net Show 18-49 Rating 18-49 Share Viewers Live+SD (million)
7:00 CBS Football Overrun 7.4 23 21.66
NBC Football Night In America 2.5 8 7.41
FOX American Dad (repeat) 1.5 5 3.86
ABC King Kong (movie) 0.8 2 3.36
CW War Games: The Dead Code 0.4 1 1.23
7:30 CBS Football/60 Minutes 3.9 12 14.35
NBC Football Night In America 3.9 12 10.66
FOX The Simpsons (repeat) 1.7 5 3.91
ABC King Kong (movie) 1.0 3 3.51
CW War Games: The Dead Code 0.4 1 1.51
8:00 NBC Sunday Night Football: Giants v. Cowboys 9.1 23 24.26
CBS 61st Primetime Emmy Awards 4.4 12 15.11
FOX The Simpsons (repeat) 2.3 6 5.11
ABC King Kong (movie) 1.0 3 3.77
CW The Beautiful Life: TBL (repeat) 0.4 1 0.96
8:30 NBC Sunday Night Football: Giants v. Cowboys 8.6 21 22.72
CBS 61st Primetime Emmy Awards 4.6 12 14.80
FOX The Simpsons (repeat) 2.5 6 5.54
ABC King Kong (movie) 1.1 3 3.76
CW The Beautiful Life: TBL (repeat) 0.4 1 1.00
9:00 NBC Sunday Night Football: Giants v. Cowboys 8.6 21 22.72
CBS 61st Primetime Emmy Awards 4.6 11 14.14
FOX Family Guy (repeat) 2.6 6 5.47
ABC King Kong (movie) 1.5 4 4.76
CW Melrose Place (repeat) 0.3 1 0.78
9:30 NBC Sunday Night Football: Giants v. Cowboys 9.2 22 23.66
CBS 61st Primetime Emmy Awards 4.2 10 13.27
FOX American Dad (repeat) 2.1 5 4.49
ABC King Kong (movie) 1.3 3 4.03
CW Melrose Place (repeat) 0.3 1 0.72
10:00 NBC Sunday Night Football: Giants v. Cowboys 8.5 21 21.04
CBS 61st Primetime Emmy Awards 3.8 9 11.67
ABC King Kong (movie) 1.3 3 4.03
10:30 NBC Sunday Night Football: Giants v. Cowboys 8.1 21 20.06
CBS 61st Primetime Emmy Awards 3.5 9 10.94
ABC King Kong (movie) 1.0 3 3.56

Fonte: TVbytheNumbers


Merlin (2.01) – The Curse of Cornelius Sigan

Setembro 22, 2009

snapshot20090922113038Merlin não é uma grande série nem é seu objectivo o ser. Merlin é sim um grande entretenimento, quarenta minutos com alguma magia e muita diversão. Estava com um pouco de receio de escrever reviews desta série porque existem episódios que não tem muito por dizer, mas mesmo assim decidi continuar com essa ideia e sejam grandes ou pequenos, os reviews estarão sempre aqui.

A temporada passada foi marcada por um desejo enorme dos fãs para que o Uther morresse, clube onde eu me incluía. Não sei se foi por ver ‘Buffy the Vampire Slayer’ e ter conhecido melhor o trabalho de Anthony Stewart Head, mas neste momento quero que ele continue na série. A diferença de personagens entre Giles e Uther é enorme, mas por detrás delas está um excelente actor que se sobressai nesse elenco que eu si já é bastante competente. Pode ter sido só comigo, mas eu notei uma grande evolução desde o episódio treze da temporada passada para essa estreia em termos de interpretações. Colin Morgan está muito mais dinâmico e Bradley James conseguiu deixar alguma irritabilidade que transmitia na temporada passada. Os secundários ainda não tiveram tempo de mostrarem o que valem.

Antes de falar nas coisas que me agradaram, quero deixar claro dois pontos que me deixaram um pouco desiludidos. Eu, ao contrário da maioria das pessoas que viram a primeira época, sempre gostei dos efeitos especiais lá mostrados, mas nessa premiere houve um que ficou mesmo mau. Sim, quem pensou no javali acertou! Os outros efeitos, tais como as feras de Cornelius e a destruição de Camelot lá se safaram. O segundo ponto é a relação de Gwen e Arthur. Na temporada passada eles não tinham nenhuma química um pelo outro mas nesta bastou um simples salvamento para mudar o rumo das coisas? Foi tudo tão repentino e tão mal construído que provavelmente estragará o futuro dessa relação vista pelos fãs.

Como leio alguns comentários feitos por outras pessoas acerca dos episódios, sei o que elas mais e menos gostaram. Um dos pontos que apontaram como negativo foi a pouca participação de Morgana. Eu não concordo nada pois temos uma temporada inteira (mais doze episódios) para desenvolver esta complexa personagem, por isso é normal que a evolução da mesma seja lenta. E agora vamos aos pontos positivos… Em primeiro lugar adorei todo aquele clima de Camelot, com aquela destruição. Trazer o feiticeiro mais temível da história da magia foi uma boa forma para apresentar o primeiro vilão da temporada. O facto de não terem destruído a alma mas sim guardado deve significar a volta da personagem mais à frente na série, talvez até no final da temporada. Outro factor que me agradou bastante é a promessa de Merlin ao dragão e espero sinceramente que a mesma seja cumprida ainda este ano. Confesso que estou ansioso para saber o que os produtores têm guardado para essa personagem animal, e aposto numa vingança por o terem prendido. Por fim, o tom de comédia ficou bem patente, que como já disse anteriormente noutros reviews, é algo que me agrada muito numa série.

72


The Vampire Diaries (1.01) – Pilot

Setembro 14, 2009

thumb.php

Quando comecei a ver e ouvir notícias sobre The Vampire Diaries, a nova série sobre vampiros da CW fiquei francamente desconfiado em relação ao que é que mais uma série sobre esta temática poderia trazer de novo numa época em que True Blood e a saga Crepusculo já enchem as medidas dos fãs dos descendentes do conde Drácula. Quando começaram a sair fotos promocionais e alguns vídeos, as evidências de que a série tentaria envergar por um caminho muito parecido ao de Crepúsculo foram muitas e foi com alguma apreensão que assisti ao episódio piloto da série.

A série está cheia de clichés, vampirescos e de outras espécies. Senão vejamos: uma menina chamada Elena perdeu os seus pais e ficou muito perturbada. Mantém um diário (cuja escrita é também a narração da algumas partes do episódio) onde conta as suas amarguras e vontades de mudar a sua maneira de ser e até visita o cemitério onde os pais estão enterrados para se manter mais próxima deles. O pobre irmão mais novo, também afectado com a morte dos pais, anda por maus caminhos e metido na droga apesar da irmã mais velha, claramente mais responsável o tentar advertir para os perigos da vida. Está apaixonada por uma rapariga mais velha que lhe tirou a virgindade mas que não quer saber dele para nada. A melhor amiga de Elena tem poderes psíquicos que tenta ignorar mas que até a avó lhe diz que são verdadeiros. A outra amiga, que por acaso é  a loiraça Hot habitual adora ser o centro das atenções e conquistar um grande número de rapazes, apesar de parecer ter algum azar com eles. O que temos até aqui? Uma típica série de adolescentes sem nada de inovador.

Entrando noutra zona temos os vampiros. Stephan é o típico vampiro giríssimo, misterioso e irresistível que chega à cidade vindo do nada e que conquista todas as raparigas por que passa. Ao chegar à escola cruza-se de imediato com Elena (a cena do encontrão à saída da casa de banho já podia ser considerada um clássico do cinema) e o amor nasce automaticamente. Pena é que a rapariga que gosta de frequentar cemitérios seja perseguida por um corvo e por uma estranha névoa que são na realidade a personificação de Damon, o irmão Bad Boy que surge na cidade para atrapalhar a vida de Stephan sem razão aparente e acaba até por espancá-lo. A origem do casal central é tão batida que nem conseguimos criar empatia pelas personagens e torcer por elas como acontece noutras séries (veja-se Sookie e Bill de True Blood). Não é preciso nem um mês para que se crie um triângulo romântico entre os dois irmãos vampiros e Elena. Entretanto Stephan tenta integrar-se na sociedade da cidade participando em festas e visitanto a sua amada durante a noite. Por outro lado Damon vai atacando cidadãos incautos como casais de namorados na estrada e meninas desprotegidas em bares.

Resumindo, o episódio piloto conseguiu juntar tantos clichés de diferentes tipos de séries que é difícil saber ao certo o rumo que vai tomar. Não é suficientemente sangrenta para agradar aos fãs de True Blood mas por outro lado não é tão pachorrenta e soft como Crepúsculo tenta ser com os seus actores/modelos electrizantes que fazem as meninas saltar sempre que surgem no ecrã. Sabemos já que Stephan está na cidade porque Elena é a reencarnação de algum amor antigo e que Damon vai tentar impedir que esse amor se concretize enquanto vai mordiscando o pescoço de alguns jovens da região. Mais? Pouco se tirou do episódio que seja verdadeiramente importante. Não sei onde poderá evoluir mais ao ponto de se tornar uma boa série, mas a tentativa inicial de juntar o género Jovem e vampiros parece não ter dado grandes frutos. A banda sonora é boa mas mal aplicada. Os efeitos especiais são bastante fracos (as cenas do voo de Stephan é básica e o aparecimento da névoa muito pouco realista) Esperemos pelo segundo episódio para aí podermos tirar as verdadeiras conclusões mas a série arrisca-se a ser um uma cópia barata que tentou misturar demasiados estilos num só e que falha redondamente nos seus intentos.

70


Actrizes de Vampire Diaries presas [foto act.]

Setembro 13, 2009

0,,21934334-FMM,00As actrizes Sara Canning, Candice Accola, Kayla Ewell, Kristal Vayda e Nina Dobrev foram presas por perturbação da ordem e só foram libertadas quando pagaram uma fiança. Foram presas, após uma sessão fotográfica, numa ponte no estado de Georgia, resultado das denúncias feitas por alguns motoristas que lá passavam.

O fotógrafo, Tyler Shields, que havia dito às actrizes que as fotos seriam para a promoção da série The Vampire Diaries, também foi preso.

A polícia conferiu as fotografias e viu as actrizes penduradas e sentadas (de pernas escarranchadas) na ponte, assim como mostraram os seios.

O agente do programa recusou prestar qualquer declaração.


"Gossip Girl será chocante"

Setembro 13, 2009

MomsenEm entrevista à MTV News, Taylor Momsen, que interpreta Jenny Humphrey, disse que o terceiro ano de GG será “chocante” e que está “surpreendida” com a capacidade dos autores em inventarem novas histórias para as personagens, fazendo com que os espectadores fiquem agarrados ao ecrã a perguntarem-se ” o que será que vai acontecer esta semana?”.

A actriz, de 16 anos, disse ainda que as gravações da terceira temporada têm proporcionado muita diversão e que os espectadores deviam de aguardar pela estreia, que será hoje à noite, na CW.

No pior dos casos, GG pode surpreender e até ser chocante, como na segunda temporada, ao não atingir aquilo a que se proponha e a tornar-se cliché, chata e repetitiva… Mas, nunca se sabe.


Audiências: Supernatural vs The Vampire Diaries

Setembro 11, 2009

425.ackles.cohan.supernatural.050708Quem se saiu melhor na CW? Quem deve ter ajudado quem? Se eu disse que ‘The Vampire Diaries‘ teve uma das piores audiências de estreias dos últimos anos de canal acreditam? Não? Fazem bem, pois ‘Diaries’ arrancou com 4.8 milhões de telespectadores.

Já o começo da quinta temporada de Supernatural teve uma audiência abaixo do esperado, com apenas 3.4 milhões, ao contrário do 3.96 da estreia da quarta temporada. Apesar de tudo, continua a ser números muito bons para o canal, tendo em conta que 90210 e Melrose Place conseguiram as duas menos de 3 milhões.

Big Brother, que termina na próxima terça-feira, conseguiu 7.6 milhões. Os restantes programas foram apenas repetições. Para a semana teremos a estreia de Fringe, veremos como se sairá.


Audiências: 90210 e Melrose Place começam em baixo

Setembro 9, 2009

melrose-place-2009Ontem começou oficialmente a Fall Season americana com a exibição do piloto e  ‘Melrose Place’ (que até gostei… enfim) e da segunda temporada de 90210.

Os números da CW são normalmente baixos no geral, até porque o canal não está disponível em todos os estados americanos, mas mesmo assim as duas séries falharam. Melrose Place estreou com 2.27 milhões de telespectadores, enquanto que Privileged (que foi cancelada na temporada passada) começou com 2.7 milhões.

90210 teve a sua melhor audiência desde o episódio de 6 de Janeiro deste ano, mas mesmo assim para uma estreia de temporada, 2.56 milhões de telespectadores é pouco. Entretanto, os reality shows dominaram a noite: Hell’s Kitchen com 7.6 milhões, Big Brother US (o meu novo vício que é muito melhor que a versão portuguesa) com 8.13 e America’s Got Talent conseguiu 11.7 milhões.


Lista: Séries a rever quando tiver 40 anos

Setembro 8, 2009

40 Anos. As experiências acabam, a vida está fortalecida. Chega a altura de começar a olhar para trás, para o passado de uma forma mais profunda. O tempo que passamos, os segundos perdidos e ganhos na vida. E é sobre alguns destes segundos que falaremos, sobre os segundos que não foram perdidos a ver série, mas sim ganhos. As séries que transitaram por entre o tempo, que nos fizeram companhia. As séries que mostraremos ao nossos filhos como os ex-líbris do nosso tempo. As séries a rever quando tivermos 40 anos.

BOston-Chuck
Boston Legal

Os advogados são ser carrancudos. Seres que dominam o uso da palavra e da escrita. São seres que a sua existência se resumiria, a nível profissional, em processar. Por causa disso, Boston Legal estava destinado a desgraça. Mas Boston Legal não fala sobre o mundo dos advogados, mas sim sobre o mundo e transforma-o num escritório de advocacia. Inteligentemente escrita, interpretada com mestria e com diálogos absolutamente de outro mundo, a vida de Alan Shore e Danny Crane é uma doçura. É uma vida que qualquer pessoa gostava de ter. Fazer o que mais gosta com o melhor amigo ao lado. É outra série em que a amizade aparece documentada. Mas é outro tipo de amizade. É uma amizade mais profunda que Friends, mas com um nível de humor semelhante. É uma série que delicia os olhos, os ouvidos. As frases de Denny, as insinuações de Alan e o resto do elenco fazem de Boston uma das melhores criações dos últimos anos. É para apreciar e desejar ter uma vida perfeita como aquela.

Chuck

A série mais recente da lista, mas talvez a que tenha o que falta a todas o resto. Chuck é um sonho vivido. É a concretização do mais improvável dos sonhos. A relação entre os mais improváveis seres humanos do universo. Chuck é uma série que consegue conquistar qualquer pessoa, até uma criança. É uma série de tão simples, tão simples, que ao vê-la se vê algo mais confuso. Chuck é sobre a relação entre o que dá o nome a série e Sarah. O resto é conversa. Não é só isto, mas é a maior parte. Qualquer pessoa que veja Chuck vê que a série foi construída com o propósito da paixão entre os dois. O resto é como dar dois doces a uma criança em vez de um. Ou talvez três.

Dexter-Friends

Dexter

Dexter no inicio é um bebé. Não sabe gatinhar, o que aprendeu é o seu manual de sobrevivência. Eu, ao ver Dexter, não vejo unicamente a série de um serial killer. Vejo uma série muito mais complexa que isto. Vejo a aprendizagem do ser humano, o crescimento dele, o seu desenvolvimento, as suas descobertas, as suas fraquezas. A construção de um ser humano. Os casos servem mais para ser o propósito desta construção. É que em Dexter tanto podemos ver um adulto já formado como um bebé sem aprendizagem. Vemos bastantes erros, muitos comuns na adolescência, muita aprendizagem e descoberta, mas também vemos o seu lado mais adulto, na forma como consegue lidar com as pessoas. Dexter é outra série imortal. Pois, se os tempos se vão mudando, a construção do ser humano é sempre igual. Em Dexter dá para vermo-nos a nós próprios, aos nossos pais ou aos nossos futuros filhos. Dexter é das personagens mais completas que existem na TV, a série é sempre uma descoberta autêntica.

Friends

O humor é eterno. Teremos sempre de nos rir, faz bem a alma, e o que faz bem a alma faz bem ao corpo. E, naqueles dias que parece que ninguém nos arrancará um sorriso, nada melhor que a companhia dos 6 amigos de New York. Friends será uma série eterna para aqueles que gostaram e para aqueles que a viram. O humor é tão simples, rudimentar, que se torna inteligente. Para além disso, as qualidades que a série transmite serão sempre necessárias para a sociedade. A amizade é um bem precioso para todo o mundo. Friends é um hino a esta qualidade humana. Brindemos aos seis amigos.

Friday-Sexcópia

Friday Night Lights

Quem pensa que Friday Night Lights trata-se de um drama juvenil banal, está redondamente engano. Com um elenco praticamente desconhecido do grande público, mas que consegue transmitir toda uma emoção patente em FNL. Personagens envolventes, dramas interessantes e mais que reais, passando pelo racismo, bipolaridade, traições, vitoria, derrotas, girando tudo em volta de um amor comum o futebol americano, os Dillion panthers, e de um treinador inspirador. É raro um episódio de FNL que se considere mau, variam entre a perfeição e o muito bom. Série elogiadíssima pela crítica que demora no entanto a conquistar um número de fãs consideráveis, mas os que tem são fiéis e apaixonados por esta magnifica série e não hesitaram em rever a série, mostrando aos descendentes os problemas da nossa sociedade. Clear eyes, full heart, can’t loss.

Sex and the City

Já a caminho do seu segundo filme, sexo e a cidade foi uma série em que o tema sexo não era tabu, as quatro amigas de Nova Iorque, Samantha, a mais velha mas a mais namoradeiro do sítio. Carrie, jornalista e narradora da série, Charlotte, a mais conservadora e tradicional do grupo, e Miranda mais concentrada na sua carreira de advogada. As quatro amigas proporcionam-nos momentos hilariantes, as suas conversas andam sempre à volta de um tema comum, homens, relações, sexo e a tudo o que isso dizia respeito. As quatro amigas souberam fazer da série uma obra de arte digna de ser revista um dia mais tarde.

Greys-Lostcópia

Grey’s anatomy

Drama, paixão, mestria, surpresa, todas estas palavras definem o grande sucesso que é Grey’s Anatomy e as suas 5 temporadas até ao momento. Com personagens interpretadas com mestria e que criam grande empatia no público, Grey’s consegue comover mesmo os corações mais duros com todos os dramas que nos foi habituando ao longo dos tempos. Desde as várias complicações e revés que a vida de Meredith sofreu, ao desfecho da história entre Denny e Izzie, e mais recentemente à doença desta e ao acidente de George, são inúmeros os casos dramáticos de sucesso em Grey’s. E apesar de apresentar alguns episódios mais fracos no episódio seguinte é sempre de esperar o melhor desta série e do seu elenco. Com uma banda sonora digna desse nome e com narrações comoventes, Grey’s estabeleceu-se no panorama internacional como uma McSeríe de elevada qualidade. “The patients we lose, the mistakes we make. That’s how we learn. That’s the only way it’s ever been done.”

Lost

Mistério. Quem não gosta de uma aventura na vida, que envolva tudo que sempre imaginamos. Uma ilha perdida e pedida pelo mundo. Local de maravilhosas criaturas, de maravilhosos mistérios e significados. Lost demonstra, antes de tudo, a sobrevivência do ser humano em ambiente hostil. A aprendizagem primeiro. Mas Lost mostra que, ao contrário de que muitas pessoas defendem, o ser humano é uma essência mutável. Sempre em construção. É isto que Lost significa, para além do mistério e excentricidade que o rodeiam. Um teste a sobrevivência humana. Uma construção de uma nova vida. Paisagens magníficas. Relacionamentos construídos do 0. Amores e desamores. E, depois, o resto vem por acréscimo. E o acréscimo é melhor que os significados básicos da série. Para ver com 40, 50, 60 e 70 anos. E ver que o ser humano é um ser hábil a criar arte.

Supernatural-Prisoncópia

Supernatural

Apesar de explorar um tema por vezes controverso e nem sempre apreciado por todos, rapidamente conseguiu conquistar milhares de fãs pelo mundo fora, sendo responsável por uma excelente audiência para o canal CW. Estrelado por dois actores que para além de interpretarem maravilhosamente as suas personagens, também constituem um regalo aos olhos do povo feminino. Apesar de se estender no tempo indo já para a sua 5 temporada, supernatural tem sabido explorar o tema com muita sabedoria, fazendo os fãs acompanharem a série do princípio ao fim. Os manos Winchester e as suas lutas contra os demónios, sem esquecer os risos proporcionados por Dean, conquistaram fãs mais que fiéis em todo o lado.

Prison Break

Uma série que apresentou uma primeira temporada digna da palavra maravilhosa. Com uma argumento original, onde o suspense e a surpresa faziam parte do casting em cada episódio. Muitos acusam-na de se ter estendido no tempo e de ter tentando fazer valer o seu sucesso por tempo em demasia, talvez concorde em parte com essa opinião, mas não posso deixar de destacar que depois de uma segunda e terceira temporada um pouco mais fracas, Prison Break reergueu-se das cinzas e conseguiu terminar da maneira como começou de forma mais do que digna. Os manos Scofield e companhia vão fazer falta, e nada melhor que rever a série com toda a família reunida.

Lista Realizada por: Filipa Silva e António Guerra


Dollhouse – Um olhar sobre a série

Setembro 6, 2009

dollhouse

Falar de Dollhouse e da sua primeira temporada é um processo bastante complicado para mim, isto porque possui demasiadas nuances que é preciso focar, correndo, eu, o risco ou de deixar coisas importantes por se dizer, ou então estender-me em demasia e acabar por produzir uma opinião que se torna demasiado subjectiva e desinteressante. Mas Dollhouse precisa de ser comentada, e é preciso eu estender-me a falar dela, por isso aviso desde já que não me vou conter, mas manter-me-ei afastado de spoilers o mais possível.

Dollhouse era provavelmente uma das séries mais esperadas dos últimos anos. O nome do seu criador, Joss Whedon, sozinho, conseguia levar muita gente a roer as unhas de ansiedade. Joss Whedon era o criador de Buffy: The Vampire Slayer, uma das maiores séries de culto de sempre, e de Firefly, uma das séries Sci-Fi mais amadas da televisão. Firefly foi um fracasso de audiências na FOX. Esta recusou-se a transmitir o piloto de duas horas, trocou a ordem de exibição dos episódios e nem transmitiu o último episódio, sendo a série cancelada após 12 episódios exibidos. No entanto o DVD de Firefly vendeu muito bem, a série recebeu fortes elogios e tornou-se numa das melhores peças de Ficção Cientifica que apareceram na TV. Joss Whedon mantinha assim um nome de respeito e uma legião ansiosa pelo seu próximo projecto.

Podem adivinhar que quando Dollhouse foi apresentada o Hype, o interesse à volta da produção foi enorme. E era o regresso de Whedon à estação que o tinha maltratado, a FOX, o que admirou muita gente. Neste caso de Dollhouse não entrego a culpa toda à FOX, Joss Whedon é um ser humano, e como tal sujeita-se a falhas como qualquer outro, e neste caso Whedon falhou. Uma série não é um filme, para um filme aguentar o hype é mais fácil, porque são duas horas, as pessoas se sentirem curiosidade assistem ao filme, não têm de acompanhar de semana a semana, o dinheiro do filme fica assim ganho. Uma série para aguentar o hype é muito mais complicado, porque depois de dois ou três episódios que desiludem, as pessoas desistem da série.

eliza-dushku-dollhouse-2Whedon é um génio, mostrou já que consegue fazer um brilharete e mudar de género de projecto para projecto sem perder a sua qualidade enquanto argumentista. No entanto é a prova viva que algumas más decisões podem realmente arruinar um estatuto, podem arruinar um projecto, arruinar uma série. A estas más decisões acrescentem uma FOX que é neste momento um dos canais que pior promove as suas séries e que pior tratamento lhes dá.

Com Dollhouse Whedon errou. Os seus fãs estavam habituados a personagens marcantes, diálogos apurados, histórias intensas e um desenvolvimento de personagens muito bom. Em Dollhouse os primeiro 6 ou 7 episódios são fracos, a premissa está lá, o talento está lá e o potencial também, no entanto as fortes características de Whedon não puderam ser mostradas, isto porque no final de cada episódio se voltava ao inicio, o episódio até podia ter emoção, interesse, mas no final era como se todas as acções não tivessem consequências porque a cadeira mágica estava lá (Quem viu a série, sabe o que quero dizer). Era difícil nos unirmos às personagens, o mistério que tentaram pôr desde do início, de semana a semana perdia um bocado do interesse.

Não admirou por isso que as criticas começassem a surgir. Uns atiraram-se a Whedon, perderam a fé nele, diziam que perdera as características que faziam as suas séries únicas. Como se diz, quanto mais alto se está maior é a queda. E neste caso muitos era os que tinham as expectativas no topo e depois bateram de cara no chão. Na minha opinião dou os meus parabéns a Whedon pela capacidade que tem em mudar de género de série para série. No entanto compreendia o que os antigos fãs sentiam, a série, como referi, parecia ter tudo que era necessário, os valores de produção, o ambiente, etc, no entanto faltavam os traços de Whedon e isso era inegável. Daí apareceram as críticas ao elenco, a Eliza Dushku, a Tahmoh Penikett. A comparação de personagens com personagens de Buffy e Firefly surgiram também, dizendo-se que estas eram como imitações mal feitas.

Outros criticaram a FOX, dizendo que esta tinha voltado a fazer o mesmo que em firefly, dizendo que novamente lhe tinham estragado o episódio piloto e que davam à sexta-feira a série e não apostavam nela. Isto é verdade, mas só até certo ponto. Já vi o piloto não transmitido e não creio que a FOX tenha feito tão mal assim em não o transmitir. As cenas cruciais desse episódio aparecem em episódios mais à frente, e esse piloto não estava coerente, Joss Whedon, talvez para não fazer o mesmo que em firefly, despejou a informação toda em 45 minutos, e foi novamente cortado pela FOX. Se esse episódio tivesse vindo ao ar a primeira temporada teria sido substancialmente diferente pelo que não vou avaliar esse piloto. A série tornou-se o que é porque o primeiro episódio exibido foi o Ghost.

Como referi os primeiros 6 ou 7 episódios desiludem, creio que desilude toda a gente, é inegável. Novamente Whedon nesses episódios tentou contrariar o que levou a FOX a cancelar Firefly, e pôs episódios desconexos, em que se passava imediatamente para a acção da semana e não era dada atenção ao enredo geral, não era dado interesse às personagens. Por esta altura do sétimo episódio muita gente tinha tido já vontade de desistir, as audiências eram miseráveis, o cancelamento parecia inevitável, e parecia pouco provável que a fé em Whedon trouxesse melhorias significativas. Mas a verdade é que a série realmente melhora muito, a partir do nono episódio temos a série a começar em força, até ali tinha sido muito tempo perdido, mas a fé era recompensada e finalmente se começava a ver uma série à Joss Whedon. Podem apontar para o melhoramento da série com a entrada em cena do actor Alan Tudyk, sem dúvida uma das maiores mais-valias da série e um velho conhecido de firefly.

dollhouse-cast-promo-picOs últimos episódios têm realmente um ritmo alucinante, cheios de acção, com muitas revelações e finalmente a ver-se os acontecimentos resultarem em consequências. Começamos a ver um desenvolvimento de personagens, estas deixam de nos parecer tão planas e cliché e começam a valer por aquilo que são. Os episódios 9,10,11,12 apresentam já uma série de alto gabarito e algo que devia ser visto por muita gente.

No entanto a FOX não mostra o episódio 13, pelo menos não logo de seguida, pelo que, apesar da melhoria eram poucos os que esperavam muito mais da série do que aqueles episódios. Até que surge o episódio 13, este pode parecer um bocado desconexo dos restantes episódios, mas é uma obra de arte, e no fundo dá um rumo completamente novo à série. É daqueles episódios pelo qual vale a pena os episódios menos bons, em 49 minutos a série catapultou-se para um outro nível, e a curiosidade por uma segunda temporada atingiu o máximo que seria possível. Tudo muda nesse episódio, e, agora que começávamos a encarar as personagens num plano mais próximas a nós, todas nos surgem em situação de perigo. A gravidade do que estamos a ver pode quase ser sentida como real. Após os episódios 9,10,11 e 12 aquela situação que estamos a ver faz sentido. É um episódio sem limites, um puro exercício de prazer, em que no fim queremos mesmo ver o que irá acontecer. Perderam o medo das temáticas de ficção científica, apostaram nelas em força no fim e finalmente a série era o que deveria ter sido desde do início, uma série de Ficção Científica, não uma série de caso da semana.

Joss Whedon e a sua equipa são realmente muito bons, apesar de terem errado, conseguiram dar a volta por cima e apresentam-nos, no final, algo que realmente vale a pena de se ver. Aqueles que mantiveram a sua fé intacta, aqueles que disseram que as primeiras temporadas de Whedon são sempre mais fracas, mas depois consegue ser muito bom, viram que tinham razão. Os que tinham desistido da série precisam de dar uma nova oportunidade, acabar a temporada, ver realmente a boa televisão que Dollhouse conseguiu, no fim, ser.

Nada apaga o inicio fraco, mas o esforço da equipa de Dollhouse em tentar sair por cima e fazer da série algo de diferente e não apenas mais uma que vem e vai é de louvar e aplaudir.

Podem contar com os reviews da segunda temporada feitos por mim, e podem contar com um espírito critico que se desiludiu como outra pessoa qualquer com os primeiros episódios e não tem medo de dizer que a série não foi nada boa no início.