So You Think You Can Dance (6.02) – Auditions: Phoenix

Setembro 19, 2009

so-you-think-you-can-dance-vegas-top-20-performCinco Verões. Cinco Temporadas. Cinco Campeões (Nick, Benji, Sabra, Joshua e Jeanine). Agora… O programa tem sua estréia no fall-season, no qual ficará daqui em diante por definitivo, espero que possamos ver ainda muitas e muitas temporadas desse incrível espetáculo de dança, arte e entertenimento. Desde 2006 acompanho o programa e posso disser que é um imenso prazer agora ganhar essa responsabilidade ao escrever os reviews semanalmente e outro imenso orgulho foi, depois de tanto comentar sobre, o Marco resolveu assistir e acredito que tenha realmente gostado do que viu.  Tradicionalmente tudo começa com as audições, que desta vez estão nas cidades: Los Angeles, Salt Lake City, New Orleans, Atlanta, Boston e Phoenix. A partir dessas, conheceremos os competidores que conseguiram um ticket para a exaustiva “Vegas Week”, local onde os jurados definirão os tão aguardados Top 20.

Realmente estou sentindo falta de algo nestas audições, algo que preenda meus olhos na tela e me deixe maravilhada com aquilo que vejo. Quando um programa desde estilo chega a sua sexta temporada, algo de muito revelante tem de ser considerado, ainda mais contando com a mudança na estrutura original do programa. É inevitável que com o passar dos anos ficamos surpreendidos com os impressionantes talentos, que por vezes fico a pensar: ” Será que ainda existirão dançarinos bons a altura dos que já passaram?  Por enquanto não tive esse momento ainda e particularmente acho que com esses dois episódios que foram ao ar, parecem só haver boas dançarinas e os rapazes ainda não conseguiram representar, considerando claro, poucas excessões.

A Hora do Pesadelo

Diferente de Los Angeles, Phoenix conseguiu reunir uma grande leva de apresentações engraçadas porém medíocres e vergonhosas que resultaram num esgotamento para Nigel, que pela primeira vez retirou-se do banco de jurados. A dupla dinâmica, Biggie & Shorty podem não fazer parte totalmente do quadro “A Hora do Pesadelo”, porém tornam-se caricaturas deles próprios devido a sua forte e carismática personalidade. Mesmo conseguindo uma vaga na coreografia, para assim tentar provar algo, eles sucumbem a pressão e são facilmente eliminados. Outro personagem a aparecer foi Jonathan, uma versão muito magra e muito a desejar do Sayid de Lost. Este cômico competidor trouxe o DISCO para os palcos numa interativa apresentação que teve como resultado um retrato de Mary. Se acharam que de tudo já havia aparecido, eis que surge Brandon e Nicole, vulgo Frankstein e sua Esposa. Sem dúvida esta categoria arrancou risos e gargalhadas, porém continuam a não acrescentar muito as audições em Phoenix.

snapshot20090919132815

snapshot20090919140045

Lições de vida

Novamente nos deparamos com pessoas que superam todas as dificuldades e por vezes limitações físicas para então almejar aquilo que tantam amam. Allison é um exemplo claro disso, pois logo aos primeiros meses de vida foi diagnosticada com Meningite Espinhal, uma espécie de inflamação das membranas de proteção que envolvem o cérebro e a medula espinhal, sendo assim possui problemas para se comunicar e consequentemente tem sua audição prejudicada. Interessante foi vê-la a dançar, nitidamente a música chega aos seus ouvidos de forma diferente, porém ela conseguiu expressar-se na dança de uma maneira tão particular que acabou por surpreender a todos, garantindo mais uma oportunidade na coreografia. Apesar de alguns problemas com suas extensões (pernas e braços dobrados demais), ela apresenta grande potencial e será interessante vê-la em Vegas.

snapshot20090919133403

snapshot20090919133853

O rei do grito: Excitação ao extremo

Somente uma definição me vêem a cabeça quando me lembro dessa figura chamada Jarvins Johnson. Dono de uma  hiperatividade que foge aos padrões normais de um ser humano, facilmente perceptível na dificuldade tremenda que ele tem em se comunicar com os outros, pois estando em constante estado de euforia, acaba por perder o controle sobre suas emoções. Mostra definitivamente que é de outro planeta ao apresentar sua “dança” aos jurados. Através de sua personalidade caricata e de certa forma encantadora, ele consegue uma vaga na coreografia, porém sua euforia traz problemas em sua saúde física e também psicológica, fazendo-o ter um colapso nervoso e respiratório. Abaixo segue o vídeo deste verdadeiro “King of Scream“, pois se temos a Mary como a “Queen of Scream“, Jarvins sem dúvida ocupa a categoria masculina.


A Hora do Show

Digamos que as melhores apresentações foram mais do que satisfatórias, considerando o baixo nível dos competidores em Phoenix. Começando com Sasha, que tenta pela segunda vez no programa e mostrasse muito emocionada com a presença de seus parentes no teste. Com o uso da cadeira, mostra uma boa coreografia, com expressiva técnica que pode ser muito mais desenvolvida. A única apresentação de casais mostrada em Phoenix, mostra um surpreendente casal que foge aos padrões, pois vemos dois caras a dançar juntos. Diferente do casal da temporada passada que impactaram os jurados de forma negativa, Willem e Jacob mostram excelente técnica e movimentos precisos na arte da “Dança de Salão“, mesmo sendo estranho de olhar, são deles a apresentação mais consistente desta audição e sem dúvida mereciam mostrar suas habilidades na coreografia e assim conquistarem ambos o ticket para Vegas.Estava faltando um B’boy que representasse a categoria e parece que Jonathan “Legacy” veio fazer jus ao seu apelido. Insamente deixa os jurados intusiasmados e curiosos com sua incrível presença e maturidade ao dançar, sem contar com os arriscados movimentos somente com uma mão.

snapshot20090919134041

snapshot20090919144611

Agora resta esperar que Boston consiga trazer o Heat Heat que Phoenix deixou a desejar.


So You Think You Can Dance (6.01) – Auditions: Los Angeles

Setembro 14, 2009

so-you-think-you-can-dance-vegas-top-20-performCinco Verões. Cinco Temporadas. Cinco Campeões (Nick, Benji, Sabra, Joshua e Jeanine). Agora… O programa tem sua estréia no fall-season, no qual ficará daqui em diante por definitivo, espero que possamos ver ainda muitas e muitas temporadas desse incrível espetáculo de dança, arte e entertenimento. Desde 2006 acompanho o programa e posso disser que é um imenso prazer agora ganhar essa responsabilidade ao escrever os reviews semanalmente e outro imenso orgulho foi, depois de tanto comentar sobre, o Marco resolveu assistir e acredito que tenha realmente gostado do que viu.  Tradicionalmente tudo começa com as audições, que desta vez estão nas cidades: Los Angeles, Salt Lake City, New Orleans, Atlanta, Boston e Phoenix. A partir dessas, conheceremos os competidores que conseguiram um ticket para a exaustiva “Vegas Week”, local onde os jurados definirão os tão aguardados Top 20.

A Hora do Pesadelo

Essa temporada talvez seja a mais massiva campanha já feita na história de So You Think You Can Dance e propriamente conseguiremos dimensionar até onde o programa consegue chegar, sem dúvida sempre inovando a cada episódio. Los Angeles é o primeiro local escolhido, logicamente por ser a capital do entretenimento e da dança e ali vemos muitos talentos dignos de um “green ticket” e naturalmente outros que demonstraram uma verdadeira show de horrores, a começar pelo primeiro “dançarino” a se apresentar: Cole traz em sua “coreografia” sem música, movimentos perturbadores, além da pseudo-recitação que deixou todos de cabelo em pé. Esse foi o momento mais “No No No’‘ de todos mostrados, porém Christopher, que sonha em produzir seu filme “Drum Song” inspirado em grandes nomes do cinema e da dança, a exemplos de Ginger Rogers e Fred Asteire, que sem dúvida compunham uma das melhores parceiras do cinema, em filmes como Top Hat ( 1935) e Vamos Dançar (1937), porém parecia que a inspiração confundiu sua cabeça quando resolveu escolher “dançar”  a tão feminina e sexy canção “All That Jazz” do musical Chicago.

0102

Lições de vida

Agora vamos para aqueles momentos escolhidos pelo programa como grandes “Histórias de Vida“, na qual o retrata-se as dificuldades vividas pelos competidores e pela família para conseguirem chegar aonde estão no momento. Graciosa, a menina de apenas 18 anos de idade, Molly, mostra belas extensões, firmeza de movimentos e ótimos truques de piruetas, valendo ressaltar que gostei de ver Nigel novamente reforçar o fator personalidade dos dançarinos, pois é esse um dos principais fatores que o programa almeja. Outra competidora que me encantou bastante, apesar de sua pouca expressividade, foi a contemporânea Amber, que possui também um histórico familiar muito difícil, enfrentado bravamente por sua mãe que após uma complicada cirurgia na espinha, tornou-se paralítica da cintura para baixo.

0102

Batalhas das batalhas: “A arte do sapateado”.

Novamente vemos esses dois excelentes sapatiadores tentarem avançar na competição, buscando o desejado Top 20. Ryan é sem dúvida o talento natural, uma espécie de fonte de inspiração para seu irmão mais novo Evan (Top 4 da 5season) que aliás foram deles um dos momentos mais marcantes da história do programa, no qual os jurados os deixam juntos para definir qual dos dois conseguiria a última vaga. Bianca esbanja energia e dedicação naquilo que faz, porém já tentara em todas as edições e fracassara em todos, profetizando na quinta temporada que nunca mais voltaria aos testes. Perseverar e nunca desistir de um sonho foram os fatores que a fizeram voltar, sendo assim escolho apresentar o vídeo destes dois encantadores sapatiadores, que entregam o momento mais fantástico das audições em Los Angeles.

A Hora do Show

Seguindo o mesmo estilo de especialidade, pontos positivos para as jovens contemporâneas Alexie e Paula, que esbanjam essência e expressividade. Mudando totalmente de estilo, Cristina traz o calor para o palco, apresentando a energética salsa, com seu estonteante parceiro, que por espanto de Nigel, deveria estar fazendo teste também. Naturalmente ela não tem o “Hot Flavour” da Janette (Top 8 da 5 season), porém é um nome para ser lembrado, pelo menos a princípio.Voltando para a arte do sapateado, Ryan, que já havia trabalhado com Ryan numa peça, acrescenta algo diferente do já apresentado pelo mesmo e por Bianca, tomado por uma alegria contagiante e sutilidade de movimentos, comprova mais uma vez quão competitiva será esta categoria de dança neste temporada.

temp2

Curiosidade : Os merecidos tickets ao três sapatiadores, que deverão mostrar extrema versatilidade para conquistarem o nunca conquistado lugar no Top 20, admito que seria muito interessante ver um dançarino de estilo tão peculiar entre os demais. Será que o merecimento de Ryan será colocado em questão ou os jurados irão somente se preocupar pelo fato dele ser irmão do finalista da temporada anterior e assim querer repetir a fórmula. Acredito que não, até pensando que Ryan, na minha opinião, pode acrescentar muito mais ao programa do que o próprio Evan acrescentou anteriomente, mas é cedo ainda para prever.

Próxima parada: Salt Lake City

Batalhas das batalhas: “A arte do sapateado”.

Novamente vemos esses dois excelentes sapatiadores tentarem avançar na competição, buscando o desejado Top 20. Ryan é sem dúvida o talento natural, uma espécie de fonte de inspiração para seu irmão mais novo Evan (Top 4 da 5season) que aliás foram deles um dos momentos mais marcantes da história do programa, no qual os jurados os deixam juntos para definir qual dos dois conseguiria a última vaga. Bianca esbanja energia e dedicação naquilo que faz, porém já tentara em todas as edições e fracassara em todos, profetizando na quinta temporada que nunca mais voltaria aos testes. Perseverar e nunca desistir de um sonho foram os fatores que a fizeram voltar, sendo assim escolho apresentar o vídeo destes dois encantadores sapatiadores, que entregam o momento mais fantástico das audições em Los Angeles.


Fox promove 'The Best of SYTYCD'

Setembro 1, 2009

1024x768_wallpaper_7

Como já foi informado por aqui, o programa fará sua estréia no dia 09 de setembro, antes do tão aguardado retorno de Glee, a grande promessa do canal e na minha opinião do fall season. Antecedendo a estréia, no dia 02 de setembro irá ao ar um programa especial que relembrará as melhores rotinas das cinco temporadas existentes. Desde que o programa estreou em 2005, muita coisa mudou na televisão e também muito foi acrescentado para o universo da dança. SYTYCD é conhecido por unificar excelentes profissionais da dança e excelente equipe técnica(excessão do trabalho de câmera,eu acho) com talentos únicos e outros nem tanto assim, pois o Luxo e o Lixo fazem parte da estrutura do show. Além disso, consegue elevar a dança a um outro nível,  não somente o técnico, mas desenvolvendo o conjunto da musicalidade,  expressividade dos movimentos e a história de cada coreografia, marcante e por vezes inesquecível. Sendo assim, me arrisco a palpitar cinco coreografias de duplas e uma de grupo para cada temporada, lembrando que são as minhas favoritas e não necessariamente serei atendida. Conto com a opinião de vocês que acompanharam, mesmo que tenha sido somente uma ou duas temporadas.

s1

Nick & Jamile – “Young’n (Holla Back)”  – Final Hip Hop

Ashle & Blake – “Black Machine” – Samba

Sandra & Artem – “Nora” – Lyrical

Ashle & Jamile – “Jim Dandy” – Jive

Kamilah & Nick – “King of Pain” – Contemporâneo

Grou: Top 16  – “Pump It” – Final Hip Hop

 

s2

Benji & Travis – “Gyrate” – Final Hip Hop – “Batalha dos Nerds”

Natalie & Dmitry(Especial Final) –  “Mas que Nada” – “Escolha de Mary Murphy”

Heidi & Benji – “Fake Your Way To The Top” – Broadway

Allison & Ivan – “Why” – Contemporâneo

Donyelle & Benji  – “Los Amigos Invisbles” – ChaCha

Group: Top 4 Finale – “Sexyback”

s3

Danny & Neil – “Are you the One?’  – Final Contemporâneo – “Guerra dos Princípes”

Lacey & Kameron ” Dancing” – Contemporâneo

Lauren & Pasha “Fuego”  – Hip Hop – “Transformers”

Sabra & Neil – “Sweet Dreams” – Jazz

Sara & Pasha – “The Rockafeller Shank” – West Coast Swing

Group: Top 16 – “The Lioness Hunt” – Broadway

s4

Katee & Joshua – “Hometown Glory” – Contemporâneo

Kherington & Twitch – “A New Day Has Come” – Viennese Waltz

Courtney & Mark – “The Garden” – Jazz

Chelsie & Twitch – “Control”Hip Hop

Courtney & Gev – “Wishing on a Star” – Rumba

Group: Top 10 – “Jhoom Barabar Jhoom” – Bollywood

s5

Kayla & Kupono – “Gravity” Addiction” – Contemporâneo

Janette & Brandon – “Libertango” – Tango Argentino

Jeanine & Jason – “If It Kills Me” – Contemporâneo

Jeanine & Philip – “Mad” – Hip Hop

Kayla & Brandon – “Dance (Disco Heat)” – Disco

Group: Top 18 – “Higher Ground” by Mia Michaels

***As coreografias vencedoras e nomeadas ao Emmy não foram colocadas na listagem, pois obrigatoriamente  serão relembradas durante o programa especial.


Lista: As melhores coreografias de SYTYCD – Season 5

Agosto 29, 2009

key_art_so_you_think_you_can_dance3

Com o término da quinta temporada, cujo os reviews aqui no Portal foram feitos pelo Marco, resolvemos apresentar, aquelas que na nossa opinião foram as mais inesquecíveis e bonitas coreografias desta temporada. Para aqueles que acompanham também esse reality show, deixamos espaço para pronunciarem suas favoritas. Vale lembrar que dia 09 de setembro, SYTYCD fará seu debut no fall-season, desta forma Marco passou o cargo a mim, Mari. Para visualizar as coreografias, clique em cima das imagens.

1 – Kayla & Kupono – Top 12 – “Contemporânea” por  Mia Michaels

dance01

A  coreografia, juntamente com a música, os dançarinos e quem a criou, compõem uma história. Mia Michaels sempre mostrou-se genial em suas peças e sem dúvida essa é sua mais bela obra de arte. Contando a história de uma pessoa que faz nitidamente mal a outra, mas esta não consegue se libertar, causando então a “Addiction”, tema que se encaixa perfeitamente com a letra da canção “Gravity” de Sara Bairelles. Este foi sem dúvida o melhor momento de Kupono, pois ele capturou a essência necessária, mesmo estando muito fragilizado com a história da coreografia.

2 – Janette & Brandon – Top 12  – “Tango Argentino” por “Miriam Larici & Leonardo Barrionuevo”

dance01

O Tango é considerado o “Kiss of Death” para aqueles que não o executam de forma precisa. É o estilo mais intenso e difícil dentre todos, exigindo total conexão entre os dançarinos além dos movimentos que beiram a perfeição. Janette é especializada em dança latina e Brandon mostra sua intensa força e precisão necessária para conduzi-la. Desde o primeiro momento, o palco parecia estar pegando fogo. Todos estavam presenciando o Tango mais perfeito do programa, motivo comprovado quando os jurados e a platéia os aplaudiram de pé.

3 – Jeanine & Philip – Top 20 – “Hip Hop” por Tabitha & Napoleon D’Umo

dance01

NappyTabbs consagraram-se na quarta temporada com as melhores coreografias de Hip Hop da história do programa, fato que os levou a merecida nomeação deste ano ao Emmy. Philip saiu de Vegas como um dos competidores mais carismáticos e Jeanine por sua vez era um rosto até então desconhecido. Bem sincronizados e esbanjando química ao som de “Mad” de NeYo, é deles a melhor rotina de Hip Hop dessa temporada, que aliás foi a mais fraca de boas apresentações neste gênero.

4 – Jeanine & Brandon – Top 8 – “Pop Jazz” por Laurieann Gibson

dance01

Jeanine a esta altura já tinha deixado pra trás a imagem de desconhecida perante os jurados e público e junto com Brandon entrega uma das performances mais fortes  do programa. Dois verdadeiros soldados, ao som de “Battlefield” da Jordin Sparks(American Idol)  mostram quão fortes e favoritos eles são na competição. A expressividade e compromentimento de Jeanine roubam a cena e claro que o atleticismo e força física de Brandon contribuem para essa excelente coreografia. Impossível agora ouvir a música e não lembrar deste momento.

5 – Kayla & Brandon – Top 6 – “Disco” por Doriana Sanchez

dance01

Muitos elegeram o Disco de Brandon com Janette como melhor, porém em técnica e  dificuldade, essa foi a coreografia mais trabalhosa preparada por Doriana Sanchez. Nitidamente esse é o casal perfeição, pois Kayla sempre foi primeira classe ao olhos dos jurados(apesar de não cair no gosto do público) e Brandon também recebia constantemente honrosos elogios em tudo que fazia. Movimentos periogosos e elevações de corpo marcaram essa enérgica coreografia que deixou até quem estava assistindo cansado. Acrescentando o elemento “personalidade” creio que eles terão muito mais sucesso.

6 – Randi & Evan – Top 16 – “Contemporâneo” por Mia Michaels

dance01

Como os próprios jurados disseram “O bumbum mais visto e comentado de todos”. Realmente a história criada novamente por Mia Michaels mostrava uma mulher com incrível magnetismo e um homem totalmente hipnotizado por “ela”. Novamente acertada a escolha da música “Koops Island Blues” da Koop, a dança flui de maneira leve e descontraída, um pouco diferente do estilo intenso e devastador das rotinas da Michaels.  Randi e Evan eram um dos casais mais graciosos de se ver e mesmo ela sendo casada, ele consegui cumprir com o desafio do “bumbum”.

7 – Melissa & Ade – Top 14 – “Classical Pas-de-Deux” por Thordal Christensen

dance01

Melissa e Ade tiveram marcantes momentos no programa, inclusive o mais emocionante deles foi a coreografia sobre o cancro e toda a simbologia do momento. Porém não escolhemos essa para os dois e sim o ballet Romeu e Julieta,  que mostrou Melissa como uma verdadeira bailarina e um surpreendente Ade, que incorporou este precursor estilo de dança, aclamado ao redor do mundo. Belísimos movimentos e total comprometimento nos acompanhamento, mesclando a dança clássico junto a diversidade presente em SYTYCD.

8 – Kayla & Jeanine – Finale – “Contemporâneo” por Mia Michaels

dance01

SYTYCD sempre marcou jornadas e desafios na busca do aperfeiçoamento profissional e pessoal de seus competidores. Quando vivenciamos uma experiência como esta na final, conseguimos entender do que se trata este programa. Brilhantemente estruturada por Mia Michaels, as Top 2 Girls, Jeanine e Kayla deixam claro  por que estão na final desta temporada. Sutilidade e intensidade nos movimentos, expressividade corporal e facial, além do belissimo truque das listas coloridas que vão sendo retiradas gradativamente durante a coreografia. Se juntarmos essas duas competidoras numa só, teriamos uma grande força da natureza. Sempre falam masculinidade e precisão do Top 2 Guys nas finais(excessão desta final), mas sem dúvida essa é a melhor apresentação feminina que o programa já teve.

9 – Jeanine & Brandon – Finale – “Paso Doble” por Louis Van Amstel

dance01

Jeanine e Brandon chegaram na final como os favoritos ao título e suas apresentações somente comprovaram tal fato. Com incríveis solos, esses dois sempre deixavam todos sem reação, sendo Brandon com sua força sobrenatural e Jeanine com sua energética e hipnotizante performance. Numa final morna sem grandes momentos, eles conseguiriam abalar todas as estruturas com o impactante Paso Doble ao som da trilha sonora de Matrix. Ele sempre conseguiu mais uma vez impressionar com sua firmeza e segurança de movimentos e condução de sua parceira e ela se entrega de corpo, mente e alma na coreografia e no comprometimento com quem está dançando.

10 – Karla & Jonathan – Top 18 – “Contemporâneo” por Stacey Tookey

dance01

Todos sabemos que existem versões do programa ao redor do mundo, dentre elas na Australia, na qual Bonnie (esposa de Nigel) trabalha como uma das juradas. Diretamente da terra do canguru, Stacey Tookey aterriza nos EUA, apresentando uma tocante e bem contada performance, transformando Jonathan, um dançarino de salsa num verdadeiro dançarino contemporâneo. Karla o faz muito bem, porém sempre foi questionada sobre a falta de segurança relacionada ao seu potencial.  Houve sem dúvida uma outra apresentação contemporânea de destaque, criada por Travis Wall(Season 2) para o casal Jeanine e Jason, porém como Jeanine esteve muito presente por aqui, foi interessante colocar uma dupla que a tempos já deixou o programa mas que mesmo assim consegui ter seu grande momento no palco.

A sexta temporada de ‘So You Think You Can Dance’ terá reviews semanais por mim, Mariana Barros.


So You Think You Can Dance (5.23) – Winner Announced

Agosto 21, 2009

So-You-Think-You-Can-Dance-Jeanine-MasonMarco me pediu esse imenso favor: fazer o review do finale de SYTYCD,porém é com muito esforço irei fazé-lo. Deixando as brincadeiras de lado, todos já devem ter percebido que esse é meu programa de tv favorito e que sem dúvida é com o maior prazer que o escrevo no Portal. Aproveito para introduzir que no fall-season, propriamente dia 09 de setembro, estréia da sexta temporada, na qual cuidarei dos reviews. Descobri esse programa no final de 2006, totalmente sem querer enquanto fazia uma busca sobre coreografias e danças no geral  no youtube. Desde então foi amor a primeira vista.  Logo de início adianto, esse finale passou longe de ser o melhor até hoje na história do programa, mas em termos de dimensão, o que ele alcançou e aonde chegou, sem dúvida esta temporada foi a melhor. Como a premissa do programa sempre deixou claro: “We’re searching for the America’s Favorite Dancer” ,o show consegue mesclar talento, profissionalismo e por vezes perfeição, mas os requisitos que se destacam por vezes mais que o próprio profissionalismo é o carisma, a conexão e a identificação  imediata do público com o competidor. Exemplo comprovado com os vencedores das temporadas anteriores: Nick(S1), Benji(S2), Sabra(S3) e Joshua(S4). Cada qual com sua característica, similarmente eles foram conquistando seu espaço e crescendo gradativamente, levando consigo o carinho do público. Quem não iria admirar Sabra que venceu a competição, provando com sua dedicação extrema de corpo e alma, sem necessariamente ter nascido já dançando, pois dançar propriamente ela o fazia somente a seis anos. Sempre que cada temporada inicia, me pergunto: Haverão Benji’s, Sabra’s, Joshua’s, entre outros tçao marcantes? Digo que existi sim uma pessoa nessa temporada , que por todos os méritos consagrou-se como “America’s Favorite Dancer”.

snapshot20090820220220Com uma temporada marcada por polêmicas discussões de jurados versus jurados e também jurados versus competidores, a Season 5 mostrou-se diferente das demais. Acredito que por algum motivo essa temporada sofreu com as baixas, sendo elas: pouca variação nos profissionais envolvidos nas coreografias apesar de alguns novos nomes convidados,baixo comprometimento dos jurados e a falta de personalidade do Top 20. Tudo parecia interagir numa sintonia nada comum, sendo os comentários e elogios apresentados num tom diferente, que enaltecia a perfeição mas não impulsionava a evolução dos competidores. Com a definição do Top 4, composto em ordem de escolha: Jeanine, Brandon, Kayla e Evan, podemos verificar alguns aspectos marcantes entre os quatro. Jeanine iniciou a competição como uma verdadeira “outsider”, vista como a sombra de Philip, rendendo comentários que eles somente prosseguiam na competição devido ao apelo que ele tinha com a audiência, que o considerava caricato e gracioso. Quando eles se apresentaram pela primeira vez, dúvido quem não tenha se perguntado: Quem é essa Jeanine mesmo?. Pois sim, até os próprios jurados falaram isso. Por sua vez veem Brandon,  uma das decisões mais controversas de todo o programa. Sem dúvida ele foi o competidor que precisou mostrar realmente por que merecia estar ali e que não era somente o cara sem atlético que fez A apresentação impactante, na qual deixou todos os jurados sem ar. Kayla desde o início mostrou que não haveria outro lugar para ela, a não ser entre os Top 20. Marcada incansavelmente por elogios sobre suas linhas e perfeito jeito natural de “não há nada que ela não saiba fazer”. Evan entrou no Top 20 com uma difícil missão: retirar a dura imagem da “perda” de seu irmão mais velho e provar que a “Broadway ainda está viva”  dentre uma competição tão marcada por dançarinos contemporâneos. O que esses quatro tem em comum? Creio que o merecimento por estarem na final, evoluindo e desempenhando muito bem naquilo em que  propuseram alcançar. Limitações, fraquezas e dificuldades todos passaram, porém somente esses quatro conseguiram brilhar e conquistar pela primeira vez um lugar no Kodak Theather, o magnífico lar dos Academy Awards.

snapshot20090820220532Os jurados representam um papel crucial na jornada de cada competidor, principalmente Nigel e Mary que estão ali toda a semana.Também crucial é a diretriz que a estonteantemente front-lady Cat Deeley traz consigo, creio que ela merece um capítulo enorme na história do show, mostrando na minha opinião o que é ser uma verdadeira apresentadora. Falando novamente nos jurados, essa temporada surtiu um efeito contrário, evidente em Nigel Lytghoe, o produtor-executivo e co-idealizador. Muito foi frisado sobre a falta de competidores que minimamente se assemelhassem com os antigos, questionando a falta de  personalidade e carisma natural, comentários deixados para o público em geral e nunca para que poderiam usufruir com essa crítica construtiva. Creio que buscar comparações é uma linha errada de pensamento, pois evidentemente a cada temporada veremos gêneros de dança muito parecidos, porém o ser humano é único, seja ele como for. Desde o ínicio, sempre torci para Kayla, a loirinha de 18 anos que parecia não errar nenhum movimento, transbordando glamour e estonteante beleza física e performática em suas apresentações. Porém deste então ela já destacava a falta daquela tão esperada característica. O mesmo se repetia com Brandon. Esses dois sem dúvida, considerarando se o programa buscasse o “America’s Best Dancer”, eles sem dúvida brigariam pelo título. Foi realmente decepcionante ver o Nigel falar somente na final que eles precisavam trazer mais e mais de suas personalidades, explicitamente mencionado a Kayla, que consegue maior empatia somente na reta final do programa.

snapshot20090820220358Creio que esses quatro sairiam muito mais completos dos que eles já são se os jurados variassem um pouco em seus comentários, pois realmente deve ser muito bom ouvir que você é praticamente perfeito toda vez, mas por outro lado realmente deixa a dúvida: será que sou isento de erros, será que não tenho nada a melhorar?  Será que eu sou tão limitado assim? Creio que essas perguntas se passam na cabeça desses jovens de 18 a 21 anos, pois eles podem parecer maduros e adultos, mas possuem tais dúvidas como qualquer outro jovem. Neste momento que entram Jeanine e Evan, provalmente os participantes mais desacreditados do ínicio da competição. Jeanine mostrou a maior das evoluções de todo o programa, acredito que muito disso, por exclusivo comprometimento como tudo aquilo que fazia, com cada movimento, cada passo sincronizado, cada interação com seu parceiro, merecendo o título de melhor par para qualquer competidor do programa. São dela os melhores solos do programa.  Evan trouxe o lado doce e carismático do bom moço de família americana, adorado pelas mães e venerado pelas vovós, ficando evidente a intensço que o programa teve. Todos falavam sobre as limitações de Evan, mas que parecia não importar muito pois ele era fofo e tinha as bochechas mais graciosas do universo. Nitidamente entre os quatro, ele é inferior porém em todas as coreografias da final comprovaram a teoria de deixá-lo sempre pra baixo, afinal: ele apanhou e suplicou pela Jeanine no Jazz, foi jogado e varrido no chão do Country Jive com a Kayla e foi explicitamente humilhado na ridícula coreografia Pop sem conteúdo da “Nasty Battle” com Brandon. Creio que talvez estejam poupando criatividade, reduzindo o número de convidados e coreografos fixos como haviam antes, apesar que acho extremamente válido trazer cada vez mais antigos competidores para trabalhar como coreografos, a exemplo do brilhante Travis Wall(S2). Muto disso devesse talvez pelo grande investimento ao trazer pela primeira vez o SYTYCD para o fall-season, momento que irá comprovar ou não seu grande sucesso conquistado no mid-season.

snapshot20090821000714Apesar de não ter gostado da maioria das apresentações da noite anterior (com excessão de  todas com a Jeanine), gostei de rever através das escolhas dos jurados, as melhores rotinas da temporada. Adam Shankman(Hairspray e Buffy) escolheu o Hip Hop coreografado pelo casal NappyTabbs com Jeanine e Philip, que segundo ele, ali já mostrava que ela dominaria até o final. Nigel “Perv” Lythgoe escolhe o explendido Tango Argentino de Janette e Brandon . Mary “Screaming” Murphy consagra o antigo participante Travis(S2) com sua forte e sensual peça contemporânea, entre Jeanine e Jason. Mia “Intensity” Michaels escolhe o o deslumbrante Samba entre Kayla e Max, que a colocou pela primeira vez no “Hot Tamale Train” de Mary. Foi maravilhoso ver o Top 16 novamente dançando ao som de “I Know You Want Me” do Pitbull, naquele misto de boêmia urbana e latina. Após algumas outras apresentações, chega o momento do primeiro anúncio, sendo revelado o 4º lugar para Kayla(na minha opinião injusto porém compreensível). Nitidamente emocionada, Kayla tem mais uma missão no palco: dançar com Kupono a mais bela e intensa coreografia desta temporada e sem dúvida de todas. Foi devastadoramente lindo vê-los novamente ao som de “Gravity” de Sara Bairelles, na rotina “Addiction” da fantástica Mia Michaels. Evan quase em seguida recebe o 3º lugar, após apresentar a graciosa coreografia do “bumbum”. Ele mostra que ele é talentoso e merecia estar ali, independente do massacre que ele recebeu dos jurados e das coreografias.

snapshot20090821002809Com os resultados finais se aproximando, resta saber quem levará o titulo: Jeanine ou Brandon. Antes do tão esperado momento, a produção do programa surpreende quando o Top 8 Dancers entram no palco dançando “One” do musical A Chorus Line , eis que surge então, num passe de mágica os coreografos: Nigel, Mary, Mia, Debbie, Tyce e Adam dançando numa participação mega especial. Como diria Cat Deeley, “Let’s go back to the bussiness”.  Brandon mostrou superação física e psicológica além do extremo cuidado e profissionalismo em tudo que fazia, conseguindo virar o jogo ao seu favor, devolvendo cada dúvida que Mia Michaels teve inicialmente sobre ele.  Porém Jeanine confirmou o quão incrível foi sua jornada, de fato não caberia de forma melhor a coreografia de Mia para as Top 2 Girls na noite passada, ali vemos uma competidora avançando, roubando a cena merecidamente, mostrando o quão completa foi ao longo desta temporada, na qual esbanjou senso de humor, dedicação e força naquilo que acredita fazer melhor.

And the Oscar (oops) goes to…………… JEANINE MANSON!

snapshot20090821004055

(Marco você me conheçe mesmo: Eu me empolguei, certo?)


So You Think You Can Dance (5.22) – Top 4 Perform

Agosto 9, 2009

so_you_think_you_can_danceEste é o primeiro reality show que eu me aventuro a escrever reviews semanais. Já tinha pensado em fazer isso com Survivor, mas como no início de 2009 estava cheio de trabalho já para fazer, deixei de lado. A quinta temporada de So You Think You Can Dance é a primeira que eu vejo, por recomendação da Mary Barros, autora dos reviews de Brothers and Sisters, Glee, Kyle XY e Greek. A parte de escolher os melhores das seis cidades já passou e agora está na hora de enfrentar aqueles que vão decidir quem é o próximo grande dançarino dos Estados Unidos: o público. Foi na última quinta-feira que se soube quem venceu a quinta temporada do programa e devo dizer que fiquei completamente satisfeito. Ao contrários das outras semanas, desta vez comentarei separado os dois episódios, começando por o de quarta-feira, dia 5 de Agosto.

O Kodak Theatre foi o palco principal dos nossos quatro finalistas que fizeram de tudo para merecerem chegar à final. Depois da apresentação dos mesmos, temos a dança conjunta dos quatro com o tema de futebol americano, em que os jogadores são os rapazes e as cheerleaders são as raparigas. Confesso que de todas as performances que houve em grupo, e até nesse episódio em geral, essa não me agradou muito, mas mesmo assim foi bom ver os quatro finalistas juntos. Logo de seguida foi mostrado um vídeo promocional da sexta temporada que promete muito. Eu, que estava indeciso entre ver e não ver, por falta de tempo claro, acho que vou fazer um esforço e tentar acompanhar semanalmente. A única que espero é que não tenham mostrada o melhor nesse vídeo e que ainda tenha muito mais para ver quando a série regressar no início de Setembro. Pela experiência que tive na quinta época, acho que não me vou desiludir.

Ao contrário do que a Mary Murphy disse, eu não gostei muito do casal Jeanine e Evan. Eles são os meus dois favoritos do programa (apesar de ter plena consciência que o Brandon é melhor que o Evan), mas sei lá… não gostei da performance. Também devo ser um pouco suspeito para falar pois não dançaram o meu estilo favorito e, por exemplo, se fosse um Broadway, aí acho que iria adorar vê-los juntos. O solo do Brandon não foi nada de especial quando comparado com o excelente da semana passada. Comparando, o da Jeanine foi muito melhor!

Untitled-1

O Brandon e a Kayla têm uma força contagiante! A sua performance como casal foi uma das melhores que ambos já tiveram e fiquei bastante surpreendido por ter gostado bastante, mas a verdade é que foi mesmo excelente, superando a dupla Jeanine e Evan. Mas as surpresas não ficaram por aqui e o melhor ainda estava por vir: o solo da Jeanine. Eu já revi pelo menos umas dez vezes todas aquelas voltas que ela deu na perfeição e o facto de ter adorado mesmo este solo é porque nunca apreciei muito os outros dela. Mas esse foi absolutamente fantástico e que certamente despoletou os votos que a elegeram vencedora no programa seguinte. Tal como o Adam disse, ela tinha acabado de derrotar o Brandon em termos de solo e eu concordo plenamente! Ela escolheu o melhor para o fim e não podia ter tomado melhor decisão, já o Brandon pecou nesse aspecto e saiu-lhe caro!

Transformar o Evan num ‘bad boy‘ não deve ter sido nada fácil e não sou da mesma opinião do Nigel. Acho que ele conseguiu muito mostrar um lado mais ‘nasty’ (como a Mary disse) e não ficou nada atrás do Brandon. Mia Michaels também fez um bom trabalho da dupla das raparigas, como sempre. A Mia pode ser uma das mais exigentes e por vezes injusta, mas também é aquela que cria a melhores coreografias do programa. Chegamos agora ao solo do Evan e novamente ele é criticado pelo júri, que tem a sua razão. O Evan não é, de todo, o melhor dançarino desta temporada de ‘So You Think You Can Dance’, mas é, sem dúvida, o melhor entertainer da época, e isso ninguém que lhe pode tirar. À semelhança do Brandon, ele também não conseguiu trazer o melhor que tinha para oferecer neste solo, mas nem por isso saiu prejudicado, visto ter ficado à frente da Kayla no final. É notório o carinho que o público americano tem por ele!

Melhor performance de casal: Jeanine e Brandon

Melhor performance de solo: Jeanine

A dupla Evan e Kayla foi absolutamente fabulosa. Adorei! Adorei mesmo! E como sempre, o júri volta a desprezar outra vez o rapaz, mesmo quando não têm assim tanta razão como da outra vez. A sensação de ter três mil e quinhentas pessoas a gritar o vosso nome, como fizeram com o Evan, deve ser a melhor recordação que se podia levar de um evento com esse. Ainda bem que ele recebe esse tipo de apoio da plateia, pois se fosse reger-se com os comentários do júri, já se sentiria um derrotado há muito tempo atrás. O solo da Kayla foi apenas normal, mas como sempre aquelas pernas lindíssimas fazem da sua dança algo forte e simples ao mesmo tempo.

Por fim, e como este review já vai longo, temos a performance do Brandon e Jeanine. Ao som da banda sonora de ‘The Matrix Revolutions’, ambos apresentaram algo extraordinário e que faz jus ao ditado ‘o melhor fica sempre para o fim’. A Mary Purphy não podia acabar a noite sem gritar e fê-lo no momento certo, com a ajuda do seu colega de júri Nigel. Por falar nele, foi bom ele ter sido sincero no que toca a eleger um possível vencedor, fugindo dos habituais clichés ‘não faço ideia’ ou ‘pode ser qualquer um’. Ele sabia muito bem que seria a Jeanine ou o Brandon e não enganou-se! Em breve sai o review do episódio final, que, como já devem saber, foi muito bom! Vai ser um prazer enorme escrevê-lo!


So You Think You Can Dance (5.20/21) – Top 6

Agosto 6, 2009

so_you_think_you_can_danceEste é o primeiro reality show que eu me aventuro a escrever reviews semanais. Já tinha pensado em fazer isso com Survivor, mas como no início de 2009 estava cheio de trabalho já para fazer, deixei de lado. A quinta temporada de So You Think You Can Dance é a primeira que eu vejo, por recomendação da Mary Barros, autora dos reviews de Brothers and Sisters, Glee, Kyle XY e Greek. A parte de escolher os melhores das seis cidades já passou e agora está na hora de enfrentar aqueles que vão decidir quem é o próximo grande dançarino dos Estados Unidos: o público. É já hoje, quinta-feira, que saberemos quem vence, mas antes disso nada melhor do que comentar o Top 6 que, ao meu ver, fez por merecer estar lá, e de que maneira!

Começo por comentar o episódio vinte com as performances de cada sexo. Os três rapazes – Ade, Evan e Brandon -, conseguiram abrir o programa com a chave de ouro e criar um dos melhores momentos que eu vi nesta temporada de So You Think You Can Dance. As meninas, todas bem vestidas e sensuais como super heroínas, também tiveram a proeza de fechar o programa da melhor forma, embora eu continue a preferir a dança dos rapazes, pois achei menos lenta. Sobre os casais, o que mais gostei foi o Evan com a Melissa, até porque o Broadway é um dos estilos que mais gostei de ver em ‘So You Think You Can Dance’. Uma coisa interessante sobre o Evan é que ele foi, talvez, o mais criticado pelo juri e que mais o desapontou, mas demonstra ser muito acarinhado pelo público, ao contrário da Janette, por exemplo, que foi eliminada na semana passada.

Da mesma forma que o Evan tem mais jeito para esse estilo e a Melissa para o ballet, o Brandon consegue ser esplêndido no estilo disco. Aliás, ele e a Kayla até que formam um bom par, muito melhor do que Kayla e Kupono, par esse que eu não suportava nada. Também gostei muito do Hip-Hop do Ade e da Jeanine, esta com uma grande capacidade para vencer o programa. O que mais gosto na Jeanine é que ela começou tão por baixo, sendo aparentemente beneficiada pelo Phillip, que acabou por estar nos quatro finalistas e ainda com grandes probabilidades de vencer o programa. Será que é só eu daqui que torço por ela para vencer o reality show?

Untitled-1

A nível dos solos que foram apresentados ainda no episódio vinte, gostei particularmente do Brandon. Repetindo a fórmula que o tornou o grande favorito da Mary nas audições no início da temporada, Brandon prova mais uma vez o porquê da júri o ter elogiado tanto. Também gostei do da Kayla e claro, como sou fã da boa disposição do Evan, também gostei do solo dele. No geral, foram todos bons, mas são esses três que sobressaltaram mais, pelo menos para mim. E parece que não foi só eu, visto que o público não eliminou nenhum desses três.

O episódio dos resultados abriu com uma dança de palhaços que, para mim, foi a melhor que eu vi em toda esta temporada a nível de performance em grupo! Outra dança que adorei nesse episódio foi aquela que foi acompanhada pela música ‘Mercy’, pois como não vi as temporadas anteriores, nunca tinha a visto. É algo mesmo de extraordinário e criativo! Mas não foi a única que me fez adorar tanto esse Top 6 resultados, sendo que ‘Bleeding Love’ também é algo de fantástico e o programa só ficou a ganhar ao trazer esses concorrentes mais antigos de volta ao palco. E chegámos então à última eliminação desta quinta temporada com a saída de duas pessoas que eu gostei bastante por parecerem ser tão humildes e simples: Melissa e Ade. Melissa, como a concorrente mais velha da época, conseguiu chegar tão longe que deve estar tão orgulhosa de si mesmo e tal como o júri disse, existem concorrentes que foram eliminados mesmo na semana antes da final e que hoje em dia são grandes profissionais e cheios de sucesso. Eu espero, sinceramente, que isso aconteça a eles dois!

A final vai ser grande! Quem eu queria que vencesse: Jeanine. Quem eu acho que vai vencer: Brandon. E vocês?