Cinco spoilers bombásticos da segunda temporada de Fringe

Agosto 7, 2009

Untitled-1

O site TV Addict fez uma lista com cinco spoilers de nos deixar realmente ansiosos para a estreia da segunda temporada de Fringe. São eles:

  1. Enquanto que no primeiro episódio (a estreia da série) de Fringe abriu com um acidente de avião que matou misteriosamente dezenas de pessoas, a segunda temporada começa também com um acidente, mas desta vez de automóvel. Enquanto que o acidente em si é mais pequeno, o impacto que ele terá no futuro é muito maior, principalmente quando um dos nossos agentes favoritos está em apuros.
  2. Os fãs vão ficar aliviados ao ver que a Olivia voltou do universo alternativo em que foi transportada no final da primeira época. Mas, como é óbvio, primeiro vai haver uma ou duas capturas. Por um lado, ela volta com peças essenciais da sua memória que estão relacionadas com os eventos que acabou de passar, mas por outro, ela não foi a única a entrar por aquela misteriosa ‘porta’.
  3. Não acredites em tudo o que lês acerca do Agente Charlie Francis – mesmo quando o próprio actor que o interpreta, Kirk Acevedo, disse no seu Facebook que fora despedido. Ou melhor… acredita. Quer dizer… mais ou menos. Está claro o suficiente?
  4. Esse episódio também vai apresentar a nova agente Jessup (interpretada por Meghan Markle), cujo diálogo é como um ‘Fringe para Totós’.
  5. Quando o episódio terminar, coloque algumas almofadas no chão para proteger o seu maxilar de tão estupefacto que vai ficar com o cliffhanger final. Nós estamos a falar no já clássico J.J. Abrams ‘vocês estarão a falar sobre isso no dia seguinte’.

Então, gostaram das novidades? Eu estou mortinho que chegue o dia 17 de Setembro!

Anúncios

FOX lança fotos promocionais do elenco de Fringe

Agosto 5, 2009

fs2pA segunda temporada de Fringe, do mesmo criador de Lost, Alias e Star Trek – JJ Abrams – chega no dia 17 de Setembro e é uma das estreias que estou mais ansioso nesta fall season. A série começou morna mas a segunda metade da temporada mostrou o porquê de ela ser o novo sucesso da FOX americana e ter uma das melhores audiências da emissora. A seguir podem ver várias fotos do elenco da série que foram lançadas hoje na Internet. Apesar de Kirk Acevedo sair logo no início desta segunda época, ele também foi uma das personagens que tirou as fotos.


Vídeo e poster da segunda temporada de Fringe

Julho 31, 2009

fs2pA segunda temporada de Fringe, do mesmo criador de Lost, Alias e Star Trek – JJ Abrams – chega no dia 17 de Setembro e é uma das estreias que estou mais ansioso nesta fall season. A série começou morna mas a segunda metade da temporada mostrou o porquê de ela ser o novo sucesso da FOX americana e ter uma das melhores audiências da emissora. A seguir pode ver um vídeo promocional e poster que foram lançados ontem. Infelizmente a qualidade da imagem não é grande coisa, mas já dá para satisfazer alguns fãs.

fs2p2


CC09: Novidades sobre Fringe e True Blood

Julho 26, 2009

158Outros dois painéis que eu adoraria ir aconteceram neste sábado e, como tal, novas novidades surgiram. Como já devem ter percebido, estou a falar de Fringe e True Blood.

No painel de Fringe tivemos os produtores Jeff Pinkner, Alex Kurtzman, Jim Wyman e os actores Anna Torv (Olivia), Joshua Jackson (Peter), John Noble (Walter) e Jasika Nicole (Astrid). Foi confirmado que o grande vilão da primeira temporada, David Jones, vai voltar na segunda, pois na realidade alternativa ele está vivo. Quem também vai ter algum destaque antes de sair da série é o personagem Charlie, e um dos produtores disse que os rumores da sua saída foram bastante exagerados.

Jackson revelou que descobriremos mais de Peter neste segundo ano e que ele fará parte de uma guerra. Essa ‘guerra’ foi mencionada mais que uma vez no painel, logo este deve ser um dos temas a explorar. Resta saber quem são os dois lado! O observador também vai voltar na segunda temporada, por isso fiquem atentos aos episódios. Quando questionados se Walter vai encontrar a si próprio no mundo paralelo, os produtores disseram que isso seria engraçado e que vai acontecer.

Já em True Blood, o painel foi recheado de convidados com todo o elenco principal à excepção do Jason Stackhouse. Anna Paquin (Sookie), Stephen Moyer (Bill), Rutina Wesley (Tara), Michelle Forbes (Maryann), Nelsan Ellis (Lafayette), Sam Tramell (Sam), Deborah Ann Woll (Jessica) e Alexander Skarsgard (Eric) foram acompanhados pelo criador Alan Ball e a escritora dos livros Charlaine Harris.

Alexander comentou que o facto de ele não poder tocar na Sookie só deve aumentar o seu interesse por ela. Harris contou que assinou um contrato para escrever mais três livros da saga, totalizando, assim, doze. Se cada temporada abordar um livro e se ela for sempre renovada, será que teremos, pelo menos, doze temporadas? Eu acho isso um pouco impossível, mas pelo menos sete acho que teremos, visto que foi esse o contrato que Anna Paquin assinou com a HBO.

Por falar em novas temporadas da série, Ball disse que a confirmação de uma terceira temporada deve ser dada em breve e que está muito ansioso para introduzir lobisomens no universo True Blood. Além disso, o criador também contou que o triângulo amoroso entre Bill, Sookie e Eric também será abordado na série. Sobre bebés que poderão nascer entre humanos e vampiros, Alan disse que não haverá meio termo: ou são vampiros, ou são humanos!

Por fim, foi dito que o Lafayette vai dançar todo nu na série e que o Eric vai encontrar o seu criador Godric. E para acabar em grande, foi divulgado um trailer sobre a segunda metade da temporada, trailer esse que já pode ver a seguir. Garanto que está muito bom! Para verem mais informações acerca desses dois painéis, podem visitar o Tudo está rodando!


Lista: 10 Momentos Arrepiantes em Fringe

Junho 10, 2009

f1

Apesar de ainda ser uma série recente, Fringe já entrou na memória dos espectadores. E se não for pela sua qualidade, a série entrará, de certeza, devido aos momentos arrepiantes que nos dá semana atrás de semana. Desde uma pessoa a queimar, passando por a existência de várias realidades, a série é perita em mostrar momentos que não se recomendam aos mais esquisitos nem aos que têm problemas cardíacos. Para aqueles que não sofram destes dois problemas, aqui ficam os momentos mais Fringe de Fringe, até agora.

f21

1 – Fringe (1.01) – Pilot

Nada melhor que começar logo em grande. Fringe teve um piloto excelente, mas a montagem inicial é do melhor que há da série. Começamos por ver turbulência, e conhecendo a premissa da série pensa-se que vem daí o problema. Nada mais enganador. O ambiente que se cria dentro do avião é de normalidade, pois a turbulência não parece assim tão preocupante. Mas as luzes vão a baixo e começa o ambiente de terror. A imagem fala por si, mas os gritos misturados ainda tornam o ambiente mais aterrador. O momento mais arrepiante da série, para mim. Clique para ver o vídeo

2 – Fringe (1.02) – The Same Old Story
Agora não como abertura, mas já no meio do episódio. O caso era apanhar um homem que envelheceu demasiado rápido, e agora tinha de fazer “canibalismo” para manter-se vivo. E Walter lembra-se de uma maneira de o apanhar. Para isso tinham de utilizar uma máquina de laser óptico para ler o olho e captar a última imagem que ele captou. E é por isto que temos esta excelente imagem. Obrigado por existires, Walter.

3 – Fringe (1.03) – The Ghost Network

Outra abertura, outro momento. Agora a criação de um ambiente que condiz mais com a situação, com uma transição entre uma confissão e o incidente. A confissão é mais aterradora que o incidente em si pois o desenho prepara-nos para o que vem ai, e a como qualquer boa cena, o brinde só chega no final. Um autocarro cheio de “fantasmas” lá dentro enclausurados. Outro momento, no mínimo, esquisito. Clique para ver o vídeo

f4

4 – Fringe (1.06) – The Cure
Quando uma rapariga é largada no meio da rua por homens vestidos dos pés a cabeça, sabemos que algo não está a bater certo. O sentimento que temos quando começamos a ver esta cena é de desconfiança. Mas o ambiente que se cria parece normal. Um café normal, com pessoas normais. Mas a confiança aflora quando começamos a ver o estado da rapariga. A partir daí temos a confirmação de que algo não está bem, e depois é deixar a cena correr. Sangue a jorrar dos olhos dos utilizadores do café e o culpado a ver a sua cabeça arrebentar. Podemos concluir que isto é Fringe!

5 – Fringe (1.07) – In Which We Meet Mr. Jones
Num episódio que temos a introdução de uma das personagens mais importantes da temporada, nada melhor que ver mais um momento de deixar o coração nas mãos. De novo uma abertura muito calma, tentando mostrar uma normalidade fora do usual. E depois temos a queda do agente do FBI e vamos tentar descobrir a causa. Ataque de coração é o mais provável. O pior é que quando vamos ver como está o coração. Não é que seja muito normal ter um parasita a sua volta, mas prontos.

f3

6 – Fringe (1.10) – Safe

Outro episódio, outro momento. Agora sem ter grande coisa de arrepiante, este momento serviu para demonstrar que em Fringe tudo é possível. Ver uma pessoa ultrapassar uma parede sólida com o menor dos esforços foi lindo. O pior veio a seguir, quando essa pessoa fica presa na parede que atravessou. Mas isso é outra conversa. Clique para ver o vídeo

7 – Fringe (1.12) – The No-Brainer

Para os viciados no computador, com este episódio Fringe avisa que uma das melhores criações do homem é perigosa. Mas não para os olhos, mas para a vida. Uma mão a sair do computador, mesmo que depois saibamos que é uma ilusão, causa um efeito fantástico e deixa-nos a pensar. Afinal os perigos do PC não são aqueles que pensávamos, mas outros. Clique para ver o vídeo

f52

8 – Fringe (1.13) – The Transformation
O regresso a um avião não é grande sina. E se a desconfiança é uma coisa que Fringe não deixa por mãos alheias, temos outro caso para comprovar esta tese. A abertura é bem longa, para criar suspense, e depois vem a cereja em cima do bolo: ver espinhos a saírem das costas de uma pessoa e ver esta pessoa a sofrer metamorfose é invulgar. Mas damos um desconto, pois é de Fringe que falamos.

9 – Fringe (1.14) – Ability

Ability poderia ser uma pérola de momentos invulgares em Fringe. Mas, destes todos, o que mais me lembro foi a fuga da prisão de Mr.Jones. Qual Prison Break, qual carapuça. Uma saída da prisão de Fringe é feita com peso, conta e medida. Mr.Jones decide evadir-se, e que melhor que desaparecer da Alemanha e aparecer nos USA? Um truque a ser utilizado por todos os prisioneiros presos injustamente. Ou é isto ou é ter um irmão chamado Michael Scofield. Clique para ver o vídeo

10 – Fringe (1.20) – There’s More Than One of Everything

Apesar de não ser muito arrepiante, este momento dá um arrepio na espinha. Nada melhor que acabar a temporada do que numa realidade diferente, onde temos o presidente Obama a mudar-se para uma nova Casa Branca. E que ainda temos JFK vivo (?). E que tal ter os WTC em pé? É preciso pedir mais? Clique para ver o vídeo

E para vocês quais destes momentos vos impressionou mais?

Imagens criadas pelo Marco Braga.


Fringe (1.20) – There’s More Than One of Everything

Maio 15, 2009

fringeA nova série de J.J.Abrams chega ao fim, com mais um episódio de nível extremo, do mesmo modo que a ciência que se pratica por aqueles lados. Temos um episódio alucinante, cheio de mistério, que já vinha do anterior, com algumas respostas e com mais perguntas a orbitarem pela série. Foi um episódio típico de Fringe, uma forma de fechar com chave de ouro uma temporada já de si dourada.

There’s More Than One of Everything trouxe um episódio que começa com a confirmação de algumas suspeitas. Nina Sharp sobrevive ao ataque que sofreu no episódio anterior, e começa a demonstrar alguma importância para a série (mesmo que só seja esta). Até agora a vice-presidente da empresa mais poderosa do mundo servia só para não dar respostas, desta vez traz algumas. Primeiro a de ter sido atacada pelo homem da temporada, David Robert Jones, Jones para os amigos. Jones tem ganho uma importância no decorrer da temporada, e este episódio representa o ponto culminante e final da sua participação, como já se verá. Continuando que depois isto fica muito longo. Jones ataca Nina para lhe roubar uma célula de energia que estava no braço mecânico de Sharp, tendo sendo esta colocada por William Bell, o mistério da temporada.

A chegada de um Jones cheio de ligaduras e com olho bem claro, no sentido literal, vem trazer uma parte mais sobrenatural ao episódio, e este ainda fica maior quando começamos a perceber a verdadeira intenção de Jones. O cientista teve uma ligação com a Massive Dynamics, trabalhou nos tempos primórdios para a empresa do homem mais rico do mundo, mas não consegui impor-se. O rancor foi transferindo-se ao longo dos tempos, e chegamos ao ponto de que ele tem os meios para correr atrás do homem que não acreditou nele. E aqui entra a célula, que servirá para transportar Jones para outra realidade, onde parece que William Bell mora (outro contributo da Nina Sharp).

Foi uma corrida contra o tempo, procurando Jones por um local onde conseguisse encontrar as condições que lhe permitiam mudar de mundo, com Olivia à procura de Jones. Temos um camião a passar de realidade, temos um corpo a ser trespassado, ficando uma parte na “nossa” Terra e outra na “outra” Terra (desculpem lá este comentário, mas esta parte fez-me lembrar os livros do Harry Potter, só com consequências menos mortais). Mas Jones ainda não encontrou o ponto onde as realidades quase se tocam.fringe-21

Mas essa informação estava reservada para Walter. A última imagem que tivemos do mais velho dos Bishop’s foi quando The Observer veio-o buscar, e agora percebemos a razão. Walter fica incumbindo de salvar o seu companheiro Will, ao fechar o “janela”. Com a ajuda da Peter, esse instrumento é encontrado (excelente pormenor da moeda, que viria a ser importante, e já falarei), e a caça a Jones também começa para este duo.

Depois foi com um ritmo alucinante que chegamos Reiden Lake, o local onde tudo acontece. Junta-se toda a gente, começam os preparativos para a festa. Jones a tentar largar os foguetes é queimado. A “janela” é fechada, Jones morre devido a Peter, que com a maquineta de Walter fecha o portal. Caso para dizer que pagou da mesma moeda, ficando também a meio caminho.

Falta tocar em dois pontos. Começando por Peter Bishop. As informações tinham nos chegando aos poucos, mas neste episódio temos algumas bastantes importantes. Parece que Peter não é filho de Walter, ou se o é, é de outra dimensão. Walter começa a explicar que criou a máquina da “fechar a janela” para uma viajem que ele realizou para repor algo que lhe faltava. Dá para ver que o filho morreu, e outra prova de que este não é Bishop Jr. é de que Peter não se lembra da colecção de moedas que fez quando tinha 7 anos, presumivelmente da doença que sofreu na altura (1978-1985). Ainda outro pormenor que encaixa é de Walter confirmar logo os olhos de Peter, presumivelmente devido aos efeitos das viagens entre realidades. Acho que é possível concluir que o verdadeiro Peter morreu, e Walter repôs por um filho. Agora o que aconteceu com a mulher de Walter e com os pais de outra “janela”, com a perda dos seus filhos? Ou outra pergunta: Será Peter filho de Walter, mas noutra realidade? E por último: Será Peter o próprio Walter, mas de outra “janela”? Podia continuar, mas acho que já perceberam que nada se sabe e que são muitas as hipóteses possíveis.

E depois temos o culminar do episódio. Numa demonstração de que os mundos paralelos são completamente diferentes, a utilização de WTC serviu para demonstrar a diferenciação entre eles. Olivia viaja entre eles (quem serão aquelas pessoas que apareceram no salto?) e encontra-se com William Bell, como prometido. Agora as respostas ficarão para a segunda temporada, pois desta vez só deu para dar uma olhada. E depois, largo eu uma pergunta. Se Olivia já visionou algumas partes de outra realidade, o que que terá acontecido para que ela tenha visto a destruição dos prédios?

Outros pormenores:

  • Conhecendo J.J.Abrams mais ao menos, sei que nada é feito sem propósito. Então qual teria sido o propósito do quase acidente de Olivia, perto do final? Circulam por aí algumas teorias, mas informações concretas há poucas. A primeira informação é o do surgimento de uma pessoa em glazer no fundo da imagem. Será apenas coincidência ou terá alguma importância? A segunda, e essa já é mais discutível, é o surgimento do The Observer, como se vê pela imagem. Resta saber qual a importância. E teorias vão surgindo.

    olivias_accident_120_2

    olivias_accident_120_3

  • A moeda de Peter foi “esculpida” por um alemão, mais precisamente por A.A. Weinman. Cá está mais uma referência a Berlim. Um pequeno pormenor para juntar a muitos outros.

E assim se acaba a primeira temporada. Agora é só esperar até Setembro para ter-se partes das respostas, mas fica desde já o aperitivo, um promo da segunda temporada.

Nota: 9,5

SEASON FINALE


Fringe (1.19) – The Road Not Taken

Maio 8, 2009

fringe-119Com a promessa de nunca mais ver um promo de Fringe após o último episódio, a série da ciência levada ao seu nível mais extremo tem mais um excelente episódio. A série de J.J.Abrams regressa para mais um episódio cheio de mistério, mas que vem dar muitas esperanças para o final de temporada. Tudo foi pincelado, algumas coisas mais fortemente, outras mais suavemente, mas nota-se que é um episódio pré-season finale, pois deixa os mistérios, digamos, a mão de semear. Os caminhos estão desbravados, e agora é só colocar a máquina nos carris e deixa-la andar.

Ao contrário de habitual, Fringe pegou no filão que tinha ficado do episódio anterior e começou a construir o episódio. A caça a ZFT vem ganhar um novo fôlego com a informação de que William Bell é o seu financiador. A caça é aumentada, pretendendo-se encontrar uma ligação entre estes dois seres pouco conhecidos para o espectador. Enquanto isso, a vida fora da agência do FBI decorre normalmente, para os padrões de Fringe. Até quando uma mulher “decide” pegar fogo e explodir, literalmente. Mais um dedo da ZFT? Parece que sim.
O caso desenrola-se, mas Olivia não está bem. Primeiro vê dois corpos quando só está um, depois vê que o escritório de Broyles tinha sido quando nada disso aconteceu, e depois tem a visão de uma cidade em chamas. O regresso a realidade dá-se poucos momentos depois, mas o que que está a acontecer?

Parece que a droga que Olivia recebeu quando ainda era pequena vem trazer-lhe estes poderes, de poder visionar o que aconteceria se seguisse outra estrada da vida (Walter esteve especialmente inspirado com as metáforas desta vez). Mas o caso continuava, e Olivia começa a pensar que não seria coincidência. Assim decide utilizar as suas capacidades para resolver o caso. Para além disso tem a ajuda de Peter, que faz valer aquele conhecido ditado “Filho de peixe sabe nadar”, demonstrando que não é o seu pai que tem o seu lado Fringe (Walter é quase todo Fringe, diga-se). Os dois lá conseguem resolver o caso ficando a saber que o superior de Olivia, Sanford Harris, tem contribuído para a activação destas pessoas, e é apanhado com a boca na botija. Uma surpresa, pois parecia que não teria grande importância, e ganha-a.

Quanto a William Bell, temos o regresso de Nina Sharp a narrativa, com a preocupação de travar a investigação sobre o chefe da sua empresa. A protectora parece que acaba mal o episódio, se o acabar mesmo. Se morrer não se perde grande coisa, se sobreviver, ainda vai responder a umas questões.

Outras pormenores:

  • Ver que foi William Bell a escrever o manifesto da ZFT e não Walter foi deveras interessante. Para além disso ter Walter a tentar provar a inocência do Bell demonstra que, apesar de o chefe da Massive Dynamics o ter desprezado, a sua admiração por ele nunca acabou. E outra questão que ficou no ar foi quem tirou as páginas que ilibavam do manuscrito? Ainda vamos ver.
  • Eu, para além de ter ficado de boca aberta com a aproximação de Sanford Harris da ZFT, fiquei ainda com uma questão permanente na cabeça. Será que o exame psicológico não seria também um teste para Olivia, mas daqueles mais científicos?
  • Outra coisa que me ficou na cabeça é se Olivia tem o poder de explodir. Se for como penso, e o que eu penso é que todos os soldados possuem os mesmos poderes, então penso que sim.
  • A câmara como filmaram os flashs de Olivia ainda acentuou o efeito pretendido.
  • Parece que temos mais um conhecedor da verdadeira face de William Bell. O lunático por Star Trek (excelente referencia ao novo filme de J.J.Abrams) pareceu-me saber do que fala, mas foi principalmente para fazer a referência ao filme.
  • O que que será verdadeiramente Isaac Winters, o advogado que anda a fazer experiências? De advogado não tinha nada.
  • Vemos que a Massive Dynamics tem uma grande ligação com o governo americano. Mas o que aconteceu da última vez que The Observer apareceu tão frequentemente?
  • A conversa que Olivia tem com Walter é exemplificativa que o mais velho dos Bishop’s ainda não está recuperado.
  • As caixa com as luzinhas ao lado da cadeira da segunda “cobaia” foi um excelente pormenor, não foi?
  • Para acabar ver o Walter a sair com The Observer, e logo com a excelente frase: “É hora de ir.” Porque agora e para onde?

A série de J.J.Abrams tem um excelente episódio, que deixa a um gancho perfeito para o final de temporada. E agora é caso para dizer: É chegada a hora da season finale. Que venha ela

Nota: 9,6