Jennifer Morrison deixa House!

Setembro 24, 2009

Sem títuloO Michael Ausiello, colunista americano conceituado em televisão, acabou de dizer que a actriz Jennifer Morrison, que interpreta Cameron na série House, está de saída do drama médico!

Apesar da FOX ou um representante da actriz não confirmar o que foi dito, a verdade é que Morrison vai mesmo deixar House em Novembro e algumas pistas da sua saída foram dadas. Primeiro que tudo, ela não vai morrer. Em relação a Jesse Spencer (Chase), ele não vai deixar a série, logo a relação dos dois deverá sofrer algumas mudanças. Por último, e para descanso dos fãs, os produtores deixarão a porta aberta para uma possível participação na recta final da sexta temporada.

Agora vamos lá a alguns factos que me metem alguma confusão… Pronto, ela está de saída! Eu confio nas palavras do Ausiello, logo isso é verdade. Mas também é verdade que o criador da série disse que os fãs do casal Cameron-Chase iriam ficar contentes com o rumo que as coisas iriam tomar. Além disso, a actriz disse que os episódios que ela gravou foram muito trabalhosos pois tinha voltado a ser uma personagem central. Qual a razão então por detrás desta saída repentina?

Tudo o que foi dito foi o seguinte: razões criativas!

Anúncios

House (6.01/02) – Broken

Setembro 23, 2009

House7They didn’t break me, I am broken.

House está de volta. Após uma quinta temporada que deixou muito a desejar, o regresso trouxe de novo um House que conhecemos. Num episódio muito bem construído, não vimos casos, não vimos pacientes, vimos uma pessoa: House. One man show.

Não vinha com muitas esperanças para este episódio. Primeiro por causa do tempo, pois não estava a ver-me 90 minutos pregado ao computador com House preso num e a um hospital psiquiátrico. Segundo porque não estava a ver House, como série, aguentar 90 minutos sem um paciente, sem um caso, sem um puzzle para o protagonista resolver. Redondamente enganei-me. E ainda bem que isso aconteceu. Pois foram 90 minutos muito bem gastos, com um episódio que me deixou preso ao computador. Pois não foi um episódio de House, foi um episódio sobre House.

House, desde a primeira temporada, pouco modificou. Teve alguns momentos que tinha mudanças, mas estas eram logo retiradas, voltava-se ao mesmo House. Até que este House atingiu o limite. Precisava-se de um novo House, de alguém mais fresco. Foi para isto que o episódio serviu. Para mostra um House diferente, um House mais verdadeiro. Pois o House do final do episódio sempre existiu. O que era é que estava sobreposto por outro House.

E é este “outro House” que vemos na primeira parte do episódio. Sim, um House em mudança, mas não em mudança do que interessa. Para quem interessa que House tome medicamentos? A consequência dos medicamentos é que mantinha a série interessante. Ou seja, na primeira parte não vemos um House diferente da 5ª temporada. É o mesmo House, só que sem medicamentos. Um House que atormenta o resto das pessoas, que não se enfrenta a si próprio. Um excelente exemplo disso é o jogo de basquetebol, no qual ele elimina todos os seus adversários usando a sua desumanidade. É um House solitário, um House “bad boy”, que não se deixa vencer pelo sistema, mas sim contorna-o para seu proveito.House3

Foi a parte mais divertida do episódio. Vimos um House sempre imaginativo, que não pára de atormentar a clínica onde está, contra a sua vontade. Vemos um House engenhoso, um House que não se preocupa quantas pessoas tem de magoar para sair da sua prisão. Vemos um House que faz de tudo para se libertar. Mas a consciência é algo que, apesar de estar bem escondida em House, está lá. E num destes “brilhantes” planos de House que tudo se volta contra ele. A consciência aparece mais que nunca, e começamos a ver um House diferente, um House que percebe que não poderá viver assim. Um House totalmente distinto.

A partir daí vemos um House mais cooperante, mais humano. Um House novo. Começa a ajudar, mas continuamos a não perder o House antigo. House, para viver, precisa de puzzles para resolver. E começa, intuitivamente, a arranja-los no hospital psiquiátrico. Tenta começar a corrigir o incorrigível. Mas é só quando dá conta do erro que consegue corrigir. O House antigo não resolveria aquele problema porque nunca iria pedir desculpa. Outra mudança para melhor.

Para além disso, vemos um House sem medo de assumir relacionamentos. E sofrer com a quebra de relações pessoais. Um sinal poderá sair daqui para a relação House-Cuddy. House está mais social, mais romântico, propicio a mais e melhores relacionamentos. Vamos ver o que sai daqui.House2

Para acabar, é interessante reflectir sobre o companheiro de quarto de House. O seu compincha dentro do hospital é igual a House, antes da saída do hospital. Pois ambos têm medo de mudanças. Pois ambos têm medo que se mudarem um aspecto, nem que seja pequeno (ou seja, começar a tomar medicamentos), na sua vida perderão o seu dom. Ambos têm medo de perder aquilo em que são bons. E ambos concluem que não poderão ficar pior do que estavam. Foi o ponto de partida para ambos. House percebe que não poderá viver sem mudança.

Antes de fechar, falar de Hugh Laurie. Com um episódio destes, Hugh pode brilhar. Uma dádiva na representação. Para quem quiser seguir teatro deverá ver estes 90 minutos do actor britânico. Também foi um One Man Show em termos de representação.

Foi um episódio que deixou água na boca para esta sexta temporada. As audiências corresponderam. Pois foi um episódio de House e não de House MD. A abertura começa por dizer isso, mas nós vamos percebendo ao longo do episódio.

93


House – Quinta Temporada (2008)

Setembro 11, 2009

House-house-md-2008040-1024-768

The irrational part of my brain thinks like the rational part of yours.

111 episódios. House já vive na televisão há 5 anos, já faz parte da vida de grande parte dos amantes de séries há 5 anos. 5 anos é um largo período de tempo. No mundo das série é raro uma série durar tanto tempo. E House demonstrou o porquê disso. Após 111 episódios, a série não é a novidade que era no inicio. Falta novos casos, novas narrativas. Já não nos contentamos com pouco, já é preciso fazer algo diferente em todos os episódios.

Foi o principal defeito desta temporada. Habituar-nos mal. A quarta, e brilhante, temporada trouxe um ritmo novo a série. Houve mudanças, houve novas histórias para poder contar. Houve um processo de escolha que deu para encher vários episódios sem nos cansarmos. Ainda não tínhamos visto aquilo. Um House que tinha pela frente escolher uma nova equipa. Não sei quantos episódios durou, mas foram os suficientes para os casos médicos não se tornarem enfadonhos. Mas esse processo de escolha teve uma factura cara. A falta de ligação que tivemos durante parte da temporada passada com os novos personagens reflectiu-se agora. Faltava a ligação que tínhamos com o primeiro trio. Com o primeiro trio tivemos paciência, agora a que havia era pouca. E assim começou a nova temporada de House.

Esta nova temporada trazia um novo desafio. Aproveitar o que tinha restado da última e criar algo de novo. Começaram por tentar aproveitar o novo trio. Mas este ainda não tinha substituído da memória Cameron, Chase e Foreman. Começou por ai os erros. Faltava a ligação com as novas personagens. Algo que desse mais consistência a esta nova narrativa. Assim, tentaram colocar um dos antigos com uma dos recentes. Assim nasceu Forteen. A relação entre Foreman e Thirteen pouco trouxe, ou mesmo nada, de bom a série. A tentativa de colocar as novas personagens mais presentes perdeu-se. Faltou criar a ligação com o espectador. No final da temporada ela já era mais notória, mas se calhar faltaram os 4 episódios finais da 4º para cimentar esta relação. Talvez o laço com o espectador já teria sido mais forte se não tivesse ocorrido a greve dos argumentistas.

Para tornar claro esta falta de simpatia pelas personagens, é só ver que a saída de Kutner não teve nenhuma importância para a série, e se a teve foi paupérrima. Não conhecíamos a personagem, não nos tínhamos a aproximado delas. A saída dele não foi significativa para a série, nem para House que, apesar de passar um pequeno período de turbulência, não sofreu consequências de maior.

Para além disso, a nova temporada começou com outro erro. House e Wilson são compinchas. Aquela tentativa de criar alguns problemas a House no inicio de temporada foi perdida. Sabíamos, de antemão, que os argumentistas não separariam a dupla nem por nada. Eles eram das poucas coisas sólidas que a série tinha. E precisava de coisas sólidas. Perderam-se alguns episódios com esta situação que, do meu ponto de vista, não beneficiou ninguém.

Para além disso houve já ressente os seus 111 episódios nas costas. Com tantos casos médicos como o número de episódios, talvez um pouco menos, à série faltam ideias. As narrativas com os pacientes começaram só a servir de tela, de plano de fundo, não tendo nenhuma, ou poucas, consequências na vida dos personagens principais. A ligação falta. As histórias tornaram-se simples, os pacientes são cada vez mais rasos. Houve episódios em que se consegui dar a volta a isso. Mas quase toda a temporada viveu deste vírus, o problema de criar casos complexos, casos que trouxessem interesse a série. Outro problema para viver.

Mas nem tudo foi mal. Mas House só conseguiu bons episódios com ajuda, principalmente de fantasmas. Alucinações foram o pano de fundo do final da temporada, dos últimos 3/4 episódios. Só com esta muleta é que House conseguiu andar bem. Mas também deu para ver que ainda existem ideias para a série. O final foi a prova provada disto, com aquela excelente montagem e consequente twist. A série ainda pode surpreender, como também surpreendeu em, por exemplo, Locked In. O que é é que para chegar a um final deste foi preciso andar por caminho espinhoso. Esperemos que a nova temporada traga um House diferente. Se fosse pelos posters, a série estava salva.

Mas a salvação tem de traçada por outro caminho. Tem de ser traçada por um fortalecimento da relação com Cuddy. A relação tem sido adiada durante 5 temporadas, foi no final (não que me tenha importado muito, com aquele final) de novo adiada. E agora com falta de soluções para causar suspense (o casamento de Cameron), seria interessante ver como ocorreria a relação. Vamos lá ver as escolhas. O que fica certo é que House continuará com as piadas e “Everybody lies”.

35e


Duelo de Séries: Grey's Anatomy ou House?

Setembro 7, 2009

duelo2Existem séries que simplesmente não se livram de uma certa comparação devido aos temas que exploram. Depois do duelo entre ‘True Blood’ e ‘Buffy, the Vampire Slayer’, chega a vez de deixar o vampirismo de parte e debruçarmos nas séries médicas. Essas são as duas séries desse género mais conhecidas e com melhor audiência, mas mesmo assim têm as suas diferenças. Qual será a melhor?

Grey’s Anatomy‘ é um grande drama televisivo que já ganhou vários prémios, tai como ‘melhor série dramática’ em 2007 nos Globos de Ouro. O seu elenco talentoso (que também já teve grandes merecimentos nesses prémios) consegue fazer-nos rir e até arrancar uma lágrima do rosto. É certo que a série também já teve os seus momentos menos bons, principalmente na quarta temporada e no início da quinta, mas Shonda Rhimes também já provou ser capaz de dar a volta por cima, presenteando-nos com dezenas de episódios muito bem escritos. ‘Grey’s Anatomy’ é uma série que vive das suas personagem e da relação das mesmas com os casos médicos.

Ao contrário da série da ABC, ‘House‘ foca-se mais nos casos dos pacientes do que na vida dos médicos. Criada por David Shore e protagonizada por Hugh Laurie, vencedor duplo do Globo de Ouro de melhor actor em série de televisão, ‘House’ também uma série que teve os seus altos e baixos. Enquanto que o episódio ‘House’s Head’, a primeira parte do final da quarta e irregular temporada é das melhores coisas algumas vez feitas para televisão, a quinta temporada foi um autêntico balde de água fria para aqueles que tinham muitas expectativas. Com um elenco menos aproveitado que o de ‘Grey’s Anatomy’, House sobrevive hoje em dia pela grande interpretação de Hugh Laurie.

Na minha opinião ‘Grey’s Anatomy’ consegue ser uma série muito mais apelativa do que House. Isso deve-se ao facto de eu gostar mais de histórias continuas do que episódios fechados, onde se apresenta um doente, resolve-se o diagnóstico e depois ‘bye, bye‘. Além disso, a série da Shonda Rhimes nunca esteve tão fraca a ponto de eu querer desistir dela, algo que eu fiz com ‘House’ na metade da quinta temporada e mesmo sabendo que o final foi bastante agradável, não estou interessado em voltar a pegar nela.

E vocês, qual é a vossa série médica favorita? Votem na sondagem!

[poll id=”73″]


Michael Weston volta a House

Setembro 1, 2009

Sem títuloSegundo o site Entertainment Weekly, Michael Weston irá voltar na próxima temporada, a sexta da série.

A personagem, que apareceu pela primeira vez na quinta temporada quando o House contratou-lhe para seguir o Wilson, vai aparecer em pelo menos um dos próximos episódios.

A FOX decidiu não comentar a volta, mas sendo o Entertainment Weekly a divulgar, pode-se dizer que a fonte é bem segura. Só não compreendo é a razão de trazerem uma personagem que não foi nada bem recebida pelo público.

Recentemente, o protagonista da série – Hugh Laurie -, confessou que o Dr. House está ‘bastante danificado’ devido ao que aconteceu no final da quinta temporada.


Portal de Séries presenteia os melhores comentadores!

Agosto 28, 2009

Untitled-1O Portal de Séries juntou-se às editoras Casas das Letras e Estrela Polar para sortear doze livros sobre séries, sendo eles oito de Dr. House e quatro de outra série ainda por revelar.

Sendo assim, cinco desses oito livros do Dr. House (sendo quatro ‘A medicina segundo Dr. House’ e quatro ‘Dr. House – Guia para a vida’) serão utilizados para serem oferecidos àqueles que fazem do nosso trabalho algo recompensador quando comentam os artigos que fazemos diariamente. Por razões mais que óbvias, a equipa (excepto o Tiago Duarte, que entrou recentemente e antes de entrar demonstrou merecer o prémio) do site está excluída deste prémio que presenteia os comentadores mais fiéis e assíduos do Portal de Séries.

Quem são afinais os vencedores destes prémios? Confira já a seguir:

  • cristiano (cristian*****@hotmail.com)
  • DMM (dm***@sapo.pt)
  • an.drew (andre*****o18@msn.com)
  • Tiago Duarte (tiga****@hotmail.com)
  • João (J***S@sapo.pt)

Todos os cinco vencedores serão contactados por e-mail ao mesmo tempo e depois responderão qual dos dois livros querem. Caso toda a gente queira o mesmo livro, a última pessoa a responder ganha o outro.

Como podem ver, comentar no Portal de Séries tem as suas vantagens. Esperemos que com o início das séries em Setembro possam comentar ainda mais porque estamos a intensificar muitas das nossas parcerias. Só para abrir o apetite, temos seis (!!!) DVDs de séries para sortear a partir da próxima semana. Aproveitem, nunca se sabe quando poderão ser recompensados por um simples comentário.

E se pensas que por seres do Brasil podes sair prejudicado por nunca haver passatempos para o país, estás muito enganado. Já temos um passatempo garantido que deve arrancar daqui a algumas semanas e mais alguns em andamento. Fiquem atentos!

DSC04741

DSC04742


Os livros de 'House' em Portugal…

Agosto 28, 2009

imageNão foi só True Blood e Dexter que tiveram os seus livros lançados em Portugal.

‘Dr. House’, que é exibida em Portugal pela FOX e TVI, tem dois livros lançados no nosso país e que são indispensáveis para os fãs do médico mais carismático da televisão mundial.

O primeiro livro, intitulado ‘Dr House – Guia para a Vida’ foi lançado pela editora Casas das Letras e está disponível para compra aqui, por apenas 12 euros. Neste livro de 170 páginas, entre na mente complexa do personagem interpretado por Hugh Laurie e aprenda a compreender o médico e as suas filosofias de vida.

O segundo livro, com o nome de ‘A medicina segundo Dr. House’ é mundialmente conhecido, sendo até um dos livros mais adquiridos pelos fãs de séries no Brasil. Ele está também à venda na Wook por 16 euros e pode comprar clicando aqui. Tal como o nome do livro indica, este explora os mais diversos diagnósticos segundo a visão do famoso médico e foi editado pela editora Estrela Polar.

Ambos os livros (e mais um a ser revelado em breve) serão sorteados no Portal de Séries em passatempos ainda por anunciar. Deixo adiantado o meu obrigado às editoras por terem aceito mais esta parceria com o nosso site e ter dado estes livros para sortear.